Tags:, , , , , ,

Transposição do Rio São Francisco não é solução para a seca

- 6 de julho de 2014

Relatórios mostram baixas nos níveis hidrológicos da bacia com o maior inimigo do semiárido sendo a evaporação, não a falta de água

Victória Libório

Recentemente o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Guillo, apresentou em audiência pública pela Comissão de Meio Ambiente e Infraestrutura o possível agravamento da mais grave seca do Nordeste em 40 anos. De acordo com Guillo, muitos reservatórios da região estão com menos de 30% de sua capacidade. Uma das alternativas levantadas pelo poder público foi a de transpor as águas de um rio perene para açudes das proximidades. Iniciada em 2007, a transposição do Rio São Francisco pretende fornecer água para 12 milhões de habitantes do semiárido brasileiro. As pesquisas indicam que não é a escassez de água a causadora da seca no Nordeste, mas a falta de distribuição e políticas que prevejam a sua evaporação, fenômeno típico da região.

Leia mais
Transposição é planejada desde o império

Segundo o Ministério da Integração (MI), o projeto indica a interligação da bacia do São Francisco com outras inseridas no Nordeste Setentrional. O objetivo é garantir a segurança hídrica para mais de 390 municípios, nos quais as estiagens são frequentes. A região possui 28% da população brasileira e apenas 3% da disponibilidade de água. O Rio São Francisco oferece 70% da oferta hídrica do Nordeste. Prevista inicialmente para entrega em 2012, depois adiada para 2015, o representante do MI falou ao BBC Brasil que existe a possibilidade de as obras serem concluídas apenas em 2016. A assessoria de comunicação não se manifestou sobre o assunto.

O MI investe cerca de 1 milhão de reais em obras de recuperação ambiental. O Centro de Referência Para Recuperação de Áreas Degradadas da Caatinga (CRAD/UNIVASF) é uma das instituições que participam do projeto. Foto: Frederico Celente/Codevasf

National Center for Atmospheric Research (NCAR), do estado Colorado, nos EUA, publicou uma pesquisa com dados do Rio São Francisco de 1948 até 2004 sobre os 925 maiores rios do planeta. O texto pode ser encontrado na edição de maio de 2009 no Journal of Climate, da Sociedade Metereológica Americana. O artigo conclui que alguns rios das regiões mais populosas estão perdendo água. De acordo com os pesquisadores, a bacia do São Francisco foi a que apresentou maior declínio no fluxo de água, dentre os principais rios brasileiros.

No livro A potencialidade do semiárido brasileiro, Manoel Bonfim Ribeiro, engenheiro falecido em 2012, ex-diretor do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS) e ex-diretor da Companhia de Desenvolvimentos dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), descreve como foi elaborado o projeto da transposição e os problemas relacionados às escolhas técnicas. Em sua obra, afirma que o problema da seca no Nordeste não é a falta de água, mas a evaporação da região. O indicado seria criar políticas de distribuição e pensar nas alternativas para a minimização da evaporação dos rios. Uma dessa medidas é a construção de açudes e aplicação de tecnologia para levar água à habitação da população.

O empreendimento pretende de recuperar 23 açudes e construir outros 27 reservatórios, que funcionarão como pulmões de água para os sistemas de abastecimento do agreste / Foto: Adalberto Marques (MI)

Por recomendação da Secretaria de Planejamento da Presidência da República foram realizadas pela Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) em 1994 pesquisas sobre o potencial hidrológico. O estudo aponta que o semiárido necessitará de 8 bilhões de m³ de água ao ano a partir de 2020. Irrigação, abastecimento, indústria e agroindústria serão os principais usos. No entanto, em 2014, já possuímos 37 bilhões, quase cinco vezes mais.

Dessa forma, Bonfim descreveu em pesquisas sua estranheza à política de transposição proposta pelo governo. “O total de água que o semiárido já acumula é de 37 bilhões de m³, que, segundo o Governo, não resolveram o problema hídrico da região. Agora, entretanto, tudo seria resolvido com 2,1 bilhões, isto é, apenas 5,7% deste total já existente”, conforme declarado no projeto para as águas. Em sua pesquisa, Bonfim analisou que a seca é espacial, não linear como a transposição propõe.

Foz do São Francisco – Outro ponto relevante para os pesquisadores é a alteração do volume de água por segundo que corre no rio, a vazão. Naturalmente, ele precisa de uma determinada força para atingir o oceano, a foz, e impedir que o mar avance sobre o continente e o seu curso. A construção de barramentos, comum em algumas regiões, retém sedimentos e nutrientes. Essa ação causa impactos diretos no baixo curso dos rios, na foz e na zona costeira adjacente.

Segundo José Maria Landim, professor da Universidade Federal da Bahia, essa é uma questão de continuidade. “Os efeitos não são imediatos como imaginamos, pois existe um alto nível de complexidade na resposta dos sistemas naturais. É preciso separar os efeitos de uma ação natural de uma humana”, afirma. Atualmente, o pesquisador estuda como se processa esse acúmulo de sedimentos ao longo do Rio São Francisco. Além das alterações que venham a ocorrer com construções ou com ações naturais.

Barragens ao longo do rio diminuem o fluxo de água e a força com a qual atinge os açudes e o mar. Foto: Adalberto Marques/MI

Landim ainda explica que o engenheiro alemão Heinrich Halfeld percorreu o São Francisco entre 1852 a 1854, publicando um mapa da linha de costa do rio, local onde a areia e o mar se encontram. Existe um intervalo previsto para as alterações naturais da maré e é praticamente coincidente com a atual. “Isso não implica em dizer que barragens não causam impactos e sim que se deve ter muito cuidado devido ao grande número de variabilidades”, ressalta.

Perguntado sobre os impactos que a transposição provavelmente acarretará para a vazão e curso normal do rio, Landim respondeu que provavelmente haverá uma redução. “O volume previsto para ser transposto será de 26m³/s, muito inferior à vazão média, superior a 1000m³/s”, conta o professor. Porém, ainda existe o risco para aquelas comunidades em desembocaduras fluviais como o povoado do Cabeço, localizado na ilha na foz do São Francisco, formada por essa deposição natural do rio.

Cabeço foi destruído pela erosão marítima em 2013, processo atribuído às alterações na vazão do São Francisco, que forçava o mar recuar quando desembocava. “Essas são regiões bastante dinâmicas, onde a posição da linha de costa se encontra em contínua mudança, visto que a mesma é resultado do embate entre a energia do rio e a energia do mar (ondas e marés)”, diz Landim. Ele ainda indica que deveria haver uma proibição de ocupação nas vizinhanças, devido ao elevado risco que apresentam, destinadas como Unidades de Conservação.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021