Tags:, , , ,

Sim, mulheres escrevem. Só falta o mercado descobrir

- 25 de janeiro de 2017

É uma verdade universalmente reconhecida sobre a produção literária feminina . Será mesmo?

Lara Pinheiro e Rayllanna Lima

Uma das escritoras mais proeminentes do modernismo, Virginia Woolf, em 1929, arriscou um palpite. Todos os textos sem assinatura registrada (ou seja, anônimos), segundo ela, eram escritos por mulheres. Naquele mesmo ano, a Bolsa de Valores de Nova York quebrou, provocando uma crise desmedida e uma nova ordem que emergiu do capitalismo. Passadas quase nove décadas do desmesurado pitaco de Wolf e tantas alterações no mundo, o mercado editoral ainda não dá sinais consideráveis de mudança.

De acordo com pesquisa feita em 2012 pela professora Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília (UnB), as mulheres continuam atrás no mercado editorial brasileiro. Uma esmagadora maioria de 72% dos romances publicados entre 1990 e 2004 foram escritos por homens, considerando as três maiores editoras do país (Record, Rocco e Companhia das Letras).

Fora do Brasil, o cenário apresenta leve melhora, muito embora longe do ideal. A organização americana Vida constatou, em 2015, um máximo de 49% de participação feminina em publicações literárias.

LEIA MULHERES

Foi para mudar esse cenário que a escritora britânica Joanna Walsh criou, em 2014, o projeto #readwomen (em livre tradução, #leiamulheres). A ideia nasceu no Twitter, com a finalidade de propagar literatura feminina na Inglaterra e pelo resto do mundo. A repercussão do projeto foi tanta que a lista original da escritora, recomendando 250 autoras mulheres para leitura, foi crescendo à medida que outros usuários adicionavam suas próprias sugestões.

Os cartões de Natal enviados por Joanna Walsh em 2014, cada um indicando diversas autoras mulheres, deram início à campanha #readwomen no Twitter | Crédito: Joanna Walsh

Em solo brasileiro, o projeto chegou em 2015, com a criação do primeiro grupo de leitura Leia Mulheres, em São Paulo. Em Salvador, um ano depois, as mediadoras Ilmara Fonseca, Eduarda Sampaio, Joana Mutti e Paula Janay foram as responsáveis por organizar os encontros, que acontecem sempre no último sábado de cada mês. O próximo será em 28 de janeiro. A pauta já está definida: a discussão de Crônica de uma Namorada, de Zélia Gattai — em parceria com a Fundação Casa de Jorge Amado.

Nascida em São Paulo e radicada na Bahia, Zélia Gattai tem em seu repertório uma vasta produção de romances e contos. Em 2001 foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, sucedendo a cadeira deixada por Jorge Amado, seu marido, morto naquele ano. Apesar da profusão literária e importância reconhecida, Zélia é costumeiramente posta à sombra do companheiro — algo que o projeto tenta reverter evidenciando a importância de suas letras.

Ilmara Fonseca e Eduarda Sampaio contaram que a escolha dos livros é feita mediante consulta, via Facebook, às participantes do grupo. “É importante que a gente escolha livros de fácil acesso, porque livro ainda é muito caro”, pontua Ilmara. Elas também consideram essencial que a obra conduza a uma discussão sobre temas ligados ao empoderamento feminino.

Ambas concordam que, apesar de as leituras mensais serem abertas a qualquer pessoa, o público acaba sendo majoritariamente feminino, pois os encontros “também são um momento de dividir histórias e discutir temas muito próximos às mulheres, como por exemplo maternidade, relacionamentos abusivos ou questões ligadas ao feminismo”, explica Ilmara. “São temas que acabam incomodando os homens”, pontua Eduarda.

O Leia Mulheres em Salvador tem encontros em todo último sábado do mês. Da esquerda para a direita: Paula Janay, Ellen Guerta (atrás), Marília Moreira, Carolina Guimarães, Eduarda Sampaio e Carolina Valença | Foto: Gabrielle Guido - Labfoto Facom/Ufba

Quando questionadas sobre o termo “literatura feminina”, as mediadoras declinam o conceito. “Se a gente fosse falar de literatura feminina, precisaríamos falar sobre o que é feminino, algo que é um problema gigantesco. Um livro escrito por uma transexual é feminino? Acho que as editoras pegaram esse nicho de escritoras de amor romântico, idealizado, erótico e estão aproveitando, chamando de “literatura feminina”,” avalia Eduarda.

Confira:  Os Melhores livros lidos em 2016 pelo Leia Mulheres

Leia Mais

Linhas sem láurea: mulheres ainda são minoria em prêmios literários

 

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021