Tags:, , , ,

O pagode na ótica de quem faz

- 11 de março de 2013

Reinaldo Nascimento e Mário Ornellas fazem uma análise do pagode baiano e falam sobre o período em que estavam no auge 

Raulino Júnior

O grupo Terra Samba nasceu em 1991, no Engenho Velho da Federação, em Salvador. Ganhou expressiva notoriedade em 1998, com o lançamento do CD “Ao vivo e a Cores” (Som Livre), gravado em Belo Horizonte, com mais de 2 milhões de cópias vendidas. Em 2009, Reinaldo Nascimento, 42, saiu do grupo e foi substituído por Mano Moreno, ex-Braga Boys. Porém, o Terra, como é carinhosamente chamado, não teve os mesmos méritos. Reinaldo reassumiu os vocais da banda em 2011 e, junto com o percussionista Mário Ornellas, 48, conversa com o Impressão Digital 126.

 

Reinaldo Nascimento e Mário Ornellas, líderes do Terra Samba. | Crédito: Raulino Júnior

 

Impressão Digital 126 – O Terra Samba se intitula como uma banda de pagode? Pergunto isso porque, pela discografia da banda, a gente vê regravações de Cazuza, Cidade Negra, Cássia Eller…

 Reinaldo Nascimento – O Terra Samba é world music. Tem o nome de Terra Samba, mas não ficou preso ao samba. Gravamos samba-reggae, merengue, salsa, misturamos as células. O Terra Samba é assim: tem a célula básica dele, que é o samba, mas a partir disso a gente viaja na música.

Mário Ornellas –  Nós não nos prendemos a ritmo nenhum. Já gravamos samba em inglês. E, há pouco tempo, gravamos em italiano. A gente tem essa característica de misturar tudo.

 ID 126 – Vocês tiveram ascensão muito grande na década de 90, inclusive chegaram a apresentar o Planeta Xuxa em 1998, quando a apresentadora estava em licença-maternidade. Com a saída de Reinaldo do grupo, houve uma baixa e agora vocês estão de volta, com certa repercussão e apelo popular. O que mudou nesse intervalo, mercadologicamente falando?

RN – O samba da nossa linha, voltado para o samba-reggae e para o samba de roda, não existiu neste intervalo. De lá pra cá, não nasceram grupos como o Terra Samba nem como o É o Tchan. Nós tivemos que voltar para mostrar uma ideologia musical. As coisas se misturaram muito. Misturaram funk com o samba e o sertanejo. Tudo foi se misturando pela falta do samba raiz da Bahia. E isso é natural. A luta pela sobrevivência vai gerando essa nova condição musical. Eu vou condenar? O mercado gerou essa outra forma de fazer suingueira, o chamado groove arrastado. É a evolução musical mesmo que gera isso. Tem gente que faz uma música excelente, tem outros que apelam para outro sentido. E aí a música vai.

 ID 126 – Vocês tiveram muita notoriedade na década de 90. Hoje, os holofotes não estão mais voltados para a banda. O que aconteceu? A fórmula desgastou?

MO – Antes, tinha uma coisa muito importante: as gravadoras olhavam para a música baiana e para o samba, o que nos ajudava a fazer uma penetração no eixo Rio-São Paulo e, consequentemente, na mídia. Isso já não tem mais, o que dificulta muito. E também, tivemos uma sorte muito grande, porque um grupo foi surgindo atrás do outro. Primeiro, veio o É o Tchan; depois, a gente, a Companhia do Pagode, o Harmonia do Samba , dentre outros. Isso nos ajudou.

RN – Isso foi uma das coisas, mas fazendo uma autocrítica, acho que a música tem que se renovar, tem que encontrar novos caminhos. Acho que é importante sempre pesquisar, porque a música está sempre em mutação. Eu saí do grupo também, a gente sofreu uma separação. Nessa transformação do mercado, tudo isso, de certa forma, enfraqueceu. Agora, a gente está no reinício, colocando tijolo por tijolo nessa casa para poder retornar no cenário musical.

ID 126 – O que vocês acham do atual momento da música baiana? Quando falo de música baiana, me refiro a todo o tipo de som produzido aqui, não só o axé music.  Nesse sentido, quero que vocês falem detidamente sobre o pagode.

RN – A música feita nos carnavais de dez, 15 anos atrás, era muito melhor do que a que se faz hoje. Nunca mais se teve uma Prefixo de Verão nem uma Milla. O carnaval virou uma festa de objetivos financeiros e perdeu um pouco a arte carnavalesca, a criatividade. O carnaval popular não existe. Hoje, a moda é o carnaval dos camarotes, para uma elite. Tudo isso, de certa forma, transformou o carnaval numa coisa diferente. A música, em si, acaba se tornando a última prioridade. Quanto ao novo cenário do pagode, não gosto nem de comentar, porque são meninos que estão chegando agora. Eles têm uma linguagem do gueto. Outro dia, eu recebi o Igor Kannário num projeto paralelo. Ele cantou as músicas do gueto e eu achei interessante. Algumas coisas são muito legais, outras são desnecessárias. Mas não quero condenar ninguém. Quando os governantes passam a proibir uma determinada música, é porque ela está causando problema. Nós não seguimos essa linha. Fazemos outro tipo de música.

MO – É um tipo de música que a gente não faria.

ID 126 – Quais estratégias vocês utilizam para não ser somente mais uma banda de pagode da Bahia?

RN – É o critério, não é? A gente já deixou de gravar coisa que sabia que ia tocar na Bahia, que ia ser sucesso, mas não tinha a identidade do Terra Samba. Nós já erramos em determinadas músicas, mas agora queremos ser mais criteriosos.

 ID 126 – Fazendo um exercício de profecia, para onde vai o pagode baiano?

RN – O capitalismo está imperando na música baiana. Hoje, se fabricam as bandas. Tem artistas que surgem que eu nunca vi na minha vida. Antes, a gente via os artistas ralando. Saulo é um bom exemplo disso. Veio da Chica Fé, passou pela Banda Eva e hoje está aí. E é fantástico. O capitalismo tirou a essência da verdade da nossa música. Sobre o futuro, eu não sei.

Leia mais

“Gosto de pagode. Acho gostoso como gênero”

Eles querem ser o Jacaré

O pagode desce, que desce, que desce?

O pagode baiano por Jacaré, Ex-É o Tchan

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021