Tags:, , , , , , , ,

Mercado gay: pink money movimenta U$ 3 trilhões por ano

- 11 de dezembro de 2014

Poder de compra de público LGBT cria nicho de mercado e segmentação

Alexandre Galvão e Naiana Ribeiro

Ir à boate todo sábado é uma forma de divertimento. O passeio, no entanto, traz gastos, além de prazer. O táxi, as roupas de marca, a bebida, a entrada no clube e até a “capinha” colorida do iPhone fazem parte de um mercado muito maior. Para o público formado por lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros, drag queens e simpatizantes (LGBT), a movimentação de dinheiro é ainda maior.

Configurado para atender as necessidades do público LGBT, o pink money (ou dinheiro rosa) une a necessidade de expressar ideias, poder ser e fazer o que quiser com a movimentação de grandes quantias de dinheiro. Segundo a empresa especializada em marketing Community Marketing Inc., o montante está estimado em U$3 trilhões. A empresa acredita também que mais de 400 milhões de pessoas, representantes de 5 a 10% do mercado global de consumo, movimentam o dinheiro rosa ao redor do mundo.

De acordo com a agência de marketing Witeck-Combs, só em 2011 o poder de compra de gays e lésbicas nos Estados Unidos excedeu U$ 835 bilhões. Uma pesquisa de mercado realizada pela agência Out Now revelou que este público contribuirá, até o final de 2014, com cerca de U$ 202 bilhões apenas para a indústria de viagens. Isso mostra que o pink money já passou de um mercado marginalizado para um espaço sofisticado. O levantamento também concluiu que os EUA e o Brasil lideram o mercado de turismo neste ramo, movimentando U$ 56,5 e U$ 25,3 bilhões, respectivamente.

Leia mais
Beco dos Artistas: de point a decadente
Qualquer lugar é lugar: sexo ao ar livre mistura prazer e perigo 
Cinemas de rua: decadência dá lugar à prática sexual no escuro
Baladas gay atraem público LGBT e simpatizantes
Bares e restaurantes atraem público ‘gay friendly’

No entanto, todo esse poder de compra traz uma carga negativa. O pink Money estimula a segregação dentro do público gay, de acordo com o professor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob) e integrante do Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (Cus), Fábio Fernandes. Para ele, o pink money segrega, pois valoriza os modelos de existência heteronormatizados e impõe valores altos a quem quer fazer parte desse “maravilhoso mundo gay” a la The Week/San Sebastian. “Não há um interesse pela diversidade sexual e de gênero. Bichas, sapatas – aqui se apropriando do insulto pra ressignificá-lo -, pessoas trans pobres, pretxs, moradores de favelas, são consideradxs anomalias pelo pink money”, explica.

Pink money no Brasil – No Brasil, o público LGBT também representa um item importante no tocante ao movimento da economia. Segundo o fundador da LGBT Capital, Paul Thompson, o mercado brasileiro faz circular cerca de R$ 300 bilhões. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também mostram o alto poder de compra deste público: cerca de 10% da população brasileira é composta por homossexuais e, desse total, mais de 9,4 milhões são economicamente ativos (potenciais consumidores com poder de compra e renda média individual de R$ 2,5 mil). Segundo o instituto Data Popular, somente em 2013, os mais de 67 mil casais que se declararam gays no IBGE movimentaram mais de R$ 6,9 bilhões.

Segundo a Associação da Parada do Orgulho LGBT (APOGLBT), a explicação para os gastos está na sociabilidade: gays, lésbicas, transsexuais e transgêneros saem mais de casa e ainda gastam mais. A maioria deste público gasta muito porque não tem filhos e consome em benefício próprio. Além disso, os LGBTs prezam pela sofisticação e pelo conforto, por isso, não se incomodam em pagar mais por produtos e serviços de qualidade.

Foto: Matheus Thierry

Points LGBT em Salvador – O mercado LGBT na capital baiana segue uma vertente paradoxal quando comparado à movimentação bilionária que o pink money tem no país. A cidade é marcada, cada vez mais, pelo crescimento de estabelecimentos fechados como points e, sobretudo, pela falta de segurança. Saunas, cabines e boates se reinventam e para tentar resistir ao mercado instável de Salvador.

O editor-chefe do site Dois Terços (especializado em produzir conteúdo para o público LGBT), Genilson Coutinho Pereira, afirma que a instabilidade do mercado soteropolitano é fruto da falta de fidelidade. “As coisas aqui abrem e fecham muito rápido, os clientes não são fiéis. Nos anos de 1980 e 1990 tínhamos alguns pontos mais movimentados com bares e restaurantes na Avenida Carlos Gomes, no Beco dos Artistas e no beco da antiga boate Off. Mas hoje a própria condição da cidade para programas noturnos não é ideal. Uma cidade que às 24h já não tem mais ônibus passando, fica difícil”, constata.

Ainda que não sejam os mesmos pontos de antes, há um mercado forte que movimenta a economia da cidade. “Um estabelecimento – seja boate ou sauna – chega a empregar de 20 a 30 funcionários. Há muitas pessoas envolvidas. A sauna Planetário 11, por exemplo, tem em média 10 funcionários e atrai de 150 a 200 pessoas diariamente. Uma boate como a San Sebastian ou The Hall, recebe em de 400 a 500 clientes em dois ou três dias da semana. Algumas delas chegam a atrair de 2 mil a 3 mil pessoas semanalmente, dependendo da programação. Já as saunas levam de 100 a 300 pessoas por dia”, diz Pereira. Segundo ele, além dos estabelecimentos que estão sempre cheios, existem eventos que atraem o público LGBT, como festas ou pontos como o Largo da Dinha e o Mercado do Peixe.

Já o antropólogo e jornalista Tedson Souza considera que o poder de consumo do público LGBT é mal aproveitado na capital baiana. “Salvador praticamente ignora o pink money. O Centro, que já foi o principal lugar da cena LGBT soteropolitana, hoje é marginalizado por uma série de questões, mas, sobretudo, porque é um lugar predominantemente negro e periférico”, afirma. Para Souza, é preciso profissionalizar o mercado, pois há uma falta de visão e um preconceito por parte do poder público e dos empresários. Segundo ele, a questão racial ainda é predominante. “Por que uma boate de hoje que fica na Orla do Rio Vermelho ou da Barra é bem recebida e tem um público alto? É a lógica do público branco de classe média. Até mesmo no ‘mundo gay’ tem segregação”, desabafa.

Ainda assim, ambientes específicos para o público LGBT existem há algum tempo e continuarão existindo, de acordo com Genilson Coutinho Pereira. “Nesses points e estabelecimentos, sobretudo no caso de saunas e cabines, há a questão da liberdade. Você não precisa ter maiores preocupações: vai ser bem recebido e ainda pode fazer coisas que não faria em outros lugares”, garante.

O Impressão Digital 126 fez um apanhado dos principais points LGBT em Salvador. Confira abaixo no infográfico:

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021