Tags:,

“O pole dance te dará técnica para você aliar a sua sensualidade”

- 12 de agosto de 2013

A instrutora Erika Thompson desmistifica os estereótipos do pole dance fitness

Gabriela Cirqueira

Foto: Roberto Cunha

Erika Thompson/ Foto: Roberto Cunha

Há quatro anos, quando ensaiou os primeiros movimentos em uma barra de inox, a capixaba Erika Thompson não esperava se tornar uma das instrutoras da primeira academia de  pole dance de Salvador, a Academia de Pole Dance da Bahia. Longe dos estereótipos das performáticas dançarinas sensuais, a atleta é uma das 18 classificadas para o campeonato brasileiro de pole dance, que acontecerá em São Paulo. Em entrevista ao Impressão Digital 126, Erika fala sobre os benefícios da atividade para o corpo e autoestima de quem o pratica.

Impressão Digital 126: Quais são as principais diferenças do pole dance como atividade física e como dança performática?
Erika Thompson: Toda diferença do mundo, pois sensualidade não é algo que você aprende. O pole dance te dará técnica para você aliar a sua sensualidade. Não gosto de trabalhar o pole dance sensual, porque não é o tipo de linha em que o público permanece. Se você vem apenas pela dança sensual terá o treinamento básico e será o suficiente. Eu procuro pessoas que querem fazer o pole, como atividade física, que irão se apaixonar pelo esporte, que continuarão para chegar no nível avançado. A principal diferença das modalidades é essa, uma é mais simples e a outra muito mais complexa.

ID 126: Desde quando o pole dance vem ganhando espaço como atividade física?
ET: O pole dance possui três origens: A primeira é o mallakhamb, uma atividade indiana para lutadores realizada em um tronco de madeira, a mais antiga das três. A segunda é o mastro chinês do circo. Não tenho certeza sobre o surgimento desta. E então, o pole dance de boates. O pole dance atualmente é uma mistura destas três modalidades. É mais praticado por mulheres, que pensam prontamente no lado sensual da atividade. Fazemos muitas acrobacias do mastro (chinês) e mallakhamb. Só que o pole como praticamos aqui na academia, na barra de inox, proporciona maior liberdade de movimentos que no mastro, por este ser emborrachado, o que não nos possibilita realizar giros, além de alguns movimentos machucarem muito.

ID 126: É uma atividade majoritariamente feminina, então? Você já recebeu homens com interesse em participar?
ET: Semana passada, recebi o campeão brasileiro sul-americano, Carlos França, ele já trabalhou com mastro (chinês) e com circo. E sim, os homens procuram, mas ainda existe um preconceito. Sempre que eu conto que tenho um aluno praticando, a primeira pergunta das alunas é “Ele é gay?” (risos), e eu digo “Claro que não”. Eu acho que sou a professora do Brasil que tem mais alunos heterossexuais, pois tento comunicar de uma forma para que homens se interessem, que não vejam a atividade apenas com uma conotação de “dancinha”. Quero que as pessoas vejam o pole dance como esporte, que um homem pode praticar, uma menina, um adolescente, uma criança, qualquer pessoa. Se você se prende ao aspecto sensual, ou só a dança, você restringe muito isso. É uma atividade tão boa, tão completa, que traz tantos benefícios que eu quero que todo mundo faça.

ID 126: Há diferenças na evolução dos exercícios para homens e mulheres?
ET: São corpos diferentes, homens têm mais força que mulheres. Logo, muitos exercícios que são do início da atividade para meninas, para o cara (sic) será mais fácil. A mulher começa do básico, por ser mais bonito e feminino e também para ganhar força para o (nível) intermediário e avançado. Para os homens isso já não é tão interessante, então partimos logo para o nível intermediário, aproveitando alguns aspectos do básico.

ID 126: Em 2009 foi criada a Federação Brasileira de Pole Dance. Com o apoio da entidade houve maior abertura do mercado para o pole dance, principalmente na Bahia?
ET: A Federação e sua representante, Vanessa Costa, desenvolvem um trabalho muito bom de divulgação. Ela consegue colocar a atividade em um nível mundial. Ela criou um stand de pole dance dentro do Arnold Classic, uma das maiores feiras de fisiculturismo do mundo. Organizou a Pole World Cup, duas vezes, trouxe muitos atletas internacionais para cá. Está sempre na televisão, mídia em geral e isso é super positivo, traz uma visibilidade grande para o pole. O que faz as pessoas virem espontaneamente procurar a atividade, porque são informadas do que é.

Erika Thompson/Foto: Roberto Cunha

Foto: Roberto Cunha

ID 126: Você tem preparado alunas para campeonatos?

ET: Em setembro acontecerá o campeonato brasileiro de pole dance. A cada ano os campeonatos estão ficando mais profissionais, com regras mais rígidas. Até o ano passado não existia o processo de seleção por vídeos. Eu e Aisha Britto (também instrutora da academia) passamos nessa seleção, entre as 18, de 26 inscritas na categoria profissional. Este campeonato tem varias categorias, como amadora e em dupla. A etapa final será nos dias 27 e 28 de setembro, em São Paulo.

ID 126: Como foi feita a sua preparação para o nacional?
ET: Comecei a me preparar para o campeonato desde o inicio do ano. A inscrição era até o dia 30 de junho, quando tive que mandar o vídeo demonstrando os movimentos obrigatórios dos níveis 3, 4, e 5, que envolve força e flexibilidade. Em janeiro, eu não fazia 70% do que faço agora, o treinamento foi bem pesado. Consegui fazer uma preparação física com um personal trainer, que teve que estudar o pole dance para me preparar. Eu consegui um resultado muito bom. No geral é preciso ter uma preparação física, se alongar, treinar três vezes por semana, não mais do que isso para não atrapalhar o treinamento da coreografia, o que é mais difícil. Juntar os movimentos em uma coreografia é o mais difícil. Um já é difícil, aliar todos sem perder a beleza, a cara de diva, sem morrer (risos). É surreal. Mas conseguimos, graças a Deus!

ID 126: Irão participar do campeonato com auxílio de patrocinadores?
ET: Vamos sem patrocínio. O interesse do patrocinador é aparecer e o pole dance ainda está muito escondido. Por mais que venhamos conseguindo visibilidade, ainda não é uma atividade super popular como o MMA (Mixed Martial Arts). Um dia será, eu espero. Acredito que ganhando esse campeonato ou conseguindo uma classificação boa fique mais fácil para ter patrocínio para os próximos.

ID 126: Para quem deseja participar da atividade existe restrições?
ET: Nenhuma. A não ser que tenha um problema de saúde indicado pelo médico. Fora, isso não. O pole proporciona uma mudança corpo muito grande e rápida, é assustador! Tão inacreditável que fica difícil de te convencer que é verdade. (risos) E é uma atividade super divertida, que você faz e não sente que está malhando. Só no dia seguinte (risos). É como se estivéssemos em um parquinho de diversões. Sem a pressão de uma academia. Todo mundo fica amigo, em um ambiente divertido, um clima legal. As pessoas não querem ir embora.

ID 126: Além dessa mudança física, você percebe uma mudança na autoestima da alunas?
ET: Totalmente, eu tinha uma aluna com autoestima muito baixa, nenhuma experiência em dança, sedentária, que depois de pouco mais de um ano já está no meu nível. Eu, com quatro anos de pole, sinto dificuldades em criar uma coreografia no solo, e ela já consegue. Estuda, corre atrás, vê vídeos, cria coreografias bem bonitas. Ano passado competiu na categoria amadora, mas não conseguia expressar sentimento, víamos potencial nela e queríamos que ela colocasse pra fora. Hoje, não tenho outra expressão pra falar sobre o trabalho dela senão “UAU”, é impressionante a evolução. Já fez até minha mãe chorar dia desses (risos).

Leia mais 

Práticas alternativas de exercícios invadem o mundo fitness

Aline Amado apresenta a acroyoga e o tecido como formas alternativas de exercícios

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021