Tags:, , , ,

“Já ganhamos R$ 60 mil com aplicativos”, diz dono da RoDen Apps

- 16 de julho de 2013

Desenvolvedor independente conta que ganha R$ 1.800 por mês com apps, mas sugere que programadores prefiram trabalhar em grandes empresas

Renato Alban e Thais Borges

Desde 2009, o programador Rodrigo Rocha, 28 anos, já ganhou R$ 60 mil com o desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis. Ao lado da esposa, a designer gráfica Denise Vaz, 28, ele criou a RoDen Apps e fez 13 apps. O último foi o Cifra+, lançado em 2011. “Criar e vender os próprios apps, como eu fiz, não é o caminho mais seguro para ganhar dinheiro na área”, garante Rocha. Hoje, os dois trabalham na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Rocha como analista de TI no Centro de Processamento de Dados e Denise, arquiteta na Superintendência de Meio Ambiente e Infraestrutura.

Impressão Digital 126 – Como começou a produzir aplicativos?  

Rodrigo Rocha – Gosto de programar desde os 11 anos. Quando vi na revista Veja a história de Renato Pessanha, desenvolvedor brasileiro que ganhou US$ 10 mil em quatro meses com um jogo de forca, vi a oportunidade de ganhar dinheiro fazendo o que gosto.

ID 126 – Como se deu sua inserção no mercado de apps?

RR – Na época do Sopa de Letrinhas (primeiro app de Rodrigo), eu e Denise vivíamos de bolsa de estudos. Eu recebia bolsa de doutorado, na época R$ 1.800, e Denise, de mestrado, na época R$ 1.200. Juntando as duas bolsas, conseguíamos nos manter, mas a bolsa de Denise acabaria no início de 2010 e vi nos apps uma oportunidade de compensar a queda na receita. E deu certo. Se não fossem os apps, teríamos que dividir os estudos com algum emprego ou com freelancers, que certamente demandariam muito mais tempo. Embora viver unicamente de apps nunca tenha sido nosso plano A, em diversos momentos eles geraram mais receita do que a bolsa de doutorado, nossa fonte de renda primária na época, e viabilizaram nossa dedicação à carreira acadêmica.

ID 126 – Como foi o processo de criação do Sopa de Letrinhas?

RR – Foi difícil porque muitas coisas eram novas para mim, como a linguagem de programação usada para escrever os apps e o próprio iPhone, que na época eu não tinha. Para me cadastrar como desenvolvedor de apps para iPhone, precisei enviar um fax para a Apple nos Estados Unidos. Comprei um Macbook, um iPod touch e paguei a assinatura de desenvolvedor (U$ 100,00), totalizando cerca de R$ 3.500 de investimento. Como o mercado de apps ainda era recente, precisei discutir com minha esposa, a designer gráfica do Sopa de Letrinhas, diversos aspectos do jogo, desde o tamanho das letras (que não podiam ser muito pequenas devido à interação com os dedos) até se o jogo deveria rodar no modo retrato (iPhone em pé) ou paisagem (iPhone deitado). A experiência após o lançamento também teve percalços. Escrevi um texto sobre isso. Só conseguimos recuperar o investimento cerca de seis meses após o lançamento do Sopa de Letrinhas.

ID 126 – Até agora, quantos aplicativos já criou?

RR- São três aplicativos principais: o Sopa de Letrinhas, o Dicionário Portátil e o Cifra+. Se contar diferentes versões dos aplicativos (diferentes línguas, versão paga e versão gratuita), são 13 aplicativos.

ID 126  Tem como se manter fazendo aplicativos? Já é uma opção de carreira viável ou ainda é muito instável?

RR – A renda mensal é de R$ 1.800, em média. É uma ótima renda extra para uma pessoa, mas não seria suficiente para manter uma empresa, por exemplo. Além disso, considero que tive sorte: conheço desenvolvedores que ganharam muito menos fazendo seus apps.  Mas criar e vender os próprios apps, como eu fiz, não é o caminho mais seguro para ganhar dinheiro na área. Muitos desenvolvedores têm ganhado um bom dinheiro fazendo apps para empresas.

ID 126 – Desde que começou a desenvolver aplicativos, quanto já ganhou?

RR – Desde que começamos, em dezembro de 2009, ganhamos R$ 60 mil, até o final do ano passado.

ID 126 – Já há muita gente fazendo apps em todo o mundo. Como se inserir nesse mercado competitivo e ficar no topo das listas dos mais baixados?

RR – Hoje o mercado é muito mais competitivo do que quando comecei. Tirando apps de grandes empresas que dominam as listas dos mais baixados, a maioria dos que chegam às primeiras posições da lista não se mantêm por muito tempo. Fazer promoções, reduzindo momentaneamente o preço de um app, é sempre uma estratégia efetiva a curto prazo.

ID 126 – Quais estratégias já usou para promover seus apps?

RR – Até o momento já fiz duas promoções com o Dicionário Portátil, reduzindo o preço de US$ 2,99 para US$ 0,99, o que significa 66% de desconto. Na primeira vez, a promoção durou uma semana. Durante essa semana, o app vendeu quase seis vezes mais unidades – a receita foi quase duas vezes maior do que o normal. Com isso, o app saiu da 61ª posição do ranking geral da App Store brasileira para a segunda posição. A visibilidade maior devido ao ranking garantiu uma receita 60% maior na semana após a promoção. Na segunda vez, a promoção foi organizada por um blog especializado em iPhone e durou apenas um dia – 7 de setembro de 2011 –, durante o qual o blog divulgou as promoções. Novamente, o desconto foi de 66%. No dia da promoção, o volume de vendas foi quase 33 vezes maior do que o normal – a receita cresceu cerca de 11 vezes. Nos sete dias após o término da promoção, a receita foi duas vezes maior que o normal.

ID 126 – E para fazer a divulgação dos apps?

RR- Na época do Sopa de Letrinhas, pedi para dois sites brasileiros especializados escreverem resenhas sobre o app, e os dois atenderam o pedido. Depois lancei uma versão em inglês, ABC Alphabet Soup, e contactei 15 blogs estrangeiros. Nenhum respondeu. Essa dificuldade de conseguir divulgação é uma das barreiras para fazer sucesso no mercado externo.

Leia mais

“Está faltando alface”, diz a geladeira

Criadores autônomos de apps disputam espaço com empresas

Da geladeira para a balança: viciados contam como apps interferem em suas vidas

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021