Tags:, ,

Mercado de animação cresce e gera oportunidades para realizadores baianos

- 2 de agosto de 2017
Saulo Miguez e Tiago Almeida

De 2001 até 2017 foram produzidos 29 longas-metragens do gênero no país. Entre os anos de 1953 e  1990, o Brasil só havia produzido 13 filmes do tipo

O mercado de animação no Brasil vem crescendo ao longo dos anos. Esse gênero do audiovisual tem gerado oportunidades para profissionais de diversas áreas, como designers, produtores de vídeo, roteiristas e diretores de arte. De acordo com levantamento do animador Marcelo Marão, membro da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), de 2001 até 2017 foram produzidos 29 longas-metragens do gênero no país. Para se ter uma ideia, de 1953 – quando foi produzido o primeiro longa-metragem de animação brasileiro “Sinfonia Amazônica”, até o final dos anos 1990, o Brasil só havia produzido 13 filmes do tipo.

Sessão do AnimArt (Foto: Divulgação)

Esse crescimento reflete no mercado baiano. A cidade de Salvador, por exemplo, sediou em 2016, dois importantes festivais do gênero. Em setembro, as sessões do AnimArt lotaram a sala Walter da Silveira. Enquanto em maio, o Anima Mundi exibiu na Caixa Cultural mais de 30 produções nacionais e internacionais.

Segundo o Sebrae, a tendência de crescimento desses números é influenciada pela facilidade de acesso a equipamentos e tecnologia para a produção, o que diminui os custos. Programas de fomento ao setor audiovisual e o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), além do aumento da demanda de distribuidoras e canais de televisão por conteúdo nacional também contribuíram para esse boom.

Animador ainda é pouco valorizado
Apesar dos avanços, o profissional de animação na Bahia ainda é pouco valorizado. Segundo o ilustrador George Lopes, 32, a falta de mão de obra especializada e a baixa remuneração são problemas para a atividade. “É uma área que paga pouco e é muito complicado o cara botar um projeto próprio pra frente sem conseguir subsídios e lucrar com isso”, afirma George.

Ilustrador George Lopes (Foto: Saulo Miguez)

Isso, no entanto, não é motivo para pessimismo. Lopes, que trabalha em uma emissora de TV, reitera que os governos estadual e federal vem investindo m incentivos na área de animação com a lei do audiovisual e editais promovidos pela Ancine e o Faz Cultura.

Em maio, o governo do estado lançou um edital no valor de R$ 20 milhões para fomento do setor audiovisual baiano. O montante foi captado junto à Ancine e será destinado para produção de conteúdos audiovisuais inéditos sobre a Bahia que serão exibidos na TVE. No mesmo dia do lançamento, a TVE Bahia anunciou a exibição de 250 horas de conteúdo audiovisual brasileiro independente e inédito na Bahia, que incluem 19 séries de animação.

Capacitação
Para entrar no tão sonhado mercado de trabalho é preciso se capacitar. Hoje existem diversos cursos presenciais e online que possibilitam o ensino de técnica de design e animação, além da infinidade de tutoriais na internet que podem auxiliar quem precisa tirar alguma dúvida sobre o processo criativo.

Um diploma de graduação, no entanto, ainda faz a diferença. “É importante o curso superior porque ele te dá uma formação que é reconhecida no mercado. Para mim foi importante, porque uma porta se abriu e eu consegui meu emprego fixo”, conta Lopes.

Quem busca uma formação que o habilite a trabalhar com animação vai encontrar no curso de Design Gráfico o caminho para isso. A formação é oferecida pela UFBA, dentro da Escola de Belas Artes, e tem duração mínima de 4 e máxima de 8 anos. Na  Unifacs, ela pode ser feita em 3 anos e pela faculdade DeVry/Rui Barbosa tem duração de 2.

“Nessa área sempre surgem coisas novas, é preciso se atualizar”, diz estudante Adelmo Queirós

O estudante de design da Escola de Belas Artes, Adelmo Queirós, 24, deve concluir o curso ainda este ano, mas já trabalha como videografista em uma importante rede de televisão. “Eu sempre gostei de jogos e animação, mas o que me fez trabalhar com isso foram as oportunidades que surgiram para mim”.

Estudante de design Adelmo Queirós (Foto: Saulo Miguez)

Queirós cursou uma disciplina voltada para animação e logo se identificou com a técnica, o que o fez decidir trabalhar na área. Em seguida, conseguiu um estágio na emissora e pouco tempo depois foi contratado de forma efetiva. Hoje, realiza animações gráficas dentro do núcleo de chamadas televisivas.

O jovem reconhece que quando comparada com as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, Salvador ainda oferece um número limitado de oportunidades. Mas, para aqueles profissionais mais dedicados sempre surgem trabalhos. “Uma dica que eu dou é ter força de vontade e nunca parar de estudar, porque nessa área sempre surgem coisas novas, é preciso se atualizar o tempo todo para não se tornar um profissional obsoleto”, completou.

Cursos técnicos
Quem busca um caminho mais rápido para a formação profissional encontra nos cursos técnicos uma alternativa. Em Salvador, as escolas Saga e Gracom buscam atender essa demanda. De acordo com Neilson Rodrigues, coordenador pedagógico da Gracom, a escola, costuma formar 200 alunos por ano.

Ele faz questão de ressaltar a diferença entre um curso intensivo e um superior. “A gente vê que aqui em Salvador tem essa deficiência. Se você procurar uma faculdade vai achar o curso de Design, mas lá é teoria, aqui é pratica”, destaca.

A duração de um curso técnico leva de dois a dois anos e meio e o aluno pode aprender todo processo criativo de animação desde técnicas de desenho em 2D e 3D até a criação de efeitos especiais para narrativas audiovisuais. Outra vantagem é a parceria que essas escolas fazem com algumas empresas de games e design que costumam contratar alunos em formação.

Empreender para animar
Para realizar o sonho de ver seu trabalho ganhar vida, a animadora Jamile Coelho, 27, resolveu montar a própria produtora. Em 2011, fundou a Estandarte Produções, empresa especializada na técnica de animação stop motion.

 “A gente vê que a animação pode ser um instrumento de combate ao racismo e intolerância religiosa”, diz  a animadora Jamile Freitas.

Durante graduação no Bacharelado Interdisciplinar de Artes com concentração em Cinema e Audiovisual, Jamile participou de diversas oficinas e cursos livres de animação o que a fez se apaixonar pelo gênero.

Ela relembra que desde criança já admirava a técnica de stop motion. “Quando assisti ‘A Fuga das Galinhas’ decidi o que queria fazer da minha vida quando crescesse. Foi uma janela que se abriu como uma possibilidade de profissão”, afirmou.

Atualmente, se dedica também a trabalhos sociais e realiza oficinas de animação em terreiros de candomblé e comunidades negras. “A gente vê que a animação pode ser um instrumento de combate ao racismo e intolerância religiosa”, disse.

A aproximação com os terreiros se deu quando há dois anos Jamile lançou o curta-metragem “Òrun Àyé: A criação do mundo”. O filme conta em stop motion a história da criação da natureza e da humanidade através da mitologia africana.“Òrun Àyé é um sonho. A gente já sabia que seria uma potência pelo fato de falarmos sobre racismo e intolerância religiosa com tanta ludicidade”.

O filme contou com a participação de artistas importantes da Bahia como João Miguel e Carlinhos Brown. Ele estreou em Recife, em 2015, e já foi exibido em 20 estados brasileiros. A produção ganhou projeções também fora do país e já foi vista em outras dez nações.

A primeira animação
Em 2017, é comemorado o centenário da animação no Brasil. De acordo com a Associação Brasileira do Cinema de Animação (ABCA), em 22 de janeiro de 1917 foi lançado o curta “O Kaiser”, de Álvaro Marins, o primeiro filme do gênero no país.

O filme tem como protagonista o Imperador Guilherme II. Para mostrar seu poder sobre o mundo, o personagem tira o seu capacete e o coloca sobre o globo terrestre, mas este cresce, se revolta e termina por engolir o líder alemão.

A obra não foi preservada, como muitos outros filmes antigos. Em 2013, foi produzido o documentário “Luz Anima Ação”, do diretor Eduardo Calvet, buscou contar a história desta animação.

A partir de um fotograma que não se perdeu, Calvet convidou oito animadores brasileiros para recriar o curta. O resultado, que pode ser visto a seguir, mistura diferentes técnicas de animação e é uma homenagem a Marins e ao cinema brasileiro.

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”

O assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e […]

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021