Tags:, , , ,

Seção Memória da Biblioteca Central da UFBA guarda relíquias pouco conhecidas da comunidade UFBA

Saulo Miguez e Tiago Oliveira - 31 de agosto de 2017

Há mais de 30 anos como bibliotecária da UFBA, Tereza Gonçalves conhece a fundo os tesouros ainda pouco visitados

Saulo Miguez e Tiago Oliveira

Acervo da biblioteca (Foto: Tiago Almeida)

No pavimento mais alto da Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa – mais conhecida como Biblioteca Central da UFBA– por detrás da porta à esquerda de quem sobe as escadas, estão algumas das mais valiosas preciosidades do enorme acervo da universidade. A Seção Memória preserva coleções particulares que pertenceram a intelectuais baianos e foram doadas por eles ou suas famílias para consulta pública. Estão por lá, por exemplo, as livrarias de Armindo Bião, Cruz Rios, Anísio Teixeira e Hélio Simões.

O espaço também guarda cópias de todos os trabalhos de conclusão de curso e dissertações de mestrados e doutorados apresentados pelos alunos da Universidade, uma infinidade de CDs, DVDs, VHSs que contam a história da UFBA. Todo esse material ajuda a compor a relação de 145.434 volumes da Central, que estão distribuídos em 56.176 títulos.

Na seção estão ainda coleções de objetos pessoais e relíquias dos laboratórios da instituição que nos fazem viajar no tempo. São microscópios, louças portuguesas, medalhas, balanças, a borla do Reitor. Um verdadeiro museu sobre nossas cabeças.

A guardiã
Tanta história é mantida sob silêncio ‘monastérico’ raramente atravessado pelo toque da campainha que anuncia a chegada de visitantes. Em um dia de sorte, as visitas serão recepcionadas pelos olhos serenos e a voz mansa da bibliotecária Tereza Gonçalves. Funcionária concursada da UFBA desde 1982, ela já poderia estar aposentada. A paixão pelo o que faz, no entanto, a mantém de luvas de procedimentos nas mãos e de olhos vivos em cada detalhe das obras que chegam à sua bancada para ser catalogada.

Instrumento faz parte do acervo no 4º andar da biblioteca (Foto: Tiago Almeida)

“Preciso pensar em como vocês alunos irão pesquisar os livros”, explica Tereza enquanto passeamos por entre as estantes. “Vê esses livros que não têm etiquetas?” – pergunta com o dedo apontado para uma pilha de volumes – “são os que faltam ser catalogados”, completa.

A pouca circulação de pessoas na sala do terceiro pavimento contrasta com o movimento intenso dos andares de baixo. Diariamente pela Biblioteca Central, que desde 1968 atende alunos, professores, servidores e a comunidade externa, circulam cerca de três mil pessoas que vão se abrigar da chuva, matar uma aula e, vez por outra, ler um livro.

Tecnicamente apaixonada
Tereza é responsável pelo processamento técnico e por alimentar o sistema Pergamum com as obras que chegam à seção. Para fazer isso de forma ágil e precisa, desenvolveu uma técnica de leitura dinâmica que a permite registrar até dez obras diariamente.

“Eu não leio o livro todo, até porque isso levaria muito tempo. Me concentro nos pontos que sei que são chave para entender a obra e poder encaixá-la na categoria correta para vocês [alunos] pesquisarem”, comenta.

Apesar do trabalho carregado de raciocínio e técnica, a bibliotecária é só sentimentos ao narrar o ofício. “Tem horas que me controlo porque vou ficando encantada com o que eu vou lendo. É paixão mesmo”, descreve.

O olhar rodeado de brilho da bibliotecária, por sua vez, como que por um capricho do destino não será visto nesta matéria. Bem articulada com as palavra, mas ao mesmo tempo introspectiva, Tereza não se deixou fotografar. “Pelo amor de Deus!”, pediu – não insistimos.

Foto: Tiago Almeida

Papel, caneta e coração
Para além das letras impressas, o que faz Tereza suspirar nas obras não são as contribuições de quem propriamente escreveu ou editou o livro, e sim aquelas linhas escritas a mão, geralmente na folha de rosto do volume, e que costumam finalizar com a data do dia e uma assinatura. “Tive momentos que fiquei emocionada ao ler as dedicatórias dos alunos para os professores porque vi o carinho pelo mestre”.

Pelas obras preferidas dos intelectuais que hoje repousam seus acervos sobre as prateleiras da Central, Tereza acaba conhecendo um pouco da personalidade de cada um desses pensadores a ponto de se referir a alguns deles como quem fala daquele amigo de infância. “O forte do Armindo Bião é a antropologia. Mas ele lia de tudo”, afirma com propriedade.

O professor Armindo Bião, ou melhor, a biblioteca dele, aliás, foi o que trouxe Tereza de volta ao prédio da Central, há cerca de dois anos. Ela estava na biblioteca do Instituto de Física, onde se acostumou a lidar com fórmulas, incógnitas, números. “Não era raro eu pedir ajuda a algum aluno que passava pela biblioteca para saber onde determinada obra ficaria melhor classificada”.

Apesar de todo encantamento pelos livros, o que está para além das janelas da seção Memória é igualmente catalogado no acervo do coração de Tereza como obras raras. “A natureza faz essa benevolência pra gente e não cobra nada”, narra enquanto mira o olhar distante e ao mesmo tempo concentrado sobre o verde da Mata Atlântica que recobre o campus de Ondina.

Os mais de 35 anos dedicados aos livros desenvolveram nela um tino para sacar se uma obra é boa ou não. Essa perspicácia não tem nada a ver com forma, estilo e nem sempre está relacionada ao conteúdo. Aliás, não é nem sequer material. O que faz da leitura inesquecível é o tanto de sentimento que o escritor derramou sobre as páginas. “Quando o autor escreve com a alma, você percebe a alma falando. É diferente”.

Pedro Novaes, estudante de Engenharia Civil (Foto: Tiago Almeida)

Obras da área de Saúde são as mais procuradas da Central
O estudante do 3º semestre de Engenharia Civil Pedro Novaes, 20 anos, é um dos milhares de alunos que usufruem da estrutura da Biblioteca Universitária Reitor Macedo Costa e quase que diariamente respira o ar puro de conhecimento que circula das prateleiras para as mesas da Central. “Aqui é mais perto do PAF, do RU [Restaurante Universitário] e geralmente é muito tranquilo”, conta o jovem que aproveita o intervalo entre as aulas da manhã para estudar.

Enquanto Novaes se debruça sobre incógnitas e equações, a graduanda em Ciências Naturais Amanda Santos, 21, que está no seu primeiro semestre de faculdade, corre para devolver um exemplar do livro A Célula. “Geralmente pego livros a cada 15 dias aqui na Central e também uso as salas reservadas para fazer trabalhos em grupos e estudar”, disse Amanda.

Amanda Santos, estudante de Ciências Naturais (Foto: Tiago Almeida)

A obra cedida à futura cientista, inclusive, está entre as mais requeridas do gigantesco acervo com mais de acervo de 52 mil livros. Na lista dos cinco títulos mais procurados, nada de clássicos da literatura inglesa ou romances de Jorge Amado. Segundo a coordenadora geral do espaço, Nelijane Campos, as obras da área de saúde são as que menos tempo passam repousando sobre as estantes.

De acordo com um levantamento passado pela direção da biblioteca para a realização desta reportagem, os cinco títulos mais emprestados são: Histologia básica; Fundamentos da biologia celular; Biologia molecular da célula; A célula: uma abordagem molecular; Anatomia dos animais. Os alunos que mais realizam empréstimos também vêm dos institutos de saúde, sobretudo os graduandos em Biologia e Farmácia.

Público dos finais semana é de cerca de 1% dos dias normais
Desde o mês de maio do ano passado, a Biblioteca Central Reitor Macedo Costa passou a funcionar durante os finais de semana. A ampliação do funcionamento aos sábados e domingos, segundo a UFBA, visa oferecer maior acolhimento da comunidade acadêmica aos serviços da biblioteca, ampliando o acesso às atividades de estudo e pesquisa no acervo disponível na unidade.

A circulação de público fora do chamado horário comercial, por sua vez, está muito abaixo dos dias normais. Enquanto de segunda à sexta-feira cerca de três mil pessoas passam pelo espaço, aos sábados e domingos esse número cai para 30, que representa algo em torno de 1%.

Nelijane Campos, coordenadora do espaço, conta que apesar do número ainda baixo de visitantes é importante manter o funcionamento no horário estendido como forma de atrair o leitor. “Assim a gente estimula a visitação e aos poucos forma um público”, disse.

Ela, no entanto, reforça o convite para que as pessoas, não só alunos e professores, mas a comunidade de modo geral, para frequentarem a Central. “Esse espaço é nosso e a gente precisa ocupar ele”, frisou. Durante a semana, a biblioteca funciona das 7h30 às 21h e aos sábados e domingos das 8h às 16h.

Hoje, quadro de funcionários da Biblioteca Central conta com 18 técnicos administrativos, 15 bibliotecários e 22 terceirizados que dão conta de preservar tanto conhecimento concentrado em um ambiente tão lúdico. Os espaços para leitura são amplos e arejados e possuem cabines individuais para aqueles que desejam uma leitura mais reclusa.  A biblioteca abre durante a semana das 7h30 às 21h e aos sábados e domingos das 8h às 16h.

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021