Tags:, , , ,

Menina de Ouro: A pugilista que pôs o preconceito na lona

- 2 de março de 2017

Sérgio Loureiro e  Daniel Oliveira | Fotos: Acervo Pessoal de Adriana Araújo

Aos 17 anos, Adriana Araújo recebeu o convite inusitado para treinar em uma academia de boxe. De início, rejeitou.“Eu dizia: ‘você é maluca, fica aí fazendo boxe. É muito agressivo’”. Cinco meses depois, foi fazer um teste. O objetivo – que a fez reconsiderar a proposta inicial – era apenas perder peso. Em pouco tempo havia ganho oito quilos. Nem pensava em se profissionalizar ou sequer tornar a experiência duradoura.

“Em sete meses o professor Rangel Almeida perguntou se eu queria lutar. Ele percebeu o meu envolvimento, coragem e talento. Não era o meu interesse, mas disse que se ele me colocasse eu iria”, conta a pugilista, medalhista de bronze na Olimpíada de Londres, em 2012. A condecoração foi a centésima do Brasil na história dos Jogos.

Após três anos na escola de Rangel, mudou para a renomada Academia Champion, de Luiz Dorea, localizada na Cidade Nova e conhecida como celeiro de talentos do boxe brasileiro. “Eu fui aprendendo a gostar. E ali eu poderia ganhar mais conhecimento tanto com o treinador quanto com os novos colegas, que já participavam de torneios”, explica.

Moradora de Brotas, a pugilista queria seguir na nobre arte (forma elegante como o boxe é chamado entre seus adeptos). Mas, para isso, teve que vencer a resistência de familiares e amigos. Para completar, a mãe era incisiva ao demonstrar a contrariedade com a escolha da filha. “Ela falava muito que não era esporte para mulher, que eu deveria sair”.

Adriana Araújo com o professor Tarcisio Neri na Academia Champions

Na infância, Adriana jogava bola nas ruas do bairro. “Eu era moleca! Desaforada. Sempre brinquei fazendo esportes que eu considerava masculinos. Era amante de futebol, os meninos me chamavam para armar o time deles. Quando tinha uns 15 anos cheguei a jogar no Vitória”, diz Adriana.

O seu motivo do abandono do futebol é o mesmo de muitos jovens promissores no esporte, que logo precisam trabalhar para ajudar financeiramente em casa. No caso das modalidades femininas, o retorno financeiro é ainda mais difícil. “Não tinha ninguém que pudesse me ajudar, tive que correr atrás. Estudava e trabalhava”.

Adriana fala que, mesmo no futebol, sempre tratou com naturalidade sua presença em um esporte “considerado masculino”. “Além disso, era uma modalidade marginalizada”, completa. O foco continuava preciso: chegar à seleção — o que, de fato, viria a acontecer.

Disputar uma edição dos Jogos Olímpicos parecia um sonho próximo, em 2008, acalentado pela possibilidade inédita da inclusão do boxe feminino no quadro geral de competições. No entanto, para seu azar (ou sorte), o anseio não se confirmou em Pequim. Só  quatro anos anos depois, quando a modalidade finalmente estreou em Londres.

Experiência

Esse intervalo de tempo fez Adriana, aos 31, mais experiente. “Quando eu cheguei em Londres, já estava com o cartel recheado de experiências e  representava o país desde 2005 com várias conquistas, como nos Jogos Pan Americanos”.

Ainda assim, nos instantes iniciais da competição, vestir o uniforme da delegação brasileira pesou. “No começo eu não tinha nem noção de que estava em uma Olimpíada”. Forjada em treinamentos que costumam ser mais árduos do que as lutas propriamente ditas, Adriana permanecia confiante nas conquistas.

Ela avançou até as semifinais na categoria leve (até 66 kg), quando foi derrotada pela russa Sofya Ochigava, vice-campeã do mundo, por 17 a 11. Caso vencesse poderia disputar a cobiçada medalha de ouro. Como por regra o boxe não prevê disputa de terceiro lugar, Adriana ficou automaticamente com o bronze e garantiu seu lugar no pódio.

Após o triunfo bronzeado, a baiana conta, surpresa, do tamanho da repercussão do feito — catapultada pelo fato de ser a centésima medalha brasileira, em contagem que começou em 1920, nos Jogos da Antuérpia (Bélgica).

“Recebi muitas mensagens de mulheres, muitos elogios de ex-atletas, outras relataram que passaram a se interessar pelo esporte, que pretendiam iniciar no boxe”.

Adriana Araújo treina para manter a forma em novo desafio

Por trás do ringue

Infelizmente, no entanto, o atleta profissional vive de altos e baixos. Para Adriana a fase de declínio começou em 2013, um ano após sua maior conquista. “Briguei com a Confederação, fui afastada e fiquei dois anos longe dos ringues. Isso prejudicou cerca de 90% da minha carreira”.

Sua divergência foi com o presidente da Confederação Brasileira de Boxe, Mauro Silva, que sucedeu  Luiz Carlos Boselli, dirigente ligado a Dórea e à Confederação Baiana de Boxe. Adriana queria continuar treinado na Bahia com seu tutor, mas o novo mandatário achou por bem todos os pugilistas se prepararem em São Paulo.

Quando chegaram os Jogos do Rio, ela estava impedida de treinar na Bahia. O que, avalia, foi um desfalque em sua preparação. “A Bahia é o principal centro de especialização do boxe, claro que faz falta”.

Segundo ela, havia uma espécie de descrédito com a Confederação, pois “os técnicos nunca foram a favor de baianos na seleção, por eles todos os baianos ficariam de fora”. Era uma briga dentro e fora dos ringues. Adriana foi punida por ter tomado a briga para si. “Quando baiano faz sucesso, incomoda”, dispara.

O que não começou da forma ideal, terminou de maneira triste. Decepcionante, talvez. A derrota na estreia, lutando em casa, para a finlandesa Mira Potkonen custou seu ‘adeus’ prematuro no boxe olímpico.

Adriana saiu de cabeça erguida e com críticas pertinentes aos critérios usados na avaliação do combate. “Para mim, com toda minha experiência, ou até um leigo, é claro que minha pontuação foi muito nítida em relação a minha oponente. Sei que ela é uma atleta muito boa, mas eu fui melhor na luta. Bati muito nela. Mas eu perdi, não para ela, mas para a arbitragem”.

Foram afastados mais de 17 árbitros na Rio-2016 por conta de resultados duvidosos. A maioria dos árbitros é europeu ou asiático e a queixa de Adriana é que “eles puxam muito para os atletas deles”.

Volta por cima

Agora, aos 35, aposentada do boxe olímpico, Adriana segue na ativa. Logo após sua precoce eliminação, ela recebeu convite para ingressar no MMA, mas optou por seguir carreira no seu esporte, mas agora no pelotão profissional.

“Continuo treinando para fazer a estreia no boxe profissional, estou em recuperação de uma cirurgia articular no ombro esquerdo, por isso ainda sem previsão de data de estreia. Vou ficar muito feliz em representar a Bahia e o Brasil no boxe profissional”.

Quando olha para trás, Adriana não hesita: seu maior legado não é a medalha de bronze nas Olimpíadas, mas sim o papel que representou na evolução do esporte e na afirmação das mulheres no boxe. “Comecei custeando minhas passagens até conseguir grandes patrocínios. Hoje, graças às nossas conquistas, quem começa já tem um suporte melhor”. No entanto, ela ressalta que os homens prevalecem tendo mais vantagens ante às mulheres.

Mas não se resigna e avisa: “aos poucos as mulheres vão conquistar seu espaço que é de direito”.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021