Tags:, , , , , , ,

Projeto atua para manutenção de patrimônio dos terreiros

- 2 de agosto de 2017

A  Rede de Hortos de Plantas Medicinais e Litúrgicas  cuida do patrimônio imaterial dos terreiros de candomblé através do cultivo de hortos com plantas medicinais e litúrgicas  

ROSANA SILVA

Um provérbio nagô diz: Kosiewe, kosi Orisá (Sem folha, não há Orixá). O uso das folhas é fundamental para a existência dos ritos nas religiões de matriz africana, por isso a salvaguarda desse patrimônio imaterial é uma dos objetivos da Rede de Hortos de Plantas Medicinais e Litúrgicas (RHOL). Criado em 2014, o projeto, realizado pela incubadora Awá Ações Afirmativas, em parceria com Organizações Filho do Mundo , é composto por 16 terreiros de candomblé localizados em Salvador, Camaçari, Lauro de Freitas, Dias D’ávila e na Ilha de Itaparica.

Horto no terreiro Ilê Orixá Nla Axé Obalodó – Sitio de Paz (Foto: Sepromi)

“O que impulsionou elaboração do projeto RHOL foi a identificação do potencial produtivo a partir da identidade cultural dos terreiros de candomblé. [Por conta da] raridade de se encontrar algumas espécies medicinais litúrgicas surge o RHOL, para salvaguarda do patrimônio imaterial que são as plantas seguida da geração de renda, com base na economia solidária”, conta Sueli Conceição, doutoranda em Desenvolvimento e Meio ambiente pela UESC e coordenadora do projeto.

As folhas são fundamentais nas práticas ritualísticas das religiões de matriz africana. No livro “O mundo das Folhas”, 2002, o professor Ordep Serra explica que uma liturgia das folhas integra o corpus terapêutico do candomblé. Esse corpus é “composto por itens vegetais que funcionam como elementos de um código sacramental e como fármacos”. Ele também chama atenção para o crescimento desordenado do centro da cidade de Salvador, ocupando áreas verdes, o que interfere no desaparecimento das folhas. “Acontece hoje o cultivo, nos terreiros e adjacências, de folhas que outrora eram coletadas “no mato”, mas se tornaram dificilmente acessíveis”.

De acordo com dados, de 2017, do  SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), entre 2015-2016, 241 km² de florestas do bioma Mata atlântica foram destruídas no Brasil. É o maior desmatamento dos últimos 10 anos. O estado da Bahia ocupa o segundo lugar por causa do desflorestamento de floresta nativa.

Design: Rosana Silva

Para Sueli Conceição, o projeto não pode interferir no desenvolvimento desordenado da cidade, mas pode atenuar o processo.  “Propomos produzir mudas em estado de desaparecimento (por diversos fatores), pensando no reflorestamento de terreiros com áreas desnudadas, para ampliação da nossa rede de hortos”.

Atualmente, os 16 terreiros que compõem a rede, com exceção do Mokambo, possuem um horto onde são cultivados melissa, capim santo, patchouli, menta, hortelã grosso, boldo brasileiro, folha da costa, aroeira vermelha e branca, nadador, penicilina, babosa, manjericão branco, entre outras.

Luciana Souza, makota do terreiro Unzo Mean Dandalunda Tombensi Neto, explica que o trabalho realizado é importante porque, além de ser pioneiro, visa um futuro para as comunidades de candomblé.  “Quando fomos participando das aulas, treinamento, vivências, eu vi que era algo grandioso feito por gente do santo, de terreiro. Nós podemos dar vida a sabonetes, cremes, shampoo, óleos, banhos aromáticos, partindo do que cultuamos, que são as folhas”. Luciana também é multiplicadora e faz parte da coordenação do RHOL.

Sabão produzido a partir da coleta de azeite e óleo dos terreiros (Foto: Sepromi)

Atualmente, o projeto está na etapa de implantação do espaço para comercialização.  Houve a realização de uma feira em 2016 e há previsão de mais cinco que acontecerão dentro dos terreiros. “A Kitanda Rhol de Economia Solidária é o nome da nossa feira. Nós convidamos mais dez terreiros que tem produtos para compor a feira. É neste mesmo formato que será o espaço de comercialização”, conta Sueli. Além disso, a criação de uma botica também será uma das formas de saída dos produtos. “Na botica RHOL serão comercializados sabonetes, adubo de plantas in nature e desidratado, além de produtos de outros terreiros, como roupas, doces, geleias, quadros“.

A política pública criada na  Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte,  do governo da  Bahia, a fim de estimular a economia dos terreiros de candomblé tem contribuído também para fortalecer a cultura e o meio ambiente.  “É importante enfatizar que se não fosse esta iniciativa, a partir da Superintendência de Economia Solidária do estado, nada disto seria possível”, enfatiza Sueli. Luciana ainda comenta a importância das comunidades de terreiros serem reconhecidas como empreendedoras.

A ampliação da rede é uma das metas do RHOL. “A proposta de ser rede é justamente para promover a inserção de terreiros que tenham potencial produtivo, assim como pessoas dispostas a atuarem neste cenário”, conta Sueli Conceição.

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 1 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir sua rotina. Pode ser a caminho do trabalho, […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Paulo César - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como força principal os braços. Fora das águas, no entanto, […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 29 de novembro de 2021