Tags:, ,

O que ficou para trás

- 4 de maio de 2016

Três idosas relembram a juventude e contam os sonhos que, devido a época em que viviam, não puderam ser realizados

Bruna Castelo Branco e Dudu Assunção | Foto destaque: Dudu Assunção

Antes de começar as aulas, a professora Delzuíta Castro observava as crianças sentadas em quatro fileiras na sala, fazia a chamada, apanhava o giz e começava a escrever palavras aleatórias no quadro negro. Eram aleatórias porque a professora, na verdade, era uma menina pequena, o quadro era a parede do quarto improvisada e as alunas eram bonecas que ajudavam a ilustrar um sonho de infância nos anos 30 e 40 na cidade de Maragojipe, no interior da Bahia. Mas o sonho da criança não sobreviveu à fase adulta. E se hoje pudesse acordar sem o peso de seus quase 87 anos, Dona Bela – como é chamada Delzuíta – não tem a menor dúvida: “Eu faria tudo diferente”.

No tempo em que Dona Bela era jovem, principalmente em cidades pequenas do interior do estado, as mulheres não tinham muitas opções quando planejavam o futuro: brincar de boneca, depois aprender a cozinhar, estudar o quanto der e, finalmente, arranjar um casamento – ou ter um casamento arranjado. “Era tudo diferente de como é hoje”.

O sonho de ser professora primária, Dona Bela nunca contou nem para a família. Mas, quando foi ficando adolescente, decidiu se desvencilhar da ilusão e encarar a vida que se apresentava como a única que poderia ter. “O tempo foi passando e o meu sonho morreu. Perdi a ilusão”. Por quê?. “Ah, era difícil. Não é como hoje… Em Maragogipe só tinha escola até o primário, para terminar de estudar, tinha que vir para Salvador. A gente não tinha condições”. Mesmo com os problemas financeiros da família, os homens que quiseram continuar com os estudos conseguiram. Às duas mulheres, entre os quatro irmãos, restou o trabalho doméstico como possibilidade depois do casamento.

Hoje, Dona Bela conta aliviada que seus filhos tiveram uma vida melhor do que a dela. Conseguiram estudar e ter uma profissão. Com orgulho, pega o porta-retrato com a foto do mais velho, no dia da formatura, e exibe: “Ele estudou matemática”. Se satisfaz enquanto conta a vida do filho professor, que experimenta a felicidade que Dona Bela nunca teve para si.

Em nome do pai

Dona Maude relembra seus sonhos | Foto: Bruna Castelo Branco

Qualquer pessoa que chegar à casa de Dona Maude por volta das 17h vai ter que esperar ela terminar de rezar o terço. “Rezo todo dia às 4h30 da manhã e às 5 da tarde. Aí se eu falar com alguém, atrapalha”. Preces terminadas, comenta: “é para ajudar todos os meus filhos e netos. Falo o nome de cada um. Não tive um marido bom, mas pelo menos tive meus filhos”.

Ao relembrar os seus longos 77 anos de vida, Haidée Maude Mascarenhas, nascida na cidade de Caldas de Cipó, diz com certeza que nunca realizou um sonho sequer. A começar pela adolescência, quando a sua maior diversão era espiar por uma fresta da janela – escondida do irmão – os jovens se divertindo do lado de fora. “Eu não podia fazer nada que eu queria. Não podia sair só, não podia ter uma amiga, ir à praia. Ele dizia que eu não ia e pronto. Mamãe não tinha voz em casa”.

Entre as maiores vontades da jovem Maude, estava a de trabalhar. Nada específico, diz, só o necessário para ganhar algum dinheirinho e ficar independente. “Até vender uns docinhos na rua eu queria. Eu via as pessoas vendendo e achava uma coisa tão alegre”. Mas o irmão mais velho nunca deixou. Ele passou a administrar as finanças da casa depois que o pai abandonou a família e foi morar em outra cidade. Assim, controlava os passos da mãe, das duas irmãs e, posteriormente, da noiva. “Ela tinha um emprego nos Correios. Quando eles casaram, ele a obrigou a pedir demissão. Ela foi com os olhos cheios de lágrimas. Nunca esqueço”, diz Maude, enquanto conta que seu novo sonho passou a ser sair de casa. Mas, na época, a família pressionou, pois uma moça, diziam, só poderia sair de casa depois do casamento.

No final das contas, ela trocou o irmão pelo noivo. Se casou. Continuou impedida de trabalhar e, assim, permaneceu dependente. “Essa é a pior humilhação que uma pessoa pode passar”. Desde o casamento, vive praticamente brigada com o marido e, há mais de 20 anos, dorme sozinha, em um quarto separado. “Mas, para mim, era a única saída. Não tinha jeito”. Hoje, continua a rezar. “Rezo para que Jesus amoleça o coração dele e ele se torne pelo menos um pai melhor”.

O filho que não nasceu

Cecília de Jesus, 84, brincando de boneca | Foto: Bruna Castelo Branco

Cecília de Jesus, que completa 84 anos em julho, ainda não deixou de brincar de boneca. Na verdade, criou o hábito já na vida adulta, porque na infância, quando vivia na cidade de Conceição da Feira, precisava trabalhar nas plantações da roça para sobreviver. “Eu não tinha dinheiro nem para comprar uma roupinha. Quando podia, fazia meus próprios brinquedos”. Ela foi doada pelos pais biológicos e não tem lembranças nada boas dos dias com a família adotiva. Entre muitas horas de trabalho na infância e surras frequentes, só conseguia pensar em sair dali. Não era sonho, era necessidade.

Na juventude, Cecília buscou então alcançar dois objetivos: encontrar outro lar e, mais tarde, ter filhos. Aos 15 anos, conseguiu fugir da casa no interior e, de carona em carona com desconhecidos, veio parar em Salvador, “mas o trabalho nunca parou”. Trabalhou como babá, empregada doméstica e camareira, quando sofreu uma tentativa de estupro pelo filho do patrão da pousada enquanto arrumava um dos quartos. “Fui embora de lá, porque se eu ficasse…”. Não completa a frase. Fica nervosa com as lembranças. “Para você ver como são as coisas”. Em alguns momentos, não evita chorar ao contar a própria história.

Alguns meses depois de largar o emprego, Cecília acabou se casando. Como era comum na época, o marido não quis que ela continuasse trabalhando fora de casa. Já com tantas marcas de trabalhos na infância, imaginou que poderia pelo menos viver para cuidar do filho que queria ter, para tentar encontrar nele algum conforto e a realização que não conseguiu para si.

Cecília engravidou. Quando a barriga estava começando a crescer, um acidente caseiro a fez murchar definitivamente. “Nunca soube se seria menino ou menina”. Tempos depois, o marido morreu e, sem dinheiro nem trabalho, a jovem Cecília não tinha como se sustentar.

Hoje, velhinha, mas com cabelos que nunca ficaram brancos, vive em um asilo em Lauro de Freitas. No quarto, as dezenas de bonecas que passaram longe da sua infância a fazem companhia. “Já quero ir logo. Está na hora”, diz sobre a vida. Pretende deixar as bonecas para crianças que não têm com o que brincar. “Aqui, elas foram as filhas que eu não tive, da vida que eu não tive”, conta, enquanto se lembra de um tempo que espera que não volte nunca mais.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021