Tags:, , , ,

Literatura de cordel influencia aspectos constitutivos do Nordeste

- 6 de julho de 2014

Thalita Lima e Jéssica Nascimento

O Nordeste é o melhor lugar para se contar as histórias. Na região, encontramos as lavadeiras do rio que levam as bacias de roupa na cabeça, a rezadeira da novena de Santo Antônio, as famílias clamando ao céu uma nuvem carregada de chuva, o repentista com viola na mão, o sertanejo e as rodas para dançar baião. O cordel reúne esses causos rimados em versos e impressos num folheto preto e branco.

A literatura de cordel chegou no Brasil na época dos portugueses. Por muito tempo, no século XIX, foi considerada como “literatura menor”. Mas essa linguagem se espalhou e encontrou seus maiores poetas no Nordeste, como Patativa do Assaré (CE), Manoel Monteiro (PB), Bule Bule (BA), Mestre Azulão (PB), Cego Aderaldo (CE), entre outros.

Leia mais
Peleja do cordel continua pelas capitais nordestinas
Cordel influencia artistas de outras linguagens

O pesquisador brasileiro de cordel, Marco Haurélio, explica que a inclusão de histórias do universo nordestino foi o que caracterizou a literatura como dessa região. “O fato mais importante para a definição de uma poética popular nordestina (e, consequentemente, brasileira) é a inclusão da gesta do gado e da gesta cangaceira entre os temas principais”, ressalta.

Na Bahia, um dos nomes mais expressivos do cordel é Antônio Ribeiro da Conceição, ou simplesmente Bule Bule. Poeta há 46 anos, ele diz que os folhetos de cordel mais duradouros são aqueles que falam de assuntos e figuras que o nordestino se identifica. “Para o homem do sertão, interessa Lampião, o vaqueiro, padre Cícero, frei Damião, Irmã Dulce, coisas que ele sabe da existência e do valor”, diz.

Sou poeta das brenha, não faço o papé
De argum menestrê, ou errante cantô
Que veve vagando, com sua viola
Cantando, pachola, à percura de amô

Não tenho sabença, pois nunca estudei
Apenas eu seio o meu nome assiná
Meu pai, coitadinho! Vivia sem cobre
E o fio de pobre não pode estudá

Meu verso rastero, singelo e sem graça
Não entra na praça, no rico salão
Meu verso só entra no campo e na roça
Nas pobre paioça, da serra ao sertão

Poeta da roça, de Patativa do Assaré, maior poeta popular do Ceará

Além dos enredos sobre o contexto do campo, como contado no trecho dessa obra de Patativa do Assaré, alguns cordelistas apostam em assuntos mais complexos e atuais. Marxismo e capitalismo, a filosofia do Mito da Caverna, Nelson Mandela e a luta pelo apartheid, biografias de figuras ilustres da história e até as manifestações de junho no Brasil foram tema para os versos de Medeiros Braga, cordelista da Paraíba.

Porém, a grande surpresa
Surgia mais varonil
Jovens foram para as ruas
Em um ambiente hostil
Levantando, alvissareiro,
O seu grito de guerreiro
Para mudar o Brasil
[…]
Havia na multidão,
Que ao poder assombrou,
Um cartaz que afirmava
Que “O Gigante Acordou!”
Dizia um outro, sem truque:
“Saímos do Facebook!”…
E a marcha confirmou.

 As manifestações de junho – vinte centavos que mudaram o Brasil, de Medeiros Braga (PB)

Com um stand durante um evento na Universidade Federal da Paraíba, o poeta mostrou que o cordel pode tratar de temas contemporâneos e ficar atento aos fatos históricos e às mudanças sociais. “O mundo está destroçado e não há outra força de consertá-lo, senão através da educação política do povo”, diz o poeta paraibano, para justificar a escolha de temas atuais nos cordéis.

O cordel foi  fundamental para a formação de um público leitor numa época em que a educação formal não chegava aos grotões”, afirma o pesquisador de cordel Marco Haurélio

Para Medeiros, a diversidade temática acompanha as mudanças sociais. “A onça no pé da serra deu lugar à universidade que bem pertinho chegou; o matuto lá em cima foi substituído, por um homem novo, mais desengonçado, mais falante, mais conhecedor das coisas. Em cima da serra hoje se encontra o jovem que à tardinha pega o transporte escolar e vai assistir aula nos mais diversos graus de ensino. Por conta disso mudou também o cordelista”.

Além dos cordelistas e poetas populares da terra, outros nomes conhecidos da literatura no Brasil foram influenciados por esse estilo: José Lins do Rego, Dias Gomes, Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto, Rachel de Queirós, Ferreira Gullar, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Ariano Suassuna.

Para o pesquisador Marco Haurélio, o cordel contribui não só para marcar uma literatura regional, mas provocou efeitos culturais, sociais e políticos. “O cordel, principalmente em seus primeiros anos, foi de fundamental importância para a formação de um público leitor numa época em que a educação formal não chegava aos grotões”, diz.

Matemática do cordel – Aquela ideia de poesia como pura construção de versos rimados não cabe ao cordel. Há muita matemática: tem a quadra (estrofe de quatro versos), sextilha (seis versos), septilha (sete versos), martelo (estrofes formadas por decassílabos), quadrão (os três primeiros versos rimam entre si, o quarto com o oitavo e o quinto, o sexto e o sétimo também entre si), entre outros.

“A estrofe básica do cordel é a sextilha setissilábica. Depois vem a septilha e, em escala bem menor, as décimas de sete e dez sílabas”, explica Haurélio. Ele acredita que os bons poetas conseguem se expressar em todos os estilos, mas alguns acabam não dando fluência e terminam a linha com uma preposição ou artigo.

Para Bule Bule, a estética do cordel é baseada muito em quem faz. “A tradição é o tamanho de 12×16 (formato do folheto). Outra coisa básica é que o cordel de 8 páginas, sendo de sextilha, pode chegar até 40 estrofes; sendo de septilhas, normalmente 32 estrofes; sendo de dez versos, você faz 24 estrofes por 8 páginas. E você vai multiplicando o múltiplo de 4. A partir de 32 é romance”, finaliza.

Meditação

Meditação ao alcance de todos

A meditação traz benefícios à saúde e é fácil de praticar; veja como e onde começar Por Ariadiny Araujo, Daniel Cheles e Raquel Saraiva Sentar em posição confortável, manter-se em silêncio, com a coluna ereta e prestar atenção na respiração. Para quem nunca tentou, meditar pode parecer fácil. Para quem pratica, às vezes é até […]

Ariadiny Araújo, Daniel Cheles, Raquel Saraiva - 6 de novembro de 2018

Universidade para todos

A universidade é para todos

Projetos sociais preparam alunos de baixa renda para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) Ingressar no ensino superior, especialmente em uma universidade pública e, é o sonho de grande parte dos jovens que concluem o ensino médio. Entretanto, o acesso a esse nível de ensino, sobretudo para pessoas menos favorecidas socioeconomicamente, nem […]

Alana Bittencourt, Daniel Brito e Filipe Oliveira - 27 de novembro de 2018

Atividades Físicas

Atividades físicas e millennials

Por Marianna Jorge, Melissa Pereira e Rebeca Bhonn.  Quem nasceu entre o início da década de 1980 até meados da década de 1990 é conhecido por setores de marketing como os millennials. Também chamados de geração do milênio, geração da internet ou geração Y, eles se tornaram fruto de pesquisas para gestão de negócios em […]

Rebeca Bohn, Mariana Jorge, Melissa Altahona - 27 de novembro de 2018

Refugiados

Venezuelanos tentam uma nova vida no Brasil

Fugindo de uma grave crise político-econômica, aproximadamente 200 venezuelanos tentam uma nova vida na Bahia Deixar para trás sua residência e seu país de origem não é uma decisão fácil. O drama é ainda maior quando o êxodo é, na verdade, uma fuga. Por conta de uma grave crise sócio-econômica, milhares de venezuelanos têm fugido […]

Cristiane Schwinden e Levy Teles - 27 de novembro de 2018

crise

Kate White: a escola para princesas à beira do fim

Numa das vias mais movimentadas de Salvador, a Rua Carlos Gomes, o letreiro colorido de branco e vermelho acima de um muro bege anuncia a lembrança de um passado. Entre as décadas de 40 e 70, era sob aquela placa que passavam as jovens abastadas da cidade. Uma vez atravessada a pequena porta azul, seguia-se […]

Fernanda Lima e João Gabriel Veiga - 27 de novembro de 2018