“Disse que estava se masturbando enquanto falava comigo”: o assédio sofrido pelas atendentes de telemarketing

Bianca Meireles e Romário Almeida - 1 de junho de 2021

Atendentes de telemarketing relatam situações de assédio sofridas em ligações. (Reprodução)

“Sem meta batida não há empregabilidade. A orientação é sempre fazer o máximo para que o cliente encerre a ligação satisfeito. Em casos de trote, temos que chamar o supervisor. Mas mesmo não sendo a recomendação, eu desligo. Nesses quase 8 anos de call center, eu não vou ser mais obrigada a ouvir xingamentos e piadas de conotação sexual de desconhecidos”, conta a atendente de telemarketing Letícia Gomes, 26 anos.

O relato de Letícia não é uma exclusividade, todas as atendentes entrevistadas relataram os mesmos desconfortos. E mesmo com as condições de trabalho impostas e os relatos constantes de assédio, segundo levantamento da empresa de recrutamento online Catho, por conta do aumento das vendas online durante a pandemia de Covid-19, o telemarketing cresceu 36% entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021, após cinco anos de recessão.

Fonte: Caged

Apesar do interesse da área em crescer, as entrevistadas contam que ainda é preciso estruturar alguns pontos na rotina de trabalho e é preciso ter, sobretudo, uma política mais clara para casos de assédio, seja ele praticado por líderes, colegas ou clientes.

Segundo as entrevistadas desta matéria, existe um protocolo comum entre as empresas de telemarketing que orienta as atendentes a não desligarem a chamada com o cliente, mesmo quando estão sendo assediadas moralmente, psicologicamente ou sexualmente. 

“Há algum tempo, em um call center que trabalhei, recebi uma ligação de um cara que perguntou algo que não tinha nada a ver com o produto que eu trabalhava. Expliquei sobre o produto, ofertei o plano e, logo em seguida, ele disse que estava se masturbando enquanto falava comigo… Na lata, sem medo! Elogiou de forma obscena minha voz, dizendo que se ela era gostosa assim, imagine minhas [partes íntimas]. Depois desligou. Fiquei espantada. Esse episódio me marcou.”, relata Mariana Pereira (nome fictício, por opção da entrevistada).

E a lei, o que diz?

Segundo Mariana, na época em que aconteceu o seu assédio, a empresa resgatou os dados da pessoa através do sistema, mas aparentemente não encaminhou o caso. Inclusive, relata que nunca soube de alguma operadora que tenha recebido a orientação de ir até a justiça por conta de assédio. Mas o que a lei diz? Ouça o áudio da advogada Jéssica Cordeiro:

A especialista complementa dizendo que, ainda que não exista de forma expressa na lei um tópico exclusivo sobre assédio em ambientes de teletrabalho, como telemarketing, é possível entrar na justiça para solicitar a quebra de sigilo dos dados do assediador. Uma vez com a ordem judicial concedida, caso o juiz dê parecer favorável, o suspeito de assédio será chamado para depor. 

Além disso, o código civil brasileiro, no Art.186, assegura que o empregador pode responder, civilmente, pelos danos causados ao trabalhador decorrentes das más condições do ambiente de trabalho. O texto prevê que “aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito”. Ou seja, havendo dano à integridade física, à honra ou aos bens de uma pessoa, em ambiente de trabalho, o empregador tem responsabilidade. 

E  quando falamos de gênero…

Mulheres sofrem mais assédio moral e sexual no ambiente de trabalho do que os homens. De acordo com a pesquisa do Instituto Patrícia Galvão, 40% das mulheres entrevistadas relatam já terem sido xingadas ou gritadas em ambiente de trabalho, contra 13% dos homens. 

O gênero é determinante no quesito vulnerabilidade, e nem as Inteligências Artificiais estão fora dessa estatística. Bia, do Bradesco, e Lu, do Magazine Luiza, foram vítimas de assédio e violência sexual, ainda que não sejam, de fato, mulheres.

Para debater a questão do machismo, Bradesco lançou uma campanha publicitária onde  Bia, assistente virtual, informa que “não vai mais se calar”, exemplificando como a partir do lançamento da peça publicitária a robô responde às mensagens de assédio de forma mais contundente.

Mas o mundo real difere da realidade virtual onde a Bia existe. Enquanto ela pode responder as mensagens de forma reativa e até mesmo encerrar o contato, muitas atendentes de telemarketing são orientadas a ficar até o final da chamada, ainda que estejam se sentindo ofendidas. As responsabilidades, o medo do desemprego, as incertezas são alguns dos motivos relatados pelas entrevistadas para seguir o protocolo.

E o psicológico, como fica?

Imagine um emprego onde sua função é passar o dia todo ao telefone. Atendendo chamada após chamada e com direito a pausas escassas e cronometradas. Do outro lado da linha, por sua vez, clientes irritados e, por muitas vezes, ofensivos. Um trabalho onde ser chamada de “imbecil” e “burra” faz parte da rotina e que, muitas vezes, é preciso ouvir tudo em silêncio. 

“Pedem sempre um atendimento humanizado. Por mais que o cliente te trate mal, xingue a você ou a empresa, devemos ser solidários e solícitos com o cliente. Me sinto uma máquina de sorrisos. O intervalo entre uma ligação e outra é muito curto. Muitas vezes acabamos de encerrar uma ligação de atrito e precisamos esquecer tudo, atendendo da forma mais simpática que existe”, disse a atendente que pediu anonimato. 

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing (Sintratel), 30% dos operadores de telemarketing sofrem de transtornos psicológicos causados por estresse. O levantamento feito pelo Sintratel mostra que esses transtornos são causados por diversos fatores como estresse, assédio, pressão constante e trabalho exaustivo.

Para a psicóloga Tamires Silva, quanto maior a necessidade de permanecer nesta relação empregatícia, sem perspectiva de prazo para finalização desse vínculo, vivendo situações humilhantes e vexatórias repetidas vezes, maiores são as chances desses atos repercutirem psicologicamente de forma danosa, provocando questões que podem afetar outras áreas da vida do sujeito.

No âmbito real ou virtual, a combinação de punições previstas em lei e ações educativas estruturantes pode ser um caminho para a diminuição do assédio moral e sexual.

 

O que mudou

Eles disseram sim: os dez anos da legalização das uniões homoafetivas

Número de casamentos na Bahia cresce 228% desde o reconhecimento pelo STF; casais contam suas histórias e avaliam o que mudou e o que ainda pode melhorar Duas pessoas se conhecem, se apaixonam, passam por namoro e noivado até decidirem casar de papel passado. O que pode parecer apenas o caminho natural, por muito tempo […]

Gabriel Amorim, Gabriel Bastos e Luciana Freire - 2 de junho de 2021

É possível ser pirata em paz?

Discutindo a pirataria no Brasil

Em 1975, Rita Lee disse que não, não era possível ser pirata em paz. Em 2021, a discussão segue por outros caminhos: a pirataria digital é um assunto que gera debates cada vez mais acalorados — e nem mesmo a lei brasileira sabe ao certo onde está no assunto. Você não roubaria um carro. Você […]

Alan Barbosa, Bruno Santana e Ícaro Lima - 2 de junho de 2021

Estudantes em ensino remoto

Cyberbullying é potencializado na quarentena

Principal modo de ofensa entre estudantes em ensino remoto durante a pandemia, cyberbullying pode deixar sequelas em crianças e adolescentes Foi um mal entendido entre as colegas Bianca Souza* e Tereza Oliveira*, então estudantes do 8º ano do ensino fundamental,  que desencadeou uma série de agressões verbais. As estudantes se desentenderam na criação de um […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 2 de junho de 2021

Ansiedade

Transtorno em crianças não é 'falta de tapa'

Condição é uma das mais frequentes nesta faixa etária, e tem a família como base importante para reverter quadro As mãos suam, os batimentos cardíacos se aceleram e até respirar se torna um grande sacrifício. É como se o corpo estivesse totalmente fora do controle e aqueles minutos de mãos suadas e trêmulas parecem eternos. […]

Carlos Bahia Filho e Maria Luiza Vieira - 2 de junho de 2021

Pandemia levada a sério

Impactos de mais de um ano em isolamento social

Os efeitos do isolamento social e da pandemia em si ainda estão sendo estudados de forma preliminar pelos pesquisadores e estudiosos.  Estamos em Junho de 2021. Há exato um ano, dois meses e 11 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia declarado a pandemia da Covid-19. Naquele momento, quem poderia imaginar que estaríamos, ainda […]

Carla Galante e Yasmin Cade - 1 de junho de 2021

Pulando a fogueira da pandemia

No segundo ano sem São João, artistas e cidades precisam se conformar com o remoto

Com o cancelamento da festa na Bahia, mais de R$ 500 milhões deixam de circular   São João e aglomeração têm tudo a ver. Mas, pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 jogou água na fogueira do povo nordestino, e a maior festa regional do país não poderá acontecer em seus moldes tradicionais. Na […]

Bianca Carneiro, Daniel Aloisio e Marcos Felipe - 1 de junho de 2021

Pandemia e universidade

Os desafios do ensino remoto na UFBA

Era início de março de 2020 e a Universidade Federal da Bahia retornava suas atividades dando partida ao primeiro semestre letivo do ano. Para ser mais exato, no segundo dia do mês, os campi universitários espalhados pela Bahia foram ocupados pelos mais de 40 mil estudantes de graduação. As salas de aula cheias, o Restaurante […]

Yasmin Santos, Ricardo Araújo e Fabio de Souza - 1 de junho de 2021

A febre dos NFTs

O que são e como movimentam o mundo por meio dos blockchains

Os NFTs se popularizaram este ano com as vendas de memes e imagens por milhões de dólares. Você com certeza já viu o velho e bom meme de uma garotinha que sorri em frente a um prédio queimando no fundo. Se por acaso não se lembrar, vamos mostrar agora. Você também pode já ter visto […]

Aline Alves e Catarina Oliveira - 1 de junho de 2021

Mais um ano sem São João

Baianos buscam amenizar prejuízos através do empreendedorismo

Junho é popularmente conhecido como o mês das férias, do frio, da canjica, e do forró.  Porém, o “começo de um sonho” deu tudo errado.  2021 não levou embora a pandemia do coronavírus. Pelo segundo ano seguido, os amantes do São João precisarão curtir a festa de dentro de casa.  Se a notícia abalou aqueles […]

Gabriel Nunes e Maria Beatriz Pacheco - 1 de junho de 2021

Montagem com imagens de 4 doramas distintos

K-drama

Doramas: da Coreia do Sul para o mundo

Entenda como os sul-coreanos expandiram sua influência cultural no mundo impulsionando suas produções audiovisuais Ao ouvir o nome K-drama é possível que te soe estranho o termo, mas se você é habituado às plataformas de streamings já deve ter se deparado com um deles. Chamados popularmente de Doramas, K-dramas são produtos audiovisuais sul-coreanos que estão […]

Erick Barbosa, Nadja Anjos e Rute Souza Cruz - 1 de junho de 2021


Pedras e pessoas esquecidas

A quebra de pedras e a destruição de pinturas rupestres em Paulo Afonso

Por conta da pandemia, o trabalho em sítios arqueológicos baianos está parado e o local corre risco de  passar por mais destruições Área de preservação ambiental desde 2002, o complexo arqueológico localizado  no município de Paulo Afonso, Bahia, conta com mais de 100 sítios de pinturas rupestres com cerca de 12.000 anos. Atualmente, o local […]

Bianca Bomfim, Anne da Silva e Pedro Nascimento - 1 de junho de 2021

Segue o jogo?

Um panorama sobre a situação do esporte amador diante da pandemia do Covid-19

Não interessa se você é da galera do baba no domingo, da equipe de corrida ou o fanático por academia, o fato é que a pandemia da Covid-19 modificou profundamente a relação das pessoas com a atividade física. Num momento de quarentena com sérias preocupações e dúvidas em relação ao novo coronavírus, a prática esportiva […]

Madson de Souza e Mauricio Viana - 1 de junho de 2021