Tags:, , , , , , ,

Negros no jornalismo: além das páginas policiais

Kelven Figueiredo - 31 de janeiro de 2018

Especialistas, professores e militantes do movimento negro expressam sua insatisfação com a falta de diversidade na representação dos negros no jornalismo

A representação do povo negro sempre foi uma deficiência na sociedade em geral. Embora esta situação tenha melhorado em algumas esferas da comunicação, ainda que mais lentamente, é no jornalismo que o problema maior se concentra. Segundo uma análise feita pelo jornalista Diogo Costa em seu trabalho de conclusão de curso (TCC), os jornais baianos, em sua maioria, ao noticiarem autos de resistência, frequentemente utilizam o termo “Confronto com a polícia”.

A análise realizada por Diogo consistiu em checar como são noticiados autos de resistência nos Jornais Correio* e Massa!. Na pesquisa, foi observado que no jornal Correio* 34% das 30 notícias analisadas foram produzidas sob o enquadramento de confronto com a polícia, enquanto no Massa! o número é ainda maior e representa 53%, de 30 publicações.

 

Fonte: Diogo Costa

Fonte: Diogo Costa

 

Para a Bacharel em Artes, estudante de jornalismo e pesquisadora ávida quando o assunto é representatividade do povo negro, I’sis Almeida, o termo mais utilizado no jornalismo deriva diretamente da relação entre jornal e polícia, normalmente a militar. “Sabemos que a polícia militar é para os jornais um dos topos da pirâmide de fontes oficiais. Esse problema é do jornalista? Não. No entanto, confrontar informações e ouvir o máximo de fontes possíveis evita que vidas, não estou me restringindo apenas a vidas negras, sejam possivelmente destruídas por um setor que deveria estar a serviço da população, assim como a própria polícia.”, acredita ela.

Para I’sis, se um jornalista não se encoraja a fazer além do que os modelos impõem, fatalmente os profissionais estarão fadados a repetição destes termos, onde apenas as notas da assessoria da polícia são consideradas como fontes. Ela também acha imprescindível que antes de ser publicado qualquer conteúdo no jornal é fundamental ouvir todos os lados da história, o que na opinião dela não acontece com tanta frequência quanto ela gostaria.

Este é um ponto de vista que parece ser compartilhado com Diogo, autor da pesquisa. Ele acredita que o jornalista necessita entender que ao escrever algo que expressa ódio ou preconceito fere os direitos humanos e não cumpre o próprio código de ética que rege a profissão. “É preciso entender que o jornalista possui responsabilidade por aquilo que escreve, e pensar também que aquilo que ele torna público será lido e comentado. Acho importante que o jornalista escute o povo negro, que pergunte as suas versões dos fatos quando eles estiverem envolvidos.” , defende ele.

Por outro lado, ele considera importante também não generalizar e atribuir toda a culpa ao jornalista. Para ele as empresas de comunicação também ajudam a reforçar preconceitos quando não ofertam as condições mínimas necessárias para que o jornalista apure a pauta como deve ser apurada e principalmente quando acreditam na versão da polícia como uma verdade inquestionável.

O que os jornalistas têm a dizer?

Com quatro anos de redação, o jornalista e militante do movimento negro Yuri Silva entende que a ausência de pessoas negras em papéis de destaque nas matérias jornalísticas tem muito haver com dois fatores: um histórico e outro sociorracial.  O histórico se dá porque o jornalismo nasce das elites, na França durante a Revolução Francesa. Evento em que a burguesia triunfou. Para ele, o jornalismo nascer nessas condições já diz muito sobre a relação que ele tem com essa classe que se tornou dominante.

O fator sociorracial fica por conta do fato que por muito tempo o ofício de jornalista foi exercido por pessoas brancas e de classe alta, o que automaticamente deixava os negros fora não só das pautas de interesse, mas também das redações já que por muito tempo eram raros os negros que tinham acesso às universidades. Para ele, a situação só melhora quando negros começam a entrar nas redações e mudar um pouco essa lógica quando tomam a iniciativa de falar sobre assuntos voltados à pauta racial o que dá destaque a especialistas negros.

Ele ainda avalia a cena do jornalismo baiano um tanto quanto preconceituosa, já que os negros só obtêm destaque nos jornais em pautas que falam de negritude e movimento negro. “Raramente você vê negros falando sobre medicina, economia, política”, aponta. E isso talvez seja em função de que muitos jornalistas não têm essa preocupação em entrevistar fontes negras, mas sim os considerados melhores especialistas em determinados assuntos. “Pensar assim não ajuda muito porque vivemos em uma sociedade racista em que os considerados melhores especialistas, na grande maioria das vezes, são pessoas brancas e isso dificulta a diversidade de fontes negras nos jornais”.

Iniciativas que podem mudar esta narrativa

Emanuele Pereira é professora de Jornalismo da UNEB

Emanuele Pereira é professora de Jornalismo da UNEB Foto:AcervoPessoal

Cansada da falta de representação de pessoas negras em lugares de destaque no jornal, como na figura de especialistas, a professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Emanuele Pereira propôs a seus alunos que realizassem um mailing apenas com especialistas negros.

A proposta surgiu quando a turma começou a realizar um caderno especial voltado para temáticas étnicas-raciais e notou a dificuldade de encontrar essas fontes. Foi necessário realizar uma pesquisa para encontrar empresários e especialistas negros. “Para a gente não faz sentido realizar um especial sobre a questão racial sem ter o negro falando sobre o assunto”, declarou Emanuele.

Na montagem do mailing foram acionados também alguns veículos de Comunicação da região e hoje o material já conta com mais ou menos 50 fontes. Na lista é possível encontrar advogados, psicólogos, empreendedores, jornalistas e profissionais das áreas de saúde, educação e gastronomia.

Para a professora, esta dificuldade em encontrar especialistas negros se dá porque dentro da própria academia o número de professores, mestrandos e doutorandos negros ainda é muito baixo. Além disso, ela acredita que para os negros e negras é mais difícil conseguir algum reconhecimento em suas pesquisas dentro das universidades. A pretensão de Emanuele é que a versão digital do caderno especial seja apresentada no Fórum Social Mundial e integre a programação do evento.

O jornalista Yuri Silva também tenta dar um jeito de mudar, ainda que aos poucos, essa realidade. “No jornal A Tarde eu tenho tentado pautar e conseguido emplacar, na maioria das vezes, assuntos da pauta racial que eu considero importantes até porque o jornal é quem é responsável por registrar a microhistória”, declarou. Ele ainda cita Cleidiana Ramos, Maíra Azevedo, Meire Oliveira e Fabiana Mascarenhas no jornal A Tarde como grandes contribuintes para inserção da pauta racial na imprensa baiana. O que Yuri chama de “trabalhos de formiguinha” porque pouco a pouco este assunto vem ganhando mais destaque, mas para ele ainda é preciso evoluir muito neste sentido.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021