Tags:, , , , , , , ,

Processo de convergência midiática afeta às relações trabalhistas entre jornalistas e empresas

- 8 de junho de 2011

Sindicato afirma que a convergência midiática na Bahia ainda é experimental e não existe regulação contratual

Por Edna Matos

Marjorie Moura preocupada com o processo de convergência midiática na Bahia

A profissão de jornalista vive hoje tempos bastantes conturbados. O crescimento do jornalismo multimídia que está mudando a prática da profissão pela tecnologia, vem impactando também as relações trabalhistas. Tanto as empresas quanto os jornalistas estão em fase de adequação. Para a presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (Sinjorba), Marjorie Moura, o processo de convergência midiática por que passa as empresas jornalísticas, vem produzindo um enxugamento nas redações uma vez que está se criando a figura do jornalista “faz-tudo”. “Este é um processo complicado, pois os jornalistas estão servindo de cobaias, tudo está sendo feito muito experimentalmente. Ainda não existe regulação. Como você negocia um contrato? O que se coloca como objeto desse contrato?” Marjorie Moura ressalta ainda os aspectos relativos à saúde: “As pressões são muitas, tem muita gente ficando doente, sofrendo de estresse”.

Além disso, por não haver um sindicato patronal único, a categoria já está há três anos sem acordo coletivo. Segundo Moura, os acordos salariais são definidos para cada empresa e isso, além de exigir um desdobramento de esforço da atividade do sindicato, divide a categoria. Por isso, na Bahia o piso salarial para a profissão de jornalista não é único. Atualmente, entre as empresas baianas, o menor piso é aplicado pelo jornal Tribuna da Bahia (R$ 1.250,00) e, o maior, pelo jornal A Tarde (R$ 1.496,00) para uma jornada de cinco horas.  Para o trabalho em assessorias de comunicação, utiliza-se o piso aprovado em assembléia (R$ 2.562,00). Para as atividades realizadas de forma autônoma existe uma tabela para trabalhos free lancer definida no congresso estadual dos jornalistas em 2009.

Diante desse quadro, Marjorie Moura afirma que o jornalista precisa entender que antes de tudo ele é um profissional liberal e uma opção é o empreendedorismo. “O jornalista precisa voltar a ter iniciativa. Em um mercado estagnado como esse, não pode pensar apenas em ser empregado. Precisa buscar alternativas não só com blogs, mas, por exemplo, com matérias especiais para o rádio que foi alavancado pela internet”. Ela informa que o Sinjorba vem tendo algumas conversas preliminares com o Sebrae com o objetivo de realizar alguns workshops. “O jornalista não sabe ganhar dinheiro, ele só sabe ser empregado e isso precisa mudar”, afirma Moura.

Leia também: O clássico renovado de um mestre: Alberto Dines fala sobre diploma, profissão e a reedição, 35 anos depois, do seu livro “O papel do jornal de a profissão do jornalista”

Continue lendo:

Decisão do STF não provoca corrida para registro de jornalista

“Importante é ter a profissão de jornalista reconhecida, o diploma respeitado e o ensino qualificado”

Para sobreviver, o jornalismo precisa se adaptar às novas tecnologias

O constante desafio de ser jornalista

FUTEBOL

Afinal, o VAR traz justiça pro brasileirão?

Implementado este ano na competição, recurso ainda causa controvérsias no meio esportivo Por Caio Marco e Victor Fonseca Desde que se tornou popular mundialmente, o futebol sempre foi marcado por polêmicas, especialmente com relação à arbitragem. Pênaltis decisivos não marcados (ou pênaltis mal marcados), gols de mão, impedimentos, dentre outras controvérsias se mantêm na pauta […]

Caio Marco, Victor Fonseca - 13 de novembro de 2019

Desconectados

Status: Desconectado

Em tempos de relações on-line, jovens baianos andam na contramão e defendem que a boa conexão está fora da tela Por Carlos Magno e Thídila Salim Com um misto de funcionalidades, os smartphones se tornaram peças indispensáveis na vida de muita gente por todo o mundo, seja para auxiliar no trabalho ou para puro lazer. […]

Carlos Magno, Thídila Salim - 13 de novembro de 2019

Futebol feminino

A bola está com elas

Beatriz Rosentina, Elias Santana Malê, Ingrid Medina e Larissa Travassos 13 de novembro de 2019 A bola está no campo e quem veio jogar foram elas, as mulheres, que cada vez mais ganham visibilidade a partir das iniciativas para esta modalidade. Com uma história marcada por mais de 40 anos de proibição da prática no Brasil, a […]

Beatriz, Elias, Ingrid, Larissa - 13 de novembro de 2019

Saúde mental

Saúde mental e vida universitária: Seria a universidade um ambiente tóxico?

Foto: Marcelo Camargo Danilo Gois e Iuri Petitinga O sonho de ingressar em uma universidade pública é algo que acompanha quase todos os estudantes de ensino médio no Brasil. Muitos destes alunos não imaginam que a pressão do período pré-vestibular não para após o ingresso em um curso superior e uma parte destes alunos não consegue […]

Danilo Rodrigues e Fernando Iuri Petitinga - 18 de novembro de 2019

Algodão

Crescimento de 17% na safra de Algodão da Bahia assegura o estado como 2º exportador mundial

Região é explorada desde os anos 1980, marcada pela presença de “baiúchos” Ellen Chaves, Fernando Franco, Welldon Peixoto e Pedro Oliveira Foto: Welldon Peixoto O ano de 2019 já aponta 17% de aumento na safra de algodão no cenário baiano, segunda maior cultura da região. O oeste é responsável pela maior parte da produção do […]

Ellen Chaves, Fernando Franco, Welldon Peixoto - 18 de novembro de 2019

Consumo cultural

Popular para quem? Por trás da dinâmica do consumo cultural em Salvador

Apesar de uma vasta programação cultural e artística,  parte da população de Salvador não frequenta esses eventos  Lizandra Santana, Luciano Marins e Luana Gama Salvador é uma cidade que respira cultura. Por quase todos os cantos encontramos espaços culturais com uma programação diversificada, além de festivais realizados ao longo do ano. Ao mesmo tempo, parte […]

Lizandra Santana, Luciano Marins e Luana Gama - 13 de novembro de 2019