Tags:, , , ,

“Gosto de pagode. Acho gostoso como gênero”

- 11 de março de 2013

Paulo Miguez faz uma análise sensata do pagode baiano e afirma que o duplo sentido presente nas letras é oriundo de uma tradição do cancioneiro nacional

Raulino Júnior

Paulo Miguez, professor da UFBA | Crédito: Lucas Seixas

 

 Paulo Miguez tem 58 anos, é doutor em Comunicação e Culturas Contemporâneas, professor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) e do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal Bahia. O estudioso é referência quando o assunto é música baiana e o carnaval de Salvador. Nesta entrevista, ele se debruça sobre o pagode baiano e coloca as suas impressões acerca do gênero.

Impressão Digital 126 – O que, em sua opinião, contribuiu para ascensão de grupos de pagode como o É o Tchan dentro do mercado brasileiro de música?

Paulo Miguez – Acho que a própria ambiência do carnaval explica isso, que é o lugar onde eles surgem e que vão aparecer para o Brasil e para o mundo. O sucesso do carnaval explica muito o sucesso desses grupos. No finalzinho dos anos 80, o carnaval baiano sofreu um processo de transformação, que ganhou musculatura no início dos anos 90. Logo na sequência, esses grupos de pagode explodem. Na verdade, eles já existiam. Sempre tivemos grupos de pagode e de samba aqui. O pagode, do ponto de vista musical, tem características interessantíssimas. Num certo sentido, ele me sugere a ideia de atualização do samba de roda, numa perspectiva mais eletrônico-aeróbica, porque incorpora os instrumentos eletrônicos e retrabalha toda a forma de dançar do samba, permitindo que essa coreografia mais tradicional seja contaminada pelos movimentos das academias de ginásticas.

Crédito: Lucas Seixas

ID 126  O declínio veio por falta de manejo dos próprios empresários ou por que esses grupos não atenderam mais às expectativas do público e do próprio mercado?

PM – Acho que a gente tem que qualificar melhor essa ideia de que eles entraram em decadência total. Os grupos de pagode podem ter desaparecido do topo da lista de mais vendidos da indústria fonográfica, mas continuam fazendo shows o tempo inteiro. Alguns nomes do pagode baiano continuam tendo lugar de algum destaque no carnaval. Esse pagode de agora, funkeado, que dialoga com outros gêneros, produziu, nos últimos anos, figuras muito interessantes na cena carnavalesca e no show business. Do ponto de vista das carreiras, boa parte desse pessoal que é reconhecido como grande nome da axé continua com a agenda lotada. Eles vendem, por exemplo, mais do que nomes consagrados da música brasileira. Não vendem mais sete milhões porque a indústria do disco não vende mais isso.

ID 126 – Os grupos É o Tchan, Terra Samba  e Nossa Juventude, por exemplo, que fizeram sucesso na década de 90, ficaram fora do circuito midiático e voltaram com certo apelo popular. O que explica isso?

PM – O que explica é que eles saem da grande mídia, deixam de ser a bola da vez, e vão ficar acomodados em nichos de consumo cultural que continuam celebrando-os como grandes estrelas. É evidente que quando eram “a bola da vez” a caixa registradora funcionava numa rapidez e numa magnitude maior. Eles podem não aparecer mais na mídia, mas não desaparecem do cardápio de show business Brasil afora.

 ID 126 – O senhor gosta de pagode?

PM – Gosto, claro! Adoro! Acho gostoso como gênero. Interessa-me o seu viés como festa carnavalesca baiana.

Crédito: Lucas Seixas

 ID 126 – Hoje em dia, a gente vê muitas críticas em relação às letras do pagode. A qualidade nas letras piorou ou não dá nem para mensurar?

PM – Piorou em relação ao quê? Fala-se muito que atualmente há críticas em relação a isso, mas sempre teve muita crítica, com teor muito semelhante. As pessoas, às vezes, não se dão contam da bobagem que estão falando quando comparam as letras de agora com as de antigamente. Querem comparar com o quê? Com as marchinhas carnavalescas, por exemplo? Não vejo que sentido de grandeza poética elas tinham. Até porque a intenção, quando se escreve uma letra para um samba que vai tocar na rua ou uma marchinha que vai nos animar no carnaval, é fazer a festa. A gente sempre teve uma longa tradição da canção com sátira, com duplo sentido. Não é uma coisa estranha e não foi inventado pelo pagode. O jeito de dançar, as letras, tudo sempre foi objeto de muita crítica entre os setores, digamos, mais letrados e intelectualizados. Eu não alinho com eles, não. Adoro a molecagem pagode. Adoro o ritmo. Acho bacanérrimo.

 ID 126 – O pagode baiano é um fenômeno da indústria cultural que é pouco estudado na academia. Nesse sentido, as universidades têm preconceito com o pagode?

PM – Eu diria que não necessariamente com o pagode. Mas, dependendo do lugar da universidade, você vai ver que tem temas que não são, exatamente, os temas mais bem acolhidos. Eu, por exemplo, tive alguma resistência quando, no mestrado em administração, quis estudar o carnaval; porque carnaval é coisa para antropólogo estudar. No máximo, sociólogo ou historiador. Então, algumas das áreas das universidades delimitam um repertório de temas que são eleitos como bons e outros passam a ser temas menores. Essa é uma razão. A outra é quando alguém diz que este é um tema que não pode ser estudado pela universidade, que não tem a dignidade para se transformar em objeto de estudo. Aí é que eu acho complicado. Mas isso também não é incomum, não. Essa coisa do tema maldito, do tema mais difícil de ser absorvido como objeto de estudo, é bastante frequente.

Leia mais

O pagode na ótica de quem faz

O pagode baiano por Jacaré, Ex-É o Tchan

Eles querem ser o Jacaré

O pagode desce, que desce, que desce?

 

 

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021