Tags:, , , , , , , ,

Hip hop, dança, machismo e luta: conheça a b-girl Ceia

Rafaela Fleur e Yumi Kuwano - 31 de janeiro de 2018

Nascida em Porto Alegre, ela já foi quase assassinada por conta do machismo. Hoje, luta contra ele levando arte e feminismo para o mundo em suas competições

Claudisséia Santos, 36, é, antes de tudo, mulher.  Não apenas mulher, mas mulher brasileira. Conhecida como B-Girl Ceia, é dançarina de break há 11 anos e já rodou o Brasil inteiro, bem como boa parte do mundo, espalhando sua arte. Em meio a sua trajetória, esbarrou no machismo. Esbarrou não, foi espancada por ele, esfaqueada e quase assassinada pelo marido, durante os 10 anos de relacionamento. Nascida em Porto Alegre, Ceia não gostava de dança desde pequena e nem começou por influência dos pais. Nada de roteiro pré-definido. Foi, como dizem os céticos, por acaso. Há também quem chame de destino.

Com um nome já consolidado na cena do break, é difícil encontrar dançarinas que não a conheçam. Aos quase 12 anos de carreira, ela já representou o Rio Grande do Sul em diversas competições nacionais. E já ultrapassou as fronteiras brasileiras. “Cheguei no hip hop só em 2006 e mesmo assim fui pioneira em muitas coisas. Consegui sair do país e competir lá fora”, comenta emocionada. A competição a que se refere é o Top B-boy, uma das mais importantes premiações de break do mundo, que aconteceu no ano de 2012, em Santiago, no Chile. Ela era a única brasileira na competição e foi a primeira do país a chegar lá.

Outro marco importante foi sua participação no Batom Battle, em 2015, um evento em que pela primeira vez o break foi protagonizado apenas por mulheres. “Acabei saindo porque, depois de um tempo, homens começaram a participar”, confessa.

A artista conquistou um lugar importante no hip hop e no feminismo (acervo pessoal)

O início

Ao saber de uma oficina de hip hop, Ceia se interessou em levar os seus três filhos para participarem mas quem se apaixonou pela dança foi ela. Com quatro meses frequentando, entrou para a Restinga Crew, grupo de hip hop da periferia de Porto Alegre. Aos 26 anos, a jovem nunca tinha tido experiência com nenhum outro tipo de dança na vida. “Eu só queria aprender alguns passos de dança, mas quando notei que o grupo era composto por 15 homens e só uma mulher, questionei o motivo”. A resposta foi o incentivo que precisava: “era uma dança muito difícil para mulheres”, disse. E foi aí que decidiu começar a carreira. “Eu, que sofri violência doméstica por anos, dei risada da resposta. Isso não é nada para mim”, acrescenta. E basta conhecer um pouco dessa história para concordar com ela.

Violência doméstica

O dia tem 24 horas. Em cada uma delas, 503 mulheres, aproximadamente, são agredidas no Brasil, segundo dados do Instituto Datafolha em 2017. Ao total, são mais de 12 mil por dia. Durante 10 anos, Ceia fez parte dessa estatística. Foram 36 ocorrências e 3 tentativas de homicídio. Além dos murros, tapas e empurrões, facadas também estão na lista. Tudo isso, com três crianças envolvidas. “Quando decidi me separar, ganhei a guarda das crianças e ele foi proibido de vê-las”, relata. A última notícia que teve do ex-marido foi em 2016, através da irmã dele. Depois disso, o criminoso, que também tinha relação com o tráfico de drogas, desapareceu.

Restinga Crew

A relação da b-girl com o grupo durou quatro anos. A saída aconteceu quando ela percebeu que estava sendo boicotada pelos próprios colegas. “Resisti o tempo inteiro, nos dois primeiros anos não ganhei um real dançando, foi muito difícil. A minha família era totalmente contra, e eu entendia que fossem, menos a minha crew”, desabafa a artista que enfrentou julgamentos da família, principalmente de sua mãe, com quem hoje tem uma relação mais tranquila. Ela também diz que sua opinião nunca era levada em conta nas decisões do grupo e que sempre era subestimada. Foi aí que ela decidiu abandoná-los para treinar sozinha e trocou o estúdio pela cozinha de sua casa.

Durante o tempo que passou na crew – nome dado aos grupos de dança – ela se apresentou em uma escola. Dois anos depois, foi convidada pela diretora para dar oficinas de dança para as crianças. Profissionalmente, isso abriu muitas portas. “Logo eu estava em outra escola no bairro, depois me chamaram para dar aulas em outras regiões, na Zona Norte, Zona Leste. Fiz a minha rotina e comecei a me manter financeiramente”, conta.

Ao sair da Restinga Crew, passou a frequentar outros grupos, mas não entrou em nenhum, só participava dos treinos. A dançarina diz que percorrer outros espaços foi muito importante para seu desenvolvimento profissional. “No momento que conheci outras crews, com outros estilos, de fato construí a minha dança. Cada um tem um perfil muito diferente e conhecer outros agregou ao meu trabalho”, explica.

(Acervo pessoal)

 

Feminismo

Rap, break e grafite. Para a artista, esses são os três elementos do hip hop. Além do gênero, outra coisa em comum: machismo. “Lá no final de 2008 percebi que a participação da mulher na cultura hip hop era muito importante, entrei em projetos e me tornei militante”, afirma. Desde então, quando se deu conta que estava inserida em um espaço predominantemente masculino, ela se considera feminista. “Nunca fomos protagonistas, hoje o cenário é um pouco diferente, evoluímos de certa forma, mas na hora que a mulher começa a ter um posicionamento mais forte dentro do hip hop, o machismo aparece”, observa .

Hoje, Ceia faz parte da Frente Nacional Mulheres no Hip Hop e participa ativamente do coletivo, que busca fortalecer políticas públicas de gênero. Além disso, é líder comunitária do seu bairro, que fica na periferia de Porto Alegre. “Ficamos em cima da prefeitura. Nos preocupamos muito com a segurança e com infraestrutura, principalmente por causa das crianças”, ressalta.


Fórum Social Mundial

O Fórum Social Mundial (FSM) é um evento mundial, produzido por movimentos sociais de todos os continentes. Seu principal objetivo é pensar alternativas para uma transformação social global. Esse ano, a 18° edição acontece na capital baiana. “Tenho ido para Salvador uma vez por mês. Já participo há seis edições. Aprendi muito de luta política e social nele”, comenta ela, que faz parte da organização.

O dia 16 está programado para ser o dia da mulher no FSM e a b-girl tem vários planos para a data. Claro que o hip hop não podia ficar de fora. “O hip hop em Salvador é inserido no contexto cultural, porém, ele está fora do contexto social e político,  que é o que o evento trabalha. Eu espero que o Fórum deixe o seu legado na cidade. Vai ser um divisor de águas”, observa.

Com o tema “Resistir é Criar, Resistir é Transformar”, o Fórum Social Mundial acontece entre os dias 13 e 17 de março, na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como força principal os braços. Fora das águas, no entanto, […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurança

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021