Tags:, , , , , ,

O outro lado da maternidade

Cássia Carolina - 23 de dezembro de 2017

Desenvolver o transtorno é mais comum do que se imagina: uma em cada quatro brasileiras sofrem do problema

A maternidade é considerada um dos momentos mais aguardados na vida de uma mulher. Todo o desenvolvimento, desde o descobrimento da gravidez até o nascimento do bebê é um processo que gera expectativas, não somente para a mãe, como para algumas pessoas que a cercam. A questão é que, rodeada de simbolismos, a maternidade às vezes pode ser um momento extremamente complicado para algumas delas, sobretudo para as que passam pela depressão pós-parto (DPP).

Desde que se tem notícia, a pressão sobre o papel de “ser mãe” coloca uma sobrecarga sobre a população feminina. Devido a isso, se constrói em torno dessa figura uma expectativa que exige dela certos sacrifícios, como por exemplo, estar incondicionalmente feliz com o pré e pós-processo gestacional. Dessa forma, em pleno século XXI, ainda é tabu falar de um transtorno que vai contra todo esse estado de “festa” deveria pela chegado de um bebê.

“Às vezes eu não queria nem ver, é horrível! Estava desmotivada, não tinha interesse e nem vontade. Muita gente acha que é frescura”, desabafa a pedagoga Elma Roberta

Uma das vertentes da depressão, a DPP é um assunto pouco discutido, mas que merece atenção. Segundo apontou uma pesquisa feita pela Fundação Oswaldo Cruz em 2016, mais de 25% das mulheres brasileiras desenvolve Depressão Pós-parto, que se caracteriza como um distúrbio que causa uma forte melancolia e afeta o vínculo entre a mãe e a criança. A mulher com esse transtorno pode não sentir afeto pelo recém-nascido, não ter vontade de amamentar nem de cuidar do filho, e em alguns extremos, perde até mesmo a vontade de viver. A depressão pós-parto também altera o humor da mãe, que tende a se isolar.

O estudo entrevistou 23.896 mulheres no país, no período de 6 a 8 meses após o nascimento do bebê. Em Salvador, ainda não há dados sobre o caso, fato que dificulta a procura por tratamento, que é feito através de acompanhamento psicológico e, em situações mais graves, com uso de medicamentos. Mas, afinal, por que algumas mulheres desenvolvem DPP?

Sou mãe, e agora?

Após sofrer de DPP na 1º gestação, Evelim teve mais dois filhos (Foto: Arquivo pessoal)

Desde criança, mulheres são ensinadas a serem mães. Ainda meninas, brincam de boneca e mal percebem como são moldadas e preparadas para esse momento, como se ele fosse ocorrer de forma compulsória e obrigatória. Quando ele, de fato, acontece, o que se espera delas é que sejam incondicionalmente amorosas e que estejam felizes durante todo o processo gestacional, afinal, ele é considerado uma “benção”.

A dona de casa Evelim Cristina, residente em Salvador, tinha 19 anos quando ficou grávida pela primeira vez. Naquela época, ainda muito jovem, entrou em conflito com si mesma, pois não se sentia preparada para ser mãe, e não desejava ainda ter um filho. Apesar disso, levou a gravidez adiante. No entanto, o sentimento não mudou muito após o parto. “Eu achava que não gostava da criança, por isso estava rejeitando meu filho”, contou ela.

Evelim se culpava por não ter desenvolvido laços afetivos com a criança, e conta que, durante aquele período, tinha fortes dores de cabeça, não gostava de ficar muito tempo sozinha, não queria dar mama ao filho e não aguentava nem mesmo ouvir o choro da criança. Por causa desse comportamento, a direção do hospital onde ela teve o bebê resolveu intervir. “As enfermeiras da Maternidade Climério de Almeida falaram com a psicóloga e ela veio falar comigo”, disse ela. A jovem ainda chegou a frequentar algumas consultas e passou a tomar um medicamento para se manter mais calma.

No entanto, mesmo com a intervenção medicamentosa, Evelim ainda se mantinha distante do bebê. Além disso, alguns fatores contribuíam para o estado dela. “Eu não tava com o pai do meu filho e nem tinha muito apoio da minha família”, desabafa. Cinco anos depois, Evelim lembra da história com muito pesar e culpa, pois mesmo com as tentativas, não conseguiu manter uma boa relação com o filho. “Entreguei ele ao pai quando tinha dois meses. Eu tive mais duas crianças e também passei por um pouco de dificuldade no início, senti tudo de novo. Mas, não consigo me aproximar do meu primeiro filho e não consigo ir até o fim do tratamento”, completa a jovem, que ressalta ainda que não gosta de falar sobre o assunto.

O caso de Evelim não é isolado e segundo o estudo da Fiocruz, várias características a colocam dentro das estatísticas, já que, de acordo com elas, a maioria das mulheres que sofrem do transtorno no Brasil são da cor parda, tem em média 25 anos, baixa condição econômica, hábitos não saudáveis, já tinham outros filhos ou não planejaram a gravidez.

A pedagoga Elma Roberta Rodrigues, também moradora da capital baiana, passou por uma situação semelhante ao ser diagnosticada com DPP. Ela enfrentou o problema em sua primeira gravidez, aos 28 anos. Na ocasião, descobriu que estava grávida já aos cinco meses de gestação. “Na época meu ex-marido, pai da minha filha, achava que eu sabia que estava grávida e estava escondendo. Então, dos cinco aos nove meses, foi um período muito difícil e de muito estresse”, relata a pedagoga.

Elma percebeu algo de errado cerca de duas semanas depois do parto, quando começou a se sentir muito triste. Ela, porém, já tinha desconfiança de que estava enfrentando uma depressão pós-parto, pois já havia ouvido falar do assunto. “Eu gosto muito de ler e de me manter informada, então eu sabia mais ou menos. Mas, a gente nunca acha que vai acontecer com a gente. Eu colocava na minha cabeça que não podia ser uma depressão”, conta.

Com o tempo, Elma já apresentava os sintomas, como muita angústia, tristeza, choro constante e tinha medo de sair da cama. A condição de melancolia a fazia se sentir culpada, pois sabia que a filha precisava de seus cuidados. “Eu tinha muito medo e vergonha de procurar ajuda, minha mãe que percebeu minha situação e falou com uma tia minha, que quis me ajudar”.

Perguntada sobre os motivos que podem ter desencadeado o transtorno, Elma descarta a hipótese da pressão sobre “ser mãe”. Conta que o momento da maternidade era muito esperado por ela, e que, inicialmente, gostava muito de cuidar da filha. Com o passar dos dias, Elma soube que precisava buscar ajuda, pois a angústia havia aumentado e se sentia cada vez mais distante do bebê. “Às vezes eu não queria nem ver, é horrível! Estava desmotivada, não tinha interesse e nem vontade. Muita gente acha que é frescura”, desabafa a pedagoga.

Elma Roberta em sua primeira gravidez. (Foto: Arquivo Pessoal)

Após procurar por ajuda, Elma foi obteve a confirmação da DPP. O tratamento da mesma incluiu passagem por psicólogo, psicoterapeuta e neurologista e também chegou a tomar medicações indicadas. Ela diz que se sentiu “aliviada”, pois com o procedimento, pôde evoluir e retomar parte de sua vida, já que a depressão tinha afetado sua vida drasticamente; ela já não tinha mais vontade de se alimentar, não dormia e por vezes, nem queria levantar da cama. Seu tratamento também incluiu terapia ocupacional.

Apesar do período turbulento que enfrentou, Elma diz que hoje, aos 35 anos, tem uma ótima relação com a filha. A pedagoga ressalta que, com a experiência, procura ver a situação das pessoas com novos olhos. “A depressão é algo muito difícil”, completa, ao afirmar que tem vontade de ajudar outras que enfrentam o mesmo problema.

As histórias de Evelim e Elma deixam em evidência um fator muito fundamental: a importância do diagnóstico. Só através dele é possível confirmar o transtorno de DPP e, dessa forma, iniciar o tratamento, que, na maioria das vezes, costuma ser altamente eficaz.

Baby Blues x DPP

Ainda que um dos sintomas do transtorno seja o estado de melancolia atravessado pela mãe, é importante ressaltar que, nem toda tristeza aguda após a gravidez signifique, necessariamente, que a mulher está com DPP. Segundo a Dra. Fernanda Andrade Leal, psicóloga e pesquisadora da área, existe uma diferença entre esse tipo específico de depressão e outra doença comportamental chamada de Baby Blues, conhecida também como tristeza materna. “É um quadro muito semelhante de humor depressivo e os sintomas são muito parecidos. A gente diferencia entre um e outro quando tem esse fator que incide sobre o bebê, quando o vínculo entre ele e a mãe fica um pouco afetado”, esclarece a profissional.

Ela explica que vários fatores podem ajudar a desencadear o problema e geralmente vem de um histórico prévio, como uma patologia mental anterior – nem sempre necessariamente a depressão –, o relacionamento com o parceiro que não está muito bem, ou uma relação conturbada com a própria mãe da gestante. Todos esses fatores de risco formam um ambiente propício para desenvolver o problema. Segundo a doutora, outros aspectos como ansiedade podem também contribuir, mas, na maioria dos casos, se deve à condição familiar.

“Elas não querem ser taxadas como mães que deprimiram no pós-parto, pois isso é visto de forma extremamente negativa, então trabalhamos essa questão da ‘culpa’”, diz a psicóloga Fernanda Leal

Fernanda também acredita que a pressão sobre a figura da mãe funciona como um dos fatores mais agravantes. “Existe o ‘mito materno’ e essa idealização pode aumentar as chances de desenvolvimento de uma patologia. A mãe já se encontra em um estado de vulnerabilidade psíquica, ou seja, está sensível emocionalmente e essa exigência social piora o estado dela”, exemplifica.

Diferente do Baby Blues, onde não há necessidade do uso de remédio, a DPP alia a medicação ao tratamento psicológico e psiquiátrico. Para tratar as mulheres diagnosticadas, a especialista explica que é necessário, inicialmente, trabalhar a autoestima da mãe. “Elas não querem ser taxadas como mães que deprimiram no pós-parto, pois isso é visto de forma extremamente negativa, então trabalhamos essa questão da ‘culpa’”, diz Fernanda.

A psicóloga Fernanda Leal atende mulheres com depressão pós-parto

Como qualquer outra forma de depressão, a do pós-parto pode levar meses para um tratamento efetivo e depende muito da imediata procura por ajuda. Quanto mais cedo o diagnóstico é feito, mais rápido o transtorno pode ser revertido. O que se busca com ele é melhorar a relação entre a mãe e o bebê, além da saúde da própria mulher, que pode perder o apetite ou o sono. “Já atendi algumas mulheres que tiveram a Depressão Pós-parto. Algumas delas eram encaminhadas pelo psiquiatra e outras vinham diretamente para o meu consultório. Uma delas já veio por indicação de um pediatra, e, como estava bem no início, ela logo começou o tratamento e não precisou ser medicada. Todas as outras tiveram que tomar medicação”, conta Fernanda. “É um transtorno de humor, então, a mulher que se trata pode ficar bem depois. Às vezes pode ter consequências na relação dela com o bebê, mas tem cura”, completa a psicóloga.

Pouca informação

Mesmo que a depressão pós-parto atinja uma porcentagem alta de mulheres, pouco se fala sobre o assunto. Na Bahia, os estudos e pesquisas sobre o tema são altamente limitados e nem o Conselho Regional de Psicologia compila dados sobre este transtorno.

Iniciada uma procura por pesquisas do tipo no estado da Bahia, a Rede Técnica Saúde da Mulher indicou a Rede Cegonha Salvador, uma estratégia do Ministério da Saúde, operacionalizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), fundamentada nos princípios da humanização e assistência, além de garantir às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo, à atenção humanizada à gravidez, parto e puerpério, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Porém, não há estudos de caso aprofundados sobre a DPP.

Em Salvador, segundo apuração feita pela reportagem, o que se sabe é que não há especificidade sobre os diagnósticos desse transtorno, já que o CID usado para busca – F53, Transtornos mentais e comportamentais associados ao puerpério, não classificados em outra parte –, não está relacionado somente a depressão pós-parto. Sendo assim, não tem garantia que o quantitativo que aparecer de atendimento ou internação tem a ver exatamente com esse problema.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021