Tags:, , , , , , , , ,

Variadas e baratas, comidas de ambulantes conquistam estudantes da UFBA

Maria Paula Marques e Renata Oliveira - 27 de novembro de 2017

Quem frequenta as salas de aula da Universidade Federal da Bahia (UFBA) pode ter muitas coisas a reclamar acerca da penosa vida de estudante de instituição pública. Mas, certamente, a falta de opções gastronômicas para quando sente fome não é uma delas. Com a crise econômica que se instalou no país desde 2015, a venda de comidas nos campi da universidade tem sido uma rota de fuga bastante adotada por aqueles que perderam o emprego ou simplesmente almejam uma renda extra. E, de acordo com os próprios vendedores que transitam pela universidade, a estratégia tem se mostrado uma aposta certeira para esse tipo de negócio.

Quem passa diariamente, no horário do almoço, entre a Biblioteca Central e o Instituto de Letras se depara com o “Delícias da Lu”, mote atribuído ao negócio de Luciana Santos. Ela pondera que nunca havia antes trabalhado com culinária. No entanto, pôde vislumbrar na área a oportunidade de trabalhar para si mesma; ser a sua própria chefe. “Trabalhava em supermercado como fiscal de caixa. Saí da empresa e não queria mais trabalhar pra ninguém. Chega de botar escada para os outros subirem”, exclama.

Dado o sucesso, Luciana, tendo em vista aperfeiçoar-se, resolveu participar de um curso no Sebrae. A moça faz questão de realçar que foi aconselhada pelo seu filho Breno (não, não é o da empada), estudante da universidade, a vender almoço no campus. “Breno é boca nervosa, procurava o que comer e não tinha. Ele queria que eu fosse para São Lázaro, só que, pra mim, aqui [em Ondina] é melhor, mais movimentado. O acesso para São Lázaro é péssimo e perigoso”, detalha.

“Se não forem armazenados de forma correta, pode dar uma infecção. Isopor não é garantia de armazenagem, o uso dele é apenas para transportar”, alerta Orlando Siqueira, proprietário de um espaço no Instituto de Geociências.

 A proprietária do “Delícias da Lu” relata ter começado vendendo salada de frutas e de vegetais, contudo percebeu que os alunos queriam algo “mais sólido”. Trouxe aipim em embalagens de 250g, e, ainda assim, a freguesia queria mais. A partir daí, começou a vender suas quentinhas e seus potes de meio quilo de escondidinho, carro-chefe do negócio. Quanto à seguridade dos alimentos, ela afirma ao mesmo tempo que os exibe orgulhosa. “Os potes são vedados, ficam aqui no isopor. É tudo feito pela manhã, tanto as quentinhas quanto os potinhos. Ninguém corre o risco de passar mal. Se já aconteceu, nunca passaram pra mim”, garante.

 Ninguém deixa de perceber a fila que se forma diariamente, no vão da Biblioteca, em direção a uma caixa térmica vermelha com um senhor grisalho sentado detrás. Simpático, Carlos Henrique Freitas vende geladinhos; arma contra o calor do verão, como uma alternativa ao recente desemprego. Freitas ressalta que a escolha do suco ensacado e congelado se deu por já possuir um know-how de 17 anos, advindo por vendê-los previamente em sua residência, no bairro de São Caetano.

Fila começa por volta das 13h em frente à Biblioteca para a compra dos geladinhos de Carlos Freitas (Foto: Maria Paula)

 Simultaneamente, enquanto atendia aos fregueses, Freitas explicou ao ID126 a sua rotina. A esposa dele é quem produz; ele fica com a parte da compra da matéria-prima, de transportar as mercadorias prontas e comercializá-las. Para Freitas, o “toque feminino” de sua companheira é essencial. “Tem que ter o toque da minha abençoada”, declara-se. No entanto, ele garante: “Se for necessário – quem sabe é Deus -, um dia eu posso até fazê-los. Mas, com certeza, não ficaria iguais aos dela”, frisa. 

Quanto ao retorno financeiro, o comerciante alega que a margem de lucro cai por oferecer preços mais baixos do que o usual para os estudantes, porém afirma ser “o homem mais rico do mundo” ao pagar as contas em dia no final do mês. Seu Carlos se define, ainda, como um bon vivant ao responder que os detentores das licitações das cantinas ou representantes da UFBA nunca lhe afrontaram em relação à sua falta de licenciamento. “Trago meu banquinho, fico no meu cantinho, não incomodo ninguém. Eu sei viver”, proclama.

  

Instagram: @brenudaempada

No entanto, o comércio alimentício não se restringe às vítimas da crise. Até mesmo os discentes enxergaram neste meio uma solução para a falta de verba. Prova disso é o famoso Brenu da Empada, ou Breno Sodré, responsável pela venda de um dos lanches mais populares no campus de Ondina.

Ele conta que a venda dos quitutes se deu, inicialmente, como um mecanismo de divulgação de sua futura formação, a de gastrônomo. O arrojo deu tão certo que já são cinco anos comercializando as empadas. “Apesar de meus pais me ajudarem, eu ainda prefiro ter uma grana para pagar coisas que, no bolso deles, seria mais um gasto”, salienta.

UFBA vegana

Toda semana, o vegetarianismo ganha cerca de 2 mil novos adeptos no país, segundo dados da Sociedade Vegetariana Brasileira. Esse crescimento tem refletido de maneira positiva no mercado vegetariano, vegano e de serviços relacionados. Entretanto, para a discente do Bacharelado Interdisciplinar (chamado gentilmente de BI) de Ciência e Tecnologia, Lahara Carneiro avalia como “difícil” adotar o estilo de vida veganista, se for depender das cantinas dos institutos e do Restaurante Universitário, o R.U.

Por mais que o R.U. ofereça opções vegetarianas, ainda são utilizados no preparo das refeições ingredientes como ovo e leite, o que comprova que “os veganos não têm o que comer lá”, reclama Lahara. “Seria legal uma variação na proteína, para quem não come carne. Acho que, por o pessoal não saber muito das variedades na alimentação vegana-vegetariana, acabam indo para um caminho de mesmice, tipo a soja”, desabafa.

Engana-se quem pensa que o imbróglio se restringe ao R.U. A acadêmica reforça que as cantinas também oferecem pouquíssimas ou nenhuma opção para este grupo. “Eu acabo recorrendo às barraquinhas ali na Biblioteca, que têm várias opções, como a Amiga da Vaca”, conta. Vale dizer que o R.U. serve refeições à comunidade universitária sob o valor de R$ 2,50, com custos adicionais subsidiados pela Universidade. Parte dos alunos bolsistas pode fazer as refeições sem qualquer custo.

“Após o término da aula em Ondina, às 12:30, preciso estar no ICS às 13h. Não tenho tempo para esperar a fila do RU”, explica o estudante Pedro Martins, do BI de Saúde.

  Mariana Martins é a responsável pela “Amiga da Vaca”, loja de comidas veganas que já está há dois anos na biblioteca de Ondina. Diariamente, pessoas como Lahara consomem ali, mas muitos curiosos também provam da culinária vegana: “gente que nem é vegetariana come direto conosco”.  Sobre o início do negócio, Mariana explica que começou com a ajuda de duas amigas, mas que hoje assume sozinha toda a loja, que já se expandiu para o meio virtual: ela conta com um instagram (@amigadavaca) em que você pode fazer pedidos, além do próprio whatsapp da vendedora e página no Facebook com o mesmo nome.

 Diferentemente de Brenu da Empada, Mariana ainda não é estudante da UFBA. “Sou formada em publicidade pela FMU [Faculdades Metropolitanas Unidas] de São Paulo,  esse ano tentei o Enem e espero conseguir entrar no BI de artes”, complementa a responsável pela Amiga da Vaca, que também conta com registro no MEI [microempreendor individual] com alvará para venda de lanches de rua.

  A aluna de medicina veterinária Michele Lipphaus é uma frequentadora assídua do restaurante universitário. Ela afirma que, apesar das diversas reclamações feitas pelos alunos da instituição sobre a qualidade da refeição, gosta muito da qualidade da comida oferecida pelo restaurante, e principalmente, do preço. “Já cheguei a ficar quase uma hora na fila, mas acho que vale a pena porque eu saio bem satisfeita”, conta.

Já o aluno do BI de saúde, Pedro Martins, tem os vendedores ambulantes como sua melhor alternativa à demora da fila do restaurante universitário: “Após o término da aula em Ondina, às 12:30, preciso estar no ICS às 13h. Não tenho tempo para esperar a fila do RU, por isso, acabo comprando lanches oferecidos pelos vendedores ali da biblioteca, porque almoçar nas cantinas dos institutos também não dá pra mim: é muito caro.”

Enquanto no campus de Ondina sobram opções de lanches e refeições completas, no campus da Piedade, onde fica a Faculdade de Economia, os alunos reclamam da falta de um local para lanchar: “Dentro do campus não tem nada. Só aluno choroso ou deprimido, professor correndo nos corredores para fugir dos alunos. E a galera da portaria e limpeza que é resenha o dia todo.” conta um estudante do campus, que costuma ir para fora do ambiente se quiser se alimentar. “Na avenida, não faltam restaurantes ou lanchonetes, inclusive o Grão de Bico. Próximo ao São Raimundo tem uma padaria que sai café da manhã, lanches e a noite uma sopinha, com preço acessível”,  diz.

Os vendedores autônomos entrevistados afirmam nunca terem tido nenhum tipo de problema com os donos de cantina e muito menos com a própria Universidade. De acordo com eles, a venda dos alimentos é feita de forma livre e sem fiscalização.

Preto no branco

Márcio Fontes, chefe do Núcleo de Contratos da Proad (Pró-Reitoria de Administração), explica que existem duas modalidades de licitações, no que se diz respeito a preparar as refeições no próprio estabelecimento.

Diferente do Instituto de Matemática, gerido por Antônio da Silva Barbosa, que possui uma licença de “simples comercialização” de quitutes, por exemplo, a cantina da Faculdade de Comunicação (Facom), chefiada por Edson Ribeiro, oferece a docentes e estudantes, almoço, de segunda a sexta-feira, preparado na cozinha do local.

Orlando Siqueira, administrador que gere a cantina “Espaço Gula”, presentes no Instituto de Letras e de Geociências, trabalha no ramo alimentício há mais de 20 anos e, por esse motivo, tem um olhar mais crítico e conhecimento de causa quando o assunto é comércio de comida. Para ele, “alimento não é brincadeira”, sentencia ao se referir à vendagem por autônomos na Universidade. “Se não forem armazenados de forma correta, pode dar uma infecção. Isopor não é garantia de armazenagem, o uso dele é apenas para transportar. Vocês [estudantes] correm risco consumindo esses alimentos. Eu observo que alguns deixam os alimentos o dia inteiro expostos, isso é um perigo”, completa.

A doceria é o carro chefe do Espaço Gula, que está no Instituto de Letras e Geociências no campus de Ondina (Foto: Renata Oliveira)

O empreendedor já estava no fim do contrato com o Senai Cimatec, centro universitário localizado na Avenida Orlando Gomes, em Piatã, quando ficou sabendo da abertura de licitação das áreas que ocupa hoje. Ele esmiúça que as cantinas fixas, como as dele, pagam um valor referente ao aluguel do espaço para a Universidade. “Já conversei sobre os vendedores ambulantes com a diretora de Letras. Ela me explicou que, para poder trabalhar e explorar um espaço público federal, a pessoa tem que se submeter à licitação”, diz. “O Instituto de Letras ficou muito tempo sem cantina, o que fez com que o número de vendedores ambulantes se multiplicassem na área. Mas não somos nós da cantina que vamos tirar ninguém, o que importa é que estou dentro da lei”, garante.

  A Proad dá o caminho das pedras para aqueles que pensam em abrir uma cantina nos campis universitários. “De uma maneira geral, a unidade encaminha para a Pró-Reitoria de Administração uma solicitação informando sobre a necessidade do serviço na unidade específica. Depois de recebida a solicitação, a Proad dá início ao processo de licitação para que as pessoas interessadas possam participar e concorrer a exploração do espaço”, diz.

Figurinha carimbada na UFBA desde meados de 1990, Chumbinho chegou a vender os lanches no Instituto de Química. Hoje, está abrigado no PAF IV há mais de oito anos. Os salgados são em parte produzidos em casa, por ele mesmo, que chega às cinco da manhã e sai às oito da noite. A venda dos lanches é a sua única fonte de renda.

Chumbinho, que tem seu ponto no PAF IV, passou a aceitar como formar de pagamento cartões de débito. (Foto: Maria Paula)

A título de curiosidade, a respeito de seu apelido, Valter brinca que “não é nada demais”. “É só por causa daquelas balinhas de chumbinho mesmo, pequenas que nem eu”, esclarece em meio a risadas. Agora, Chumbinho passou a aceitar como forma de pagamento o cartão de débito, buscando aumentar ainda mais a sua clientela.

Chumbinho concorda com Orlando a respeito dos autônomos. “Eu sei que tem alguns vendedores ambulantes que não têm cadastro, mas a UFBA promete que vai tirá-los. Me incomoda, sim, pois eu pago [aluguel do espaço] e eles não, mas não sou eu quem vou falar [com eles]. Quem tem que ver isso é o pessoal da própria UFBA”, afirma.

A Pró-Reitoria, por sua vez, está fazendo um levantamento de tudo que se refere à comercialização dentro do campus universitário, para poder mapear e, assim, verificar as condições de quem já tem contrato e regularizar a situação de pessoas que, eventualmente, não têm. “A ideia é que todas as pessoas que comercializem sejam previamente autorizadas. Como o campus é grande, pode ocorrer, logicamente, de ter algum ambulante que não seja do nosso conhecimento, mas os que nós temos conhecimento, nós contactamos a pessoa para que isso seja regularizado”, assegura Fontes.

Sobre o aluguel do espaço, Márcio afirma que, para que o pagamento ocorra, o comércio precisa ser devidamente regularizado pela UFBA, através de um contrato precedido de um processo licitatório. Porém, o chefe do núcleo desconhece ambulantes que estejam dentro dos conformes: “O único exemplo que eu posso dar é do vendedor de castanha que fica situado em frente ao Banco do brasil, no campus de Ondina. Ele paga em torno de 60 reais por mês para utilizar o espaço, além de possuir autorização de funcionamento.”

Diferente dos outros donos de cantina, Alexandre Bispo, o “Xandinho de Ibio”, atesta não ter nenhum tipo de problema com os ambulantes da UFBA. Presente há mais de 30 anos no Instituto de Biologia, Xandinho tem seus clientes fiéis e nada a reclamar. “Eu comecei a vender geladinho aqui há cinco anos, e aí as pessoas começaram a vender também. Ou seja, eu abri caminho para os outros venderem. Acho isso ótimo, não tenho nenhum problema, nem nunca tive”, endossa.

Xandinho é conhecido como o avô dos estudantes do Instituto de Biologia (Foto: Renata Oliveira)

Muito querido pelos estudantes, os quais considera como sobrinhos e netos, o vendedor de 85 anos é aposentado estadual. “Mas como vive com um salário mínimo? Por isso continuo com a cantina”, justifica. “Eu produzo os alimentos, todos feitos no mesmo dia em que coloco para vender. Nunca tive nenhuma reclamação”, orgulha-se. Xandinho fica no Instituto todos os dias até às 18h, quando uma outra vendedora, que contribui com parte do valor do aluguel do espaço, assume a frente.

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021