Tags:, , , ,

Mapeando a diversidade linguística

- 6 de julho de 2014

Gislene Ramos e Renata Farias

Do Oiapoque ao Chuí. 250 cidades. 257,851 quilômetros. Essa foi a distância percorrida pelo grupo de pesquisadores do Projeto Atlas Linguístico Brasileiro (ALiB) para o mapeamento dos diversos falares em língua portuguesa nas regiões do país.

A diretora e presidente do projeto, a professora Suzana Cardoso, conta como foi e está sendo o processo de construção do Atlas. O projeto busca mostrar um panorama de como está a língua português no Brasil, nos diferentes níveis. “Nosso objetivo é fornecer uma descrição da língua portuguesa no Brasil, mostrar qual é a realidade nesse momento”, explica Cardoso.

Em novembro de 1996, o processo foi iniciado. A partir da constituição de um comitê nacional com pesquisadores que já haviam produzido Atlas ou que estavam em processo de produção de algum. Esse comitê ficou sob a coordenação da Bahia com a professora Suzana e a diretora executiva e professora Jacyra Andrade.

“Formado o comitê, começamos a trabalhar no projeto, onde foram definidos os objetivos, justificativas, cronograma etc. E passamos a trabalhar nos instrumentos necessários para a pesquisa: a elaboração dos questionários, dos princípios de escolha dos informantes e nos princípios que definiriam a rede de pontos”, explica Suzana.

Leia mais
Dicionário baianês: coletando falares baianos
Armaria, preconceito nãm

Procedimentos metodológicos – Ao todos foram 210 cidades, entre capital e interior, e deles foram documentados falantes homens e mulheres de 18 a 30 e de 50 a 65 anos, com formação universitária nas capitais e fundamental nas regiões do interior. Outro princípio de escolha era que a pessoa deveria ser nascida na localidade, filha de pais da localidade e que não tivessem se afastado por mais de 1/3 de sua vida, nem o primeiro da vida nem o mais recente. Por exemplo: uma pessoa de 30 anos não pode ter morado fora da região nos primeiros anos de vida, nem nos últimos 10 anos até o momento da entrevista. “Parece algo simples escolher oito pessoas em cada cidade para aplicar um questionário, mas não é tão fácil assim, pois quando você vai controlar todas essas variáveis é o que dificulta o processo”, conta. Todo esse material era gravado para análise posterior.

A pesquisa parte da aplicação de um questionário linguístico para que se possa ter dados inter-comparáveis sobre fonética e pronúncia. Um questionário semântico-lexical apura as diferentes denominações, como por exemplo, a “bala de chupar” também é “confeito”, “bombom”, na outra região é “queimado” e assim por diante. Um questionário morfossintático, para perceber onde predominam, por exemplo, o uso do tu, o você. Os informantes fazem ainda uma leitura de um texto e também contam algum fato de sua vida. A intenção é que o discurso seja livre, direto, sem interferências e de forma mais espontânea. “É a mesma língua, mas em cada área é realizada de maneira diferente”, explica.

Uma das intenções do projeto é contribuir para o entendimento da língua portuguesa no Brasil como instrumento social de comunicação. A partir desse conhecimento da realidade linguística do país, sobretudo do Nordeste, pode-se diminuir o preconceito linguístico com uma compreensão mais social da língua. É um longo processo e, conforme a professora Suzana costuma dizer, “quando a gente termina um Atlas é que começa todo o trabalho”.

Ciência e Tecnologia

Em defesa da ciência

Sal e álcool ajudam mesmo gelar a cerveja mais rápido? “A ciência explica”, diz o clichê. Neste 8 de julho, no entanto, a ciência dá uma pausa nas explicações para comemorar. Por força das leis 10.221/2001 e 11.807/2008, a data marca o Dia Nacional da Ciência e o Dia Nacional do Pesquisador. Pensados como uma […]

Thiago Freire - 9 de julho de 2018

Comportamento

Brasileiros abusam do humor dos memes em momentos de tensão

Ultimamente esse ditado popular não parece fazer muito sentido para os brasileiros, pois eles fazem questão de provar que uma coisa não elimina a outra através da produção de memes. Se é trágico, pode ser muito cômico, sim! No final de maio deste ano, os caminhoneiros pararam o Brasil com uma greve que durou mais de […]

Rafaela Souza & Victor Fonseca - 3 de julho de 2018

Empreendedorismo na Bahia

Empreendedorismo baiano: Yes, nós temos tecnologia

Em sua segunda edição na Bahia, que aconteceu entre os dias 17 e 20 de maio, a Campus Party (CPBA) reuniu, além de palestrantes, cientistas e apaixonados por jogos e inovações, uma série de pessoas que resolveram empreender e mostrar seus projetos no espaço Startups & Creators. O espaço possibilitou que vários empreendedores apresentassem ao […]

Rafaela Souza, Victor Fonseca - 11 de junho de 2018

Educação

Bahia tem segundo menor investimento em educação por aluno

A Bahia tem o segundo menor investimento por aluno da rede estadual do Brasil. Em 2017, o estado investiu apenas R$ 3.837,51 por aluno da educação básica. Entre os 13 governos estaduais que declararam o investimento em educação básica de 2017 ao Governo Federal, apenas o Pará gastou menos com cada aluno: R$ 3.626,41. O […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 6 de junho de 2018

Palhaçaria

Entrevista com Jonatas Campelo

Ainda não era noite, mas a Casa de Artes Sustentáveis (CAS) já estava em ritmo acelerado. Hoje tem espetáculo? Tem sim, senhor! Até parece um reforço de um bordão que nos remete à magia do circo, mas, sim, em 29 de junho, o artista circense Jonatas Campelo, 30, não se preparava apenas para o espetáculo […]

Cristiana Fernandes - 22 de julho de 2018

Justiça

Metade dos presos na Bahia não foram julgados

Um dos grandes desafios do sistema carcerário brasileiro na atualidade é a quantidade de presos provisórios que o integram. A morosidade do judiciário e a política de segurança pública voltada para encarcerar colaboram com a situação daqueles que sequer tiveram direito a um julgamento e uma condenação, mas foram privados de liberdade. Por meio do […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 9 de julho de 2018

Copa

Copa nas ruas

O mês de junho, tradicionalmente, é um mês de festa na região Nordeste. Os festejos da época para as comemorações dos dias de São João (24) e São Pedro (29) deixam as ruas da capital e do interior mais enfeitadas. As portas das casas, as avenidas, as calçadas, todas são cobertas com as decorações típicas […]

Luís Felipe Brito, José Cairo e Felipe Iruatã - 3 de julho de 2018