Tags:, , ,

O envelhecer feminino

- 4 de maio de 2016

As mulheres tomaram a palavra, falaram com convicção e mostraram como é o envelhecer para elas

Lorena Correia | Foto destaque: Montagem de Lorena Morgana

Mesmo com os anos passando cada vez mais rápido e o envelhecimento se prolongando, ser idosa para a professora Hermínia Freitas, 65, é apenas uma consequência positiva da vida. Como nunca gostou de ir para salões ou fazer cirurgias, para ela ajeitar os cabelos cacheados e passar um bom batom já é mais do que suficiente para se sentir bela.

Para dona Hermínia seus cabelos grisalhos são luzes naturais | Foto do Labfoto: Marco Antônio Correia

Sorridente, enquanto mexe em seus cachos grisalhos, ela diz que vai ganhar dois netos este ano o que, para ela, é mais um ponto importante em ser idosa e avó também. “Nunca fiz cirurgia plástica e nunca gostei muito de pintar o cabelo, e para completar acho que fui privilegiada quando os meus brancos surgiram como se fossem luzes. Então eu sempre brinco que eu fui presenteada com luzes naturais”, ela confessa.

Mas, para outras, é só o corpo começar a envelhecer, para os cuidados se tornarem ainda maiores. A rotina de muitas mulheres quando envelhecem passa a se dividir entre a casa, o trabalho, filhos, netos e mudanças na pele e nos cabelos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), aproximadamente 15% das mulheres acima dos 60 anos buscam a realização de intervenções estéticas. Tudo por um rejuvenescimento facial, com a diminuição de manchas e rugas, através de cirurgias, cremes e um procedimento estético bastante procurado em clínicas especializadas: a famosa toxina botulínica ou como é popularmente conhecida, o botox.

“As mulheres acima dos 60 procuram mais rejuvenescer o rosto, fazem lifting de face (para tirar aquela ‘papada’ do pescoço), além de procedimentos não cirúrgicos, como botox, para aliviar as rugas e cirurgia de pálpebra, que ao passar do tempo à pessoa tende a ficar com flacidez na parte superior do olho, o que atrapalha até a visão. E até os 40, 50 anos geralmente elas querem arrumar os seios, o abdômen”, explica a cirurgiã plástica e membro da SBCP, Fernanda Serra.

Em meio a uma vida corrida de trabalho e apresentações como ‘fada’, a mestre de reiki e vendedora Odara Braun, 72, realiza intervenções no corpo há quatro anos com o objetivo de se sentir mais leve e bem com seu próprio corpo. “Acho que a idade não é limite para nada. Uso botox, uma vez no ano para dar uma leveza. Às vezes a pessoa fica com a expressão cansada, e essa aplicação de botox realça o rosto. Também faço limpeza de pele e fiz um procedimento chamado radiofrequência, que é bom para a pele do abdômen, para não envelhecer e não ficar flácida”, esclarece Odara.

Para sentir a aparência mais leve, dona Odara faz o que for preciso | Foto: Andrey Oliveira

Realizar cirurgias plásticas exige grande cuidado e acompanhamento médico com o paciente, principalmente quando são mais idosas. Dessa forma, exames pré-operatórios são necessários, para se fazer uma triagem e verificar como está a saúde das pacientes, a fim de garantir que o procedimento dê certo. Quanto mais avançada à idade, o surgimento de doenças como hipertensão e diabetes são mais frequentes. Entre os exames que geralmente são feitos, estão o eletro e ecocardiograma, além dos laboratoriais. “Toda cirurgia plástica tem risco. É fator fundamental, para fazer uma cirurgia, estar bem de saúde. Por isso investimos muito no pré-operatório. Não impede da pessoa operar se ela tiver alguma doença, mas que essa doença esteja controlada”, conta a cirurgiã Fernanda Serra.

Essa vontade de querer mudar o próprio corpo começa a fazer parte da vida de muitas mulheres em etapas diferentes da vida. Conforme a psicóloga Márcia Teixeira, especialista em saúde coletiva,  aceitar a velhice ou querer alterá-la tem uma relação com fatores comportamentais e também psicológicos. “O envelhecimento é consequência da vida, porém cada um o vivencia de um modo bem peculiar e de acordo com sua história. A mulher, principalmente, possui dificuldade para lidar com essa nova imagem que surge. Os padrões de beleza traçados hoje em dia tornam o envelhecer ainda mais difícil, e passamos a nos sentir velhas através do olhar do outro, sem termos experimentado, de fato e em verdade, as mudanças que a velhice impunha”, explica.

Intervenções reparadoras

Há quem pense que mulher só quer ir para clínicas fazer cirurgias e melhorar a aparência apenas por questões estéticas. Porém, há aquelas que procuram reparar um lado do rosto que é diferente do outro, parar com o excesso de suor nas mãos e axilas (a chamada hiper-hidrose) ou diminuir as mamas por causa de uma insistente dor nas costas. E para combater esses problemas no corpo, a distância não é um obstáculo, pois a cirurgia é uma forma de melhorar a qualidade de vida.

Esse é o caso de Dona Joselina Ferreira. Aos 67 anos, ela saiu do município de Tucano, no nordeste baiano, em março deste ano, com destino a Salvador para obter a tão esperada redução dos seios. Movida pela busca de uma sensação de alívio e pelo fim das insistentes dores nas costas, Joselina juntou dinheiro e viajou para Salvador para realizar aquilo que queria desde mais jovem.

Antes e depois de dona Joselina que fez cirurgia para diminuir os seios | Fotos: Ana Luísa

“Na juventude fui percebendo que minha mama direita era um pouco maior que a outra e eu sentia peso também. As roupas nunca ficavam bem. Eu sempre tinha vontade de fazer algo, mas nunca dava. Passei a juntar dinheiro e consegui fazer a cirurgia em março. Ainda estou me recuperando, mas a sensação é muito boa, e aumentou a minha autoestima”, diz Joselina.

Existem casos em que um mesmo procedimento é usado tanto para estética quanto para questões reparadoras. De acordo com a especialista em dermato-funcional, Marina Ribeiro, o uso do botox pode se encaixar nesse caso. “A pessoa tem uma ruga, ela quer minimizar aquela ruga, então vai e aplica o botox. Mas tem pessoas que têm má simetria no rosto, um lado é diferente do outro, um olho é mais fechado do que o outro, uma parte da boca puxa mais do que a outra, então elas não se identificam com aquele rosto. Aplica-se o mesmo botox que a outra aplicou para poder melhorar a ruga, porém para deixar um lado parecido com o outro e ficar simétrico. É com o mesmo profissional, é na mesma clínica, mas nesse caso é uma questão reparadora”, ela explica.

As cirurgias ou retoques feitos por mulheres acima dos 60 anos mostram que elas mudaram o comportamento. Elas modificaram aquele perfil das senhoras de antes, que costumavam viver em casa costurando ou cuidando dos netos. Hoje em dia estão ainda mais ativas e realizam atividades que podem ser feitas independente da idade. “Antes a mulher olhava muito para a família, para seus fazeres domésticos e não olhava muito para si. Elas se dedicavam mais para os outros, e hoje elas conseguem se dedicar mais para elas, mesmo com as várias funções que possuem”, conclui Ribeiro.

Estudos sobre o envelhecer feminino

Em Salvador, o Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (Neim), que atua na Universidade Federal da Bahia desde 1983, realiza pesquisas e teorias sobre causas feministas. Fundadora do Núcleo, a professora de sociologia Alda Motta é um exemplo da atividade e disposição em mulheres que passaram dos 60 anos.

Para a professora e pesquisadora Alda Motta, o envelhecer é apenas uma fase | Foto: Lorena Correia

Aos 84 anos, Alda permanece a todo vapor com suas pesquisas, livros e artigos sobre assuntos ligados à mulher, mas principalmente sobre o tema velhice. “Uma coisa que me preocupa nisso [ser idosa] é o modo como a mulher é tratada, do que se tem ou não cabelo branco. Uma mulher idosa é uma mulher que viveu mais do que outras, que tem experiências a mais. Vejo a velhice como um prolongamento da vida”, afirma.

O Neim já se desdobrou em vários fluxos, sendo mais do que um instituto da mulher, mas de gênero. Começou com a pós-graduação, e agora tem mestrado e doutorado em gênero e feminismo. Alda Motta tem várias linhas de pesquisa sobre desigualdade e alteridade, sobre a questão de gênero, de idade e geração, e a questão do envelhecimento. E após anos de pesquisa, demonstra que a dificuldade de muitas pessoas em se aceitar ou aceitar o outro como idoso é o peso que a própria palavra “velhice” carrega, mesmo com tantas atividades ou cursos voltados para este tipo de público atualmente.

“Uma pessoa há alguns anos me perguntou, ‘você ainda está na ativa?’, tive aquele rompante, e disse que escreveria um artigo intitulado “Ainda”. Que de repente é assim mesmo: ainda trabalhando, ainda viajando sozinha, ainda escrevendo, ainda mil coisas. E a gente é a mesma pessoa que sempre foi”, diz a pesquisadora.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021