Tags:, , , ,

Seca prejudica agricultura no Nordeste

- 6 de julho de 2014

Susana Rebouças

A Caatinga é o principal ecossistema do semiárido nordestino. Em 2005, a região teve um aumento de 8,66% de extensão e engloba 1.113 municípios dos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e o norte de Minas Gerais. No total são mais de 20 milhões e 800 mil pessoas habitando a região, sendo 44% na zona rural.

Leia mais
Resistência e sofrimentos da seca marcam a vida dos nordestinos

Seca no interior da Bahia. Foto: Dodó Rebouças

Como acontece – A seca é um dos fenômenos climáticos que mais causa prejuízos na agricultura do semiárido nordestino. Seu início e fim são de difícil determinação e sua progressão ocorre de forma gradativa. Ela é causada  pelas variações climáticas da Caatinga, principalmente pelo El Niño-Oscilação Sul (ENOS), fenômeno no qual há o deslocamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) para uma posição ao norte, não favorecendo a formação de chuvas na região do Nordeste.

Como acontece o fenômeno El Niño. Arte: Paulo Zarif

A ZCIT é o principal sistema atmosférico atuante no semiárido nordestino, e responsável direto pelas chuvas nessa região no período de fevereiro a maio. Ela recebe influência dos padrões de Temperatura da Superfície do Mar (TSM). As anomalias positivas de TSM no Atlântico Norte e negativas no Atlântico Sul, próximo da costa africana, desfavorecem as chuvas na Caatinga. Com isso, a ZCIT se posiciona mais ao norte do Equador. Esse processo se desenvolve lentamente e, se continuada por uma estação, provoca a falta de água.

A seca meteorológica na região semiárida nordestina vem sendo um limitador para o desenvolvimento socioeconômico da região. Nos últimos anos, o fenômeno provocou prejuízos significativos para os agricultores, que, na sua maioria, são de base familiar. Entre 2011 e 2013, por exemplo, a estiagem prolongada causou uma quebra significativa da produção agrícola devido à diminuição do rendimento das culturas, um grande número de animais mortos e conflitos pelo uso da água. Esses fatores resultam em um desequilíbrio econômico e social na região.

Humberto Barbosa, doutor, meteorologista e coordenador Lapis. Fonte: arquivo pessoal

Processo histórico – Humberto Barbosa é doutor, meteorologista e coordenador do Laboratório de Processamento de Imagens de Satélites (Lapis). Em seu livro Mudança e uso do solo no bioma Caatinga, verifica que ocorrem anos de seca após anos de ocorrência do fenômeno El Niño, embora o período seguinte nem sempre seja o de um ano seco. Barbosa constata que já existiram anos secos que não foram antecedidos pelo El Niño.  Além disso, o meteorologista conta em seu livro que podem ser encontrados relatos sobre a seca desde o século 17, quando os colonizadores portugueses chegaram ao Nordeste.

A última seca, a pior dos últimos 30 anos, foi amenizada com as chuvas do início de 2014 e teve sua pior fase em 2012, quando o Nordeste perdeu cerca de 4 milhões de animais. Em 2013, três em cada quatro municípios decretaram estado de emergência.

Gado pasta na seca do interior da Bahia. Foto: Dodó Rebouças

Programas de auxilio ao combate – Em 2013, o governo anunciou um investimento de R$ 9 milhões para o combate da seca no Nordeste. A Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), vinculada à Secretária Estadual da Agricultura (Seagri), confirmou a recuperação da área desmatada da caatinga. A empresa também já vem orientando os agricultores familiares a realizarem o recaatingamento com a distribuição de mudas de umbuzeiro, umburana-de-cambão, aroeira, jatobá e outras plantas nativas. Além disso, projetos de irrigação nas cidades de Paulo Afonso, Tucano, Ponto Novo, Jequié e Jacuípe, no interior da Bahia, estão sendo feitos pela Seagri.

O Lapis tem utilizado dados de satélites e técnicas de geoprocessamento e Sistemas de Informações Geográficas (SIG). Os dados descritos no livro Sistema EUMETCast: uma abordagem aplicada aos satélites Meteosat de segunda geração são adequados para monitorar, mapear e quantificar as mudanças de uso e cobertura da terra, a dinâmica com a qual essas mudanças ocorrem e a evolução da desertificação em diferentes escalas de espaço e tempo.

Segundo o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), uma avaliação feita pelo pesquisador Humberto Rocha, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG/USP), revela que eventos climáticos extremos, como grandes estiagens, tempestades e ondas de calor e frio intensos devem se tornar mais frequente com a elevação da temperatura do planeta. Isso pode continuar a dificultar a disponibilidade dos recursos hídricos nos grandes centros urbanos brasileiros. No Nordeste e no norte Minas Gerais, segundo o pesquisador, a falta de chuva é a principal causa da escassez de água, mas nos grandes centros urbanos, como em São Paulo, o problema é o aumento populacional.

De acordo com o meteorologista e coordenador do Lapis, Humberto Barbosa, as ações cabíveis para diminuir os impactos das secas são:

1 – A construções de cisternas, açudes e barragens;
2 – Investimentos em infraestruturas na região;
3 – Distribuição de água através de carros-pipa em situações de emergência;
4- Implantação de um sistema de desenvolvimento sustentável na região, para que as pessoas não necessitem sempre de ações assistencialistas do governo;
5 – Incentivo público à agricultura adaptada ao clima e solo da região, com sistemas de irrigação.

Sistema de irrigação. Infográfico: Lara Bastos

Meditação

Meditação ao alcance de todos

A meditação traz benefícios à saúde e é fácil de praticar; veja como e onde começar Por Ariadiny Araujo, Daniel Cheles e Raquel Saraiva Sentar em posição confortável, manter-se em silêncio, com a coluna ereta e prestar atenção na respiração. Para quem nunca tentou, meditar pode parecer fácil. Para quem pratica, às vezes é até […]

Ariadiny Araújo, Daniel Cheles, Raquel Saraiva - 6 de novembro de 2018

Universidade para todos

A universidade é para todos

Projetos sociais preparam alunos de baixa renda para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) Ingressar no ensino superior, especialmente em uma universidade pública e, é o sonho de grande parte dos jovens que concluem o ensino médio. Entretanto, o acesso a esse nível de ensino, sobretudo para pessoas menos favorecidas socioeconomicamente, nem […]

Alana Bittencourt, Daniel Brito e Filipe Oliveira - 27 de novembro de 2018

Atividades Físicas

Atividades físicas e millennials

Por Marianna Jorge, Melissa Pereira e Rebeca Bhonn.  Quem nasceu entre o início da década de 1980 até meados da década de 1990 é conhecido por setores de marketing como os millennials. Também chamados de geração do milênio, geração da internet ou geração Y, eles se tornaram fruto de pesquisas para gestão de negócios em […]

Rebeca Bohn, Mariana Jorge, Melissa Altahona - 27 de novembro de 2018

Refugiados

Venezuelanos tentam uma nova vida no Brasil

Fugindo de uma grave crise político-econômica, aproximadamente 200 venezuelanos tentam uma nova vida na Bahia Deixar para trás sua residência e seu país de origem não é uma decisão fácil. O drama é ainda maior quando o êxodo é, na verdade, uma fuga. Por conta de uma grave crise sócio-econômica, milhares de venezuelanos têm fugido […]

Cristiane Schwinden e Levy Teles - 27 de novembro de 2018

crise

Kate White: a escola para princesas à beira do fim

Numa das vias mais movimentadas de Salvador, a Rua Carlos Gomes, o letreiro colorido de branco e vermelho acima de um muro bege anuncia a lembrança de um passado. Entre as décadas de 40 e 70, era sob aquela placa que passavam as jovens abastadas da cidade. Uma vez atravessada a pequena porta azul, seguia-se […]

Fernanda Lima e João Gabriel Veiga - 27 de novembro de 2018