Tags:, , ,

Racismo na Rede

Rebeca Almeida e Gabriel Ferreira - 23 de outubro de 2018

Por Rebeca Almeida e Gabriel Ferreira

Entre as possibilidades surgidas com o advento da internet, uma delas é facilitar a comunicação, aproximar indivíduos. Através da rede é possível conversar com pessoas diferentes e acessar variadas informações. No entanto, esse potencial nem sempre é utilizado de forma positiva. Um grande número de pessoas têm usado a esfera cibernética para propagar pensamentos racistas e discursos de ódio.

Apenas no ano passado, segundo dados da SaferNet, um sistema automatizado de gestão de denúncias de crimes cibernéticos, foram recebidas e processadas um total 14.011 denúncias anônimas de racismo na rede. A plataforma contabiliza denúncias feitas na Polícia Federal, no site SaferNet Brasil, na Secretaria dos Direitos Humanos e na Central de Denúncias.

Fonte: SaferNet

De acordo com esses indicadores, os crimes de Discriminação e ofensa foram os mais denunciados em 2017. O Brasil ocupa o quinto lugar no mundo em denúncias por racismo online. Ano passado foram denunciadas 1027 páginas brasileiras. Os EUA ocupa o primeiro lugar, com 14946 páginas, seguido da Irlanda (8316), Holanda (4565) e Rússia (1180).

O Facebook é o site com o maior registro de denúncias. Em 2017, a SaferNet registrou 1751 denúncias na rede social, quase 58,3% dos registros realizados em toda a internet. O Twitter, com 422, e o YouTube com 174 denúncias completam o ranking dos sites com o maior número de registros de racismo.

Fonte: SaferNet

Racismo mais agressivo – Para o pesquisador e coordenador do SaferNet Brasil, Paulo Rogério, esses números são um reflexo do racismo presente em toda a sociedade brasileira. “Todo o discurso de ódio e as violações de direitos humanos que acontecem nas redes digitais são originárias das assimetrias sociais e da legitimação da desigualdade que é algo naturalizado na sociedade”, afirmou em uma entrevista dada ao site Pragmatismo Político, no ano passado. “Quando alguém usa a Internet para cometer um ato de racismo, ela apenas sente-se mais confortável ao usar o anonimato e por ter o sentimento de impunidade, já que há muitos casos diariamente que não são resolvidos”, ressalta.

O professor e coordenador do Programa Direito e Relações Raciais (PDRR/UFBA), Samuel Vida, concorda que os crimes de racismo praticados na internet acontecem sobretudo porque aqueles que os praticam acreditam na possibilidade de anonimato. Além disso, outra característica do racismo é sua forma mais crua. Ele acredita que na internet o racismo se expressa de forma mais direta e agressiva. “O que a internet permite é a  transgressão daquilo que alguns chamam de racismo cordial, aquele que se reflete nas formas mais indiretas e evasivas fora da rede”. Ele acredita que na internet o racismo se expressa de forma mais direta e agressiva. (Leia a entrevista na íntegra). 

Legislação – O crime de racismo na internet se configura como um “crime cibernético impróprio”, ou seja, faz parte dos crimes que não nasceram na plataforma digital, ao contrário dos “crimes cibernéticos próprios”, que existem apenas no contexto online. Isso quer dizer que os casos de racismo na internet são julgado por analogia, conforme o que já prevê a legislação vigente sobre racismo.

Por outro lado, Fabrício Patury, professor de Direito Digital na Faculdade Baiana de Direito, afirma que “não há nenhum inarrável anonimato na Internet”. Segundo ele, quaisquer atos realizados pela internet deixam o devido “rastro digital”, de forma que através de passos técnicos e jurídicos, previstos em lei, é possível identificar o computador de onde partiu a ofensa e, após a continuidade das investigações, a pessoa que cometeu o crime.

Para Patury, apesar da legislação brasileira permitir a atuação em grande parte dos crimes cibernéticos, é preciso uma atualização para lidar com novas nuances. “Prevalece uma efetiva necessidade de revisão da legislação frente a esta nova realidade, ante a gravidade das consequências desses crimes propalados na Internet”, defende.

No passado, em Salvador, um caso de injúria racial aconteceu contra a administradora do grupo Revolução Black, Caroline Xavier, no facebook. Ela teve a foto do seu perfil na rede social compartilhada por alguém que ela não conhecia e, junto a isso, frases de cunho racista e imagens ridicularizando seu cabelo. No entanto, o perfil utilizado para cometer o crime era “fake”, criado a partir de fotos de outro usuário e informações falsas.

O professor ainda ressalta que o racismo não pode ser analisado no Direito apenas do ponto de vista Penal. “Essa é a área menos propícia para reverter qualquer tipo de discriminação quando ela existe de forma estrutural, como acontece com o Racismo”. Em sua opinião é preciso trazer para o Direito a possibilidade de outros domínios, como o Institucional ou educacional, por exemplo. “Ainda que devamos manter essas condutas criminalizadas, não devemos apostar na estratégia de que é pelo Direito Penal que nós vamos destruir o racismo”.

Denúncias – Carol afirma ter tomado as medidas cabíveis para identificar autor das injúrias. “Eu fui na delegacia civil pela manhã e de lá fui encaminhada para o órgão específico, que cuida dos crimes cibernéticos”. Além disso, ela fez campanha na internet para que as pessoas denunciem o perfil criminoso e este seja tirado do ar.

 

Segundo Patury, para denunciar um crime na internet não precisa se dirigir à uma delegacia especializada. “Basta ir à delegacia mais próxima, reunindo todas as provas possíveis (prints, fotos, conversas)”. Caso o delegado do lugar onde foi prestada queixa ache necessário, fará encaminhamento do processo para uma delegacia especializada.

Outro lado – Ante todo o racismo que a internet deixa mais explícito, a aproximação entre os indivíduos pelo meio digital não acarreta somente em propagação de ódio. Muitas pessoas também se aproximam justamente pelo contrário, para buscar combater problemas como o racismo, machismo, homofobia e outros.

Um estudo feito pelo Google BrandLab revelou que os brasileiros têm se interessado por pesquisar mais questões de diversidade na internet. Os dados mostram que, de 2012 a 2017, as buscas por temas do tipo duplicaram e o crescimento de visualizações de conteúdos sobre homofobia, LGBTQ, racismo e feminismo aumentou 260% só nos últimos seis meses. A Bahia é o estado em que mais se busca por racismo – o número de pesquisas pelo termo no estado foi 60% maior que em São Paulo em 2016.

https://vimeo.com/294282055

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021