Tags:, , , , , , ,

Os 7 pontos da Avenida Sete

- 14 de julho de 2015

Caminhamos por toda a Avenida Sete de Setembro, em Salvador, para mostrar as peculiaridades e as diferenças de sete pontos de um logradouro que reúne comércio, moradia e lazer

Amanda Lima, Laís Lopes, Luciano Marins, Luiz Fernando e Nathália Luna

Às 7h da manhã de sábado, a missa no Mosteiro de São Bento da Bahia se inicia ao som dos cânticos religiosos. É o sinal da nossa partida para caminhar em uma das principais vias do centro de Salvador: a Avenida Sete de Setembro, que surge na Ladeira de São Bento. Nosso ponto de partida é o próprio Mosteiro de São Bento, localizado no Largo de São Bento. Fundando em 1582, ele é o primeiro mosteiro beneditino das Américas e sua história está ligada à história da Bahia. No mesmo local, está situada a Biblioteca do Mosteiro com um acervo que reúne obras raras e especiais que datam desde 1503 até os dias atuais.

Acima, a Ladeira de São Bento por volta de 1930. Abaixo, a mesma região com o Mosteiro de São Bento atualmente. (Fotos: Arquivo / Mosteiro de São Bento)

A Avenida Sete de Setembro foi inaugurada em 1916 pelo então governador José Joaquim Seabra. Foi idealizada como parte do plano de reforma urbana de Salvador, iniciado em 1912, buscando conectar o centro antigo aos novos bairros que surgiam ao sul da cidade. Diferente da maioria das avenidas, ela apresenta diversas interrupções no seu trajeto e perde a denominação oficial em muitos trechos. Questionada sobre o fim do trajeto da Avenida, a dona de casa Damiana Paixão, 38, afirmou que “termina no Campo Grande”. Resposta errada! A maioria das pessoas que perguntamos não sabia que a Avenida Sete, como é mais conhecida, termina na Barra, no território da Vila do Pereira. “É verdade? Nunca soube disso”, surpreendida com a informação.

A Avenida Sete possui uma ocupação variada em seus três principais trechos; o distrito de São Pedro, distrito da Vitória e o distrito da Barra, cada um com suas características socioeconômicas e paisagísticas. Diante dos seus 4,6 mil metros, escolhemos sete pontos da Avenida Sete de Setembro para mostrar os seus contrastes, a sua história, curiosidades e personagens que roubam a cena ao longo de sua extensão até a região do Farol da Barra.

As horas e histórias do Relógio de São Pedro

Cercado por construções antigas e comércio local está o Relógio de São Pedro, o nosso segundo ponto. Em sua volta, não é difícil encontrar histórias: são pessoas que acompanharam de perto as mudanças desse espaço marcado pela presença de um relógio. Cada rua transversal ao São Pedro é um pedaço que se encaixa na história de vida das pessoas que trabalham ali. Comerciantes que trabalham mais de três décadas no local lembram bem de quando o Relógio de São Pedro funcionava em perfeito estado e era ponto de encontro de amigos. Muitos cresceram no entorno da região e sentem falta da visibilidade que antes tinha o local. “Tive a influência de meu pai e já tenho 30 anos trabalhando aqui na Avenida Sete. As histórias engraçadas desse tempo são sempre quando o rapa passa e temos que guardar tudo ou quando gritam ‘pega ladrão’ [risos]”, diz o comerciante Sidrônio Santos de 46 anos.

O vendedor Sidrônio Santos no Relógio de São Pedro. (Foto: Nathália Luna)

Algumas pessoas que circulam pela região não imaginam o lugar importante que a mesma ocupa no cenário da história local. Infelizmente, muitos desses marcos históricos, concentrados na arquitetura que havia no local, já não são mais encontrados, devido às mudanças que ocorreram entre as décadas de 1960 e 1970. O apreço pelo avanço fez com que monumentos como a Igreja de São Pedro Velho e o prédio do Senado Estadual fossem demolidos, para dar lugar a ruas mais espaçosas e fazer com que o centro da cidade fosse modernizado. No lugar da antiga igreja, foi construída uma estátua em homenagem ao Barão do Rio Branco e o então Relógio de São Pedro.

Reforma do Relógio de São Pedro na Avenida Sete de Setembro. (Foto: Nathália Luna)

Atualmente, a região do Relógio de São Pedro, passa por mais uma transformação. O Relógio, que há tempos não funcionava, será restaurado e terá uma nova praça. Alguns comerciantes, apesar da relocação que sofreram, reconhecem a importância da obra e as possibilidades de organização do local geradas por ela. Enquanto isso, esperam ansiosos pelo término e resultados dessas mudanças.

Território de Piedade

A Praça da Piedade foi inaugurada no século XVIII e fica localizada no meio do percurso entre o São Bento e o Campo Grande. É servida tanto da Avenida Sete quanto da Avenida Joana Angélica e inicialmente foi chamada de Praça do Hospício – em razão da construção do Hospício de Nossa Senhora da Piedade. Antigamente, os presos saíam do Paço Municipal, onde ficava a cadeia, e passando pela Rua Carlos Gomes, eram deixados na Rua da Forca, a qual o nome já diz o que era pretendido. É na Praça da Piedade que também encontramos quatro bustos dos mártires do Movimento Revolucionário de 1798, intitulado Conspiração dos Búzios, Revolta dos Alfaiates ou Conjuração Baiana.

Nas redondezas da Piedade ficam situados a Catedral de Nossa Senhora da Piedade, o Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, o Gabinete Português de Leitura, a Faculdade de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a antiga sede da Secretaria da Segurança Pública. São inúmeras as suas confluências, como a Estação da Lapa que é, sem dúvida, um dos principais pontos de transporte para os soteropolitanos, e não é à toa que dois shoppings populares foram instalados nessa área.

Apesar de nas décadas de 1970 e de 1980 a Praça ter vivido momentos de abandono e de insegurança, após a sua restauração voltou a ser palco de um movimentado fluxo de pessoas e encontro de moradores, como afirma o engraxate Roque Rodrigues, 65 anos. “Tudo que é importante para a cidade, protesto ou comemoração, tem que passar aqui pela Piedade e Avenida Sete. Aqui os trabalhadores se encontram, comerciantes, estudantes, aposentados e vem o pessoal das TVs”, remetendo ao quadro “Desaparecidos” do telejornal Bahia Meio Dia (Rede Bahia), que todas as quartas-feiras recebe parentes e amigos de pessoas desaparecidas na Praça da Piedade. O clima era de comoção entre os que acompanhavam o momento de angústia dos que buscam reencontrar pessoas queridas.

Praça da Piedade no dia do quadro 'Desaparecidos', comandado pela repórter Andréa Silva, do telejornal Bahia Meio Dia. (Foto: Nathália Luna)

Os contrastes de um Corredor

Conhecido como o “metro quadrado mais caro de Salvador”, o Corredor da Vitória está localizado em um dos pontos mais nobres da cidade e a partir da década de 1940 tornou-se um dos locais preferidos dos intelectuais e artistas baianos. Intitulado de “Vitória”, por ser o corredor no qual as forças libertadoras marcharam, o bairro sempre foi ocupado pela classe burguesa e no século XIX era cenário das grandes residências dos senhores de engenho e comerciantes estrangeiros. Ainda ocupado pela classe alta da cidade, o Corredor da Vitória, abriga três importantes museus de Salvador: o Museu Geológico da Bahia, o Museu Carlos Costa Pinto e o Museu de Arte da Bahia.

Não é difícil perceber os contrastes do local. Em meio aos prédios de coberturas luxuosas e carros importados, transitam os trabalhadores e estudantes da Avenida Sete de Setembro. São principalmente os estudantes do Colégio Estadual Odorico Tavares e moradores da Residência Universitária da UFBA, que conhecem esse contraste evidenciados no dia-a-dia. “Nós sabemos que não somos bem aceitos aqui, principalmente por sermos estudantes de uma escola pública em um bairro nobre. Percebemos os olhares duvidosos dos moradores quando transitamos pelo bairro. Fica bem claro o preconceito social”, diz a estudante Laina Oliveira, 17, que há dois anos estuda no Odorico Tavares e já conviveu com a ameaça frequente de uma possível relocação dos estudantes.

A realidade é semelhante para os estudantes da Universidade Federal que moram na Residência Universitária do Corredor da Vitória. “É complicado você vir do interior e passar a morar em um bairro nobre como esse, o contraste é grande. Mas também sabemos que é um ato de resistência ocupar esse lugar, que é concedido pela Universidade”, afirma Riam Santos, estudante do 7º semestre do curso de Administração e morador da Residência Universitária da UFBA. Confira um trecho do depoimento dele:

Mesmo com as transformações crescentes da urbanização, o Corredor ainda apresenta algumas características arquitetônicas da época em que começou a ser habitado e é um outro contraste em relação aos outros pontos que também fazem parte da Avenida Sete. Através dele, pode-se observar de que maneira essas diferenças compõem e enriquecem a história da Avenida.

Na descida da Ladeira da Barra

Engana-se quem pensa que os problemas de acessibilidade da cidade de Salvador são algo recente. A história da construção da Ladeira da Barra nos indica que essa já era uma discussão que causava certo desconforto aos que projetavam a cidade para cumprir o importante papel comercial que a mesma tinha no país. Com a intenção de facilitar o trajeto entre as partes alta e baixa, além de criar uma estrada propícia para o transporte que levava os animais e as mercadorias dos fregueses da Igreja da Vitória até o Porto da Barra, foi criado a Ladeira da Barra.

Antônio Robson, 66, maitre do Yacht Club da Bahia, que há 40 anos frequenta a região, é testemunha das transformações que ocorreram na Ladeira. “O tráfego foi modificado, as linhas de ônibus, o movimento era maior e atualmente não temos mais a segurança de antes. Até hoje algumas pessoas não sabem que aqui também faz parte da Avenida Sete.” Registramos algumas fotos da Avenida no trecho da Ladeira da Barra até o destino preferido de muitos soteropolitanos: o Porto da Barra.

[slideshow_deploy id=’26335′]

A região do Porto da Barra

Foi no Porto da Barra que o governador-geral Tomé de Sousa desembarcou com seus homens e materiais para fundar a cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos no ano de 1549, século XVI. Na época, a vila já contava com mais de mil habitantes, entre índios e europeus. Este histórico e importante lugar de águas claras e calmas é hoje um dos principais pontos turísticos de Salvador. Além de ser uma praia propícia para banho e mergulho, a orla da barra é famosa pelas suas balaustradas, e é quase impossível para quem passa não se encostar nas mesmas para assistir aos barquinhos no pôr-do-sol, ou até mesmo contemplar o outro lado, lá além do horizonte: a Ilha de Itaparica.

Visitada dos domingos de sol escaldante às noites de lua cheia, a praia do Porto da barra é o local escolhido para as reuniões da juventude soteropolitana, e suas areias já abrigaram de festas de Reveillón, festivais de música, aulas esportivas e de meditação, entre outras, transformando assim o seu famoso visual em cenário de diversão e memórias para os seus frequentadores. A baiana de acarajé Emília já possui 10 anos trabalhando nesse trecho da Avenida Sete, que segundo ela nem alguns moradores da Barra reconhecem que ali oficialmente é a “Sete de Setembro”. Em entrevista, ela fala sobre sua relação com a Avenida:

Uma Avenida que termina no Farol

Placa indicando a localidade da Avenida Sete de Setembro na região da Barra, antes de chegar ao Farol da Barra. (Foto: Nathália Luna)

Depois do Porto, encontra-se o Farol da Barra. Visando auxiliar as embarcações que passavam pela Baía de Todos os Santos, ele foi construído no interior do Forte de Santo Antônio da Barra. Segundo o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, é o primeiro farol do Brasil. O Farol da Barra , deste então, se tornou um dos cartões postais mais belos do país, e por ser um local calmo e de beleza exuberante, é ponto para encontros de casais, amigos e famílias. Com uma das vistas mais procuradas para assistir ao pôr-do-sol, o local também serve de cenário para fotos e inspiração para letras musicais.

Na mesma região em que começa o circuito Barra-Ondina no Carnaval, termina a Avenida Sete de Setembro. Onde termina também o nosso especial. Diferentemente do seu início, onde o comércio ferve, a região do Farol da Barra é conhecida por receber turistas do mundo inteiro e abrigar shows em alguns períodos do ano. O visitante Túlio Mateus, 24, também faz parte do grupo de pessoas que não sabem que ali está um pedaço da Avenida Sete. “Não sabia, mas aqui é um lugar que sempre venho quando chego em Salvador. Além de ter a melhor vista no pôr-do-sol e ser um ponto de encontro, é o ponto mais lindo da cidade”, confessa já esperando o espetáculo que encontraria no fim da tarde em plena Avenida Sete de Setembro.

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021