Tags:, , , ,

Fatores emocionais e culturais estimulam o consumo compulsivo

- 22 de outubro de 2014

Compra muitas vezes é utilizada como uma compensação de faltas emocionais, insegurança e inabilidade social

Estela Marques

Homens, mulheres, crianças e adultos podem sofrer do transtorno da compra compulsiva. Isso porque, segundo psicólogos, todos estão vulneráveis a faltas emocionais, à influência cultural e midiática que estimulam o consumo descontrolado e às facilidades de crédito que o mercado financeiro brasileiro proporciona.

A busca pelo prazer pleno e imediato estimula o indivíduo a uma compra constantemente, de acordo com a psicóloga Nina Cunha Moura. A especialista explica que, apesar da sensação de recompensa momentânea, a angústia e a ansiedade logo voltam a se instalar, fazendo com que o indivíduo precise comprar novamente.

O psicólogo Elídio Almeida lembra que a estratégia utilizada pelas propagandas também atinge o emocional do indivíduo vulnerável, por passar a vender um conceito de vida associado à aceitação e bem estar. “E aí as pessoas, por sentirem falta disso no aspecto pessoal em sua vida, vão tentar suprir na aquisição de um bem, de um produto que não necessariamente ela precisa”, explica.

Leia mais
Doar peças em excesso é a saída?
Compra compulsiva pode gerar inadimplência e desequilíbrio econômico
Famílias não devem se responsabilizar pela dívida do consumidor compulsivo
Confira curiosidades sobre o consumo compulsivo 

O retorno simbólico que a compra compulsiva traz muitas vezes não compensa os prejuízos sociais e financeiros. O indivíduo pode desenvolver depressão, ansiedade, baixa autoestima e até pensamentos suicidas. O transtorno também causa problemas familiares e de relacionamento e o indivíduo acaba se sentindo “extremamente culpado”. No entanto, ao invés de inibir o comportamento, essa culpa retroalimenta o ciclo. “Por se sentir culpado, compra para aliviar. Porém quanto mais compra, mais culpa sente. Nesse ponto vemos o quão problemático é esse ciclo. Nesse ponto, passa a ser considerado uma doença”, explica a psicóloga e consultora financeira Paula Cassanho Vaz.

É o caso de Antônio Costa*. As principais peças de consumo do estudante são perfumes, óculos e roupas, mas ele assume que não tem um motivo específico para consumir, além da ansiedade. “Eu sempre acho que não tenho roupa. Fico irritado e ansioso, vou no shopping e sempre volto com uma sacola. Acho que é para me sentir bem vestido”, conta.

Diagnóstico – Qualquer distúrbio que comprometa a qualidade de vida e o convívio social do indivíduo pode ser considerado uma patologia. Por outro lado, não existe um tempo mínimo de consumo compulsivo para diagnosticar a doença. Alguns critérios podem sinalizar o vício, como aquisição de itens desnecessários e interferência no funcionamento social e profissional.

O psicólogo Elídio recomenda que um profissional seja procurado quando o indivíduo perceber que a função da compra foi perdida. “Começa a caracterizar um vício quando você não está precisando daquilo e sua vontade foi preterida nessa situação. Você compra muito mais por um comando, por uma ordem, pelo modismo, do que por uma real necessidade”, explica.

Para identificar quais faltas motivam a compra, o mais indicado é tratamento psicoterapêutico. Algumas técnicas, como a escuta clínica, ajudam o indivíduo a perceber quais são suas reais necessidades emocionais. O tempo de tratamento varia de acordo com o grau de intensidade que o transtorno está instalado na vida do indivíduo e dos prejuízos que lhe causou.

* Os nomes foram substituídos ou modificados para preservar a identidade das fontes.

Ciência e Tecnologia

Em defesa da ciência

Sal e álcool ajudam mesmo gelar a cerveja mais rápido? “A ciência explica”, diz o clichê. Neste 8 de julho, no entanto, a ciência dá uma pausa nas explicações para comemorar. Por força das leis 10.221/2001 e 11.807/2008, a data marca o Dia Nacional da Ciência e o Dia Nacional do Pesquisador. Pensados como uma […]

Thiago Freire - 9 de julho de 2018

Comportamento

Brasileiros abusam do humor dos memes em momentos de tensão

Ultimamente esse ditado popular não parece fazer muito sentido para os brasileiros, pois eles fazem questão de provar que uma coisa não elimina a outra através da produção de memes. Se é trágico, pode ser muito cômico, sim! No final de maio deste ano, os caminhoneiros pararam o Brasil com uma greve que durou mais de […]

Rafaela Souza & Victor Fonseca - 3 de julho de 2018

Empreendedorismo na Bahia

Empreendedorismo baiano: Yes, nós temos tecnologia

Em sua segunda edição na Bahia, que aconteceu entre os dias 17 e 20 de maio, a Campus Party (CPBA) reuniu, além de palestrantes, cientistas e apaixonados por jogos e inovações, uma série de pessoas que resolveram empreender e mostrar seus projetos no espaço Startups & Creators. O espaço possibilitou que vários empreendedores apresentassem ao […]

Rafaela Souza, Victor Fonseca - 11 de junho de 2018

Educação

Bahia tem segundo menor investimento em educação por aluno

A Bahia tem o segundo menor investimento por aluno da rede estadual do Brasil. Em 2017, o estado investiu apenas R$ 3.837,51 por aluno da educação básica. Entre os 13 governos estaduais que declararam o investimento em educação básica de 2017 ao Governo Federal, apenas o Pará gastou menos com cada aluno: R$ 3.626,41. O […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 6 de junho de 2018

Justiça

Metade dos presos na Bahia não foram julgados

Um dos grandes desafios do sistema carcerário brasileiro na atualidade é a quantidade de presos provisórios que o integram. A morosidade do judiciário e a política de segurança pública voltada para encarcerar colaboram com a situação daqueles que sequer tiveram direito a um julgamento e uma condenação, mas foram privados de liberdade. Por meio do […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 9 de julho de 2018

Copa

Copa nas ruas

O mês de junho, tradicionalmente, é um mês de festa na região Nordeste. Os festejos da época para as comemorações dos dias de São João (24) e São Pedro (29) deixam as ruas da capital e do interior mais enfeitadas. As portas das casas, as avenidas, as calçadas, todas são cobertas com as decorações típicas […]

Luís Felipe Brito, José Cairo e Felipe Iruatã - 3 de julho de 2018

Doação de sangue

Doadores de sangue são convocados para o campo

O mês de junho é mês de São João, férias escolares, Copa do Mundo e… Junho Vermelho. A campanha nacional, promovida pelo Movimento Eu Dou Sangue, tem como objetivo conscientizar pessoas a respeito da doação de sangue e aumentar os níveis dos bancos sanguíneos, que enfrentam dificuldades durante todo o ano.  Com a alta movimentação […]

Luana Lima, Marina Matos - 3 de julho de 2018