Tags:, , , ,

Crítica: o diário de viagem de uma rainha do drama

- 14 de setembro de 2016

A história é baseada no livro Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert 

Marcos Maia | Foto: Sony Pictures | Divulgação 

Em Comer, Rezar e Amar (Eat, Pray and Love, 2010), Julia Roberts interpreta Elizabeth Gilbert, uma escritora divorciada em busca de sua individualidade. Na jornada, ela passa pela Itália, Índia e Bali, onde conclui seu caminho de maneira convencionalmente romântica.

A história adapta a autobiografia de 2006 e que logo de cara virou o livro de cabeceira de um monte de gente, principalmente mulheres, com algum instrução formal e muita frustração com a própria vida.

Sendo assim, a adaptação dirigida e roteirizada por Ryan Murphy (showrunner da antologia American Horror Story) acompanha uma verdadeira rainha do drama em sua própria jornada existencial.

Por mais que cause empatia, Gilbert é uma pessoa que passa a impressão de que o mundo existe principalmente para satisfazer suas necessidades e desejos. Ela gosta de cultura e tem um senso de humor incomum para alguém em busca espiritual.

A atriz Julia Roberts vive protagonista que tenta redescobrir prazer de comer, rezar e amar

Dito isso, a falta de densidade dramática na motivação da protagonista incomoda. Ela quer comer, quer Deus, quer amar e, depois de alguma hesitação, transar. Contudo, por que essa mulher sentiu tanta necessidade de tomar atitudes tão extremas atrás disso?

O recurso do voce over é usado de maneira desleixada e demasiada no primeiro ato do filme para falar de uma vida infeliz, principalmente no aspecto amoroso. Contudo, esse mar de lágrimas é pouco mostrado em situações que expliquem tamanho aborrecimento.

Vejamos o primeiro marido de Liz, vivido por Billy Crudup. Ele é retratado como alguém essencialmente indeciso apesar da inteligência. Sem se aprofundar muito naquele homem, o roteiro o reduz a um completo cretino por, aparentemente, só querer voltar a estudar.

Bem talvez, ele realmente não faça ideia do quer da vida profissional, mas o filme não dá muito mais do que duas ou três cenas lacônicas para o espectador tirar suas conclusões. Dessa forma, Crudup se transforma em um palhaço careteiro com explosões emocionais forçadas.

Já o companheiro subsequente de Liz, interpretado por James Franco, é um cara essencialmente confuso. O desempenho de Franco é marcado pelo charme de olhos sonolentos e sorriso estúpido do ator. E só.

Dúvida

A protagonista se envolve com esses tipos, e o espectador se pergunta o que diabos levou aquela mulher a querer dividir sua vida com aqueles homens. Sua insatisfação pode não ser aleatória, mas sem dúvidas é mal construída pelo roteiro.

Dessa forma, quando Liz conta a uma amiga (Viola Davis) que irá viajar pelo mundo, ela parece uma adolescente chorona e escandalosa, que grita de maneira dramática o quanto se sente morta por dentro.

É quando a narrativa parte para o estilo road movie com uma latente burocracia. A fotografia de Robert Richardson é correta, inunda a tela de luz, mas a direção move a câmera rápido demais e de maneira óbvia em torno das locações.

A Itália oferece a Liz um retorno à vida do corpo, com sutis referencia a sensualidade e nenhum romance. Nesse sentido, a cena em que ela come um prato de macarronada tem uma montagem intercalada interessante, entre planos detalhes da comida e um casal de namorados.

Tudo é agradável de uma maneira curiosamente inócua. A heroína aprende italiano, vagueia por ruas estreitas e faz amizade com gente charmosa. O filme mantém o interesse sem emissividade. É como ir ao restaurante e ficar interessado pela conversa da mesa ao lado.

 

Meditação

Em seguida, na Índia, a busca de Liz segue focada pelo viés da fé. Nesse seguimento, Murphy é respeitoso em retratar aqueles credos mesmo que recorra a todos os clichês que o olhar ocidental desenvolveu a respeito do assunto. É o segmento mais fraco do filme.

Vemos a protagonista tentando meditar a todo o custo, ao passo que a direção não parece disposta a dar mais tempo de tela para esses momentos. É sugerido que a essência da meditação é interna, inefável e de difícil alcance, mas isso não é mostrado.

O longa só não se perde por completo graças ao desempenho de Richard Jenkins. Seu “Richard do Texas” é o oposto dos homens calmos e reprimidos que costuma interpretar. Ele equilibra a agressividade e capacidade de despertar empatia com toda a culpa e raiva que sente.

Raiva que é despejada em Liz, intimidando-a, puxando-a do seu lugar comum. Ninguém trata Liz bruscamente, a não ser ele. Richard é como uma força maior que Liz precisa enfrentar. De certa forma ela passa no teste, e ainda ganha o respeito e amizade do cara.

Superada a “Busca por Deus”, Liz viaja para Bali e conhece Felipe. O personagem de Javier Bardem tem belos olhos castanhos e disponibilidade para um romance meloso, apesar do coração partido (“Joo têm medo de amar de novo!”, salienta o guru banguela).

Por fim, a jornada por individualidade e autodescoberta de um ano da nossa heroína encontra seu clímax em um par de calças que  lhe fará superfeliz. Parabéns, a todos que ajudaram Julia Roberts a se encontrar para que ela pudesse experimentar o amor verdadeiro.

Está longe de ser o pior filme do mundo, mas é obvio e totalmente esquecível.

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021