Tags:

Chega de baixaria!

- 13 de abril de 2016

Implantada em 2012, lei que barra investimento a músicas que incentivam a violência e desvalorizam a mulher ainda gera polêmica e implicações

Mariana Sales e Vilma Martins | Foto destaque: Sara Moura

Salvador é conhecida por ser a cidade do carnaval, berço do samba, do pagode e mais recentemente recebeu o título de “Cidade da Música” pela Unesco. Toda essa diversidade musical, entretanto, trouxe à tona um debate que vem gerando polêmica: a sexualização, violência e exposição da imagem da mulher nas letras de música. A partir disso surgiu a Lei Antibaixaria (Lei 12.573/2012), que proíbe o investimento de recursos públicos em artistas e eventos que apresentem músicas que “incentivem a violência, desvalorizem ou exponham as mulheres a situações de constrangimento, manifestações de homofobia, discriminação racial e apologia a drogas ilícitas”.

Segundo a deputada Luiza Maia (PT), que criou o projeto em 2012, quando foi aprovado pelo então governador Jaques Wagner (PT), a Lei foi proposta para impor limites às músicas que rebaixam as mulheres. “A lei nasceu como uma tábua de salvação para barrar a baixaria que vinha crescendo de forma assombrosa na música baiana. São letras que rebaixam nós mulheres a objeto sexual descartável e músicas que depreciam nossa sexualidade. Essa tendência vinha crescendo, nivelando por baixo a qualidade das músicas, em vários ritmos”, defende.

No carnaval deste ano, a deputada desfilou com seu bloco, chamado “Antibaixaria”, na tradicional Mudança do Garcia. Além disso, em 2016 a lei foi aplicada no festejo do Momo. O Ministério Público da Bahia orientou os governos Estadual e Municipal a cumprirem a lei.

Debate

Professora e doutora em Comunicação, Graciela Natansohn argumenta que o problema da Lei Antibaixaria não está no fato de ela ser boa ou ruim, e sim na violência simbólica não ser caracterizada como crime. “A legislação é apenas estratégia, uma via defensiva. É preciso colocar em pauta a questão da violência simbólica e midiática, não só da música, mas também na publicidade e no jornalismo”, diz.

A professora, especialista em gênero e tecnologias digitais, apoia a lei, apesar de não gostar da denominação “baixaria” e o fato de ser uma ação “de cima para baixo”, vinda de uma deputada.  “Eu acredito nessas discussões. A argumentação sobre a violência simbólica deveria primeiramente ser discutida na comunicação.  O maior problema é que é difícil legislar sobre diretos humanos no Brasil”. Ela ainda chama a atenção para fato de a lei ser estadual, reafirmando que é preciso ampliar a discussão.

Assim como Graciela, a pedagoga Sandra Muñoz também acredita que o debate deve ser ampliado. “Eu fui nos debates quando a lei estava para ser aprovada. Acho que tinham que ser feitos seminários e rodas de conversas para que as mulheres ficassem antenadas e discutissem a questão”. Ela coordena a Marcha das Vadias Salvador, Brasil e América Latina, e está à frente da Rede de Atenção à Violência Contra as Mulheres de Salvador.

Controversas

A produtora e DJ Thalita Martins acredita que definir a importância da lei é complicado, por ser algo que vai além da discussão de gênero. “Por um lado, eu acho um passo importante [a criação da lei] para a questão das letras machistas/depreciativas que objetificam a mulher. Mas por outro lado, é complicado porque quando pensamos em ‘baixaria’ é sempre vinda da periferia, tipo dos pagodes, funk etc”, pondera.

Thalita faz parte das “Ovelhas Negras”, grupo de três mulheres que toca na Batekoo. Criada em 2014 em Salvador, a festa é conhecida por tocar ritmos negros como hip-hop, rap, funk carioca, R&B, trap, twerk, kuduro, e suas vertentes, de forma inovadora. Como mulher e produtora, ela pensa ser importante que as mulheres sejam reconhecidas em qualquer espaço, inclusive na cena noturna e de festas de Salvador.

Festa Batekoo em Salvador | Foto: Deu Zebraa

O vereador Henrique Carballal (PV), principal opositor a lei, deu depoimento sobre a lei ao Jornal A Tarde neste ano, após polêmica com a música “Paredão Metralhadora” no Carnaval.  Para ele, o projeto atinge, majoritariamente, artistas de origem pobre e da periferia. O vereador destaca ainda que emissoras de rádio de Salvador destinadas às classes A e B da capital tocam músicas como “Geni e o Zepelim”, de Chico Buarque, que tem versos que ferem a imagem da mulher, como: “Joga pedra na Geni, ela gosta de apanhar, ela é boa de cuspir, maldita Geni”, e nem por isso são condenadas. Neste ano, Carballlal enviou um ofício ao Ministério Público perguntando quais são exatamente as palavras proibidas pela lei.

Expansão

Sobre a ampliação do alcance da Lei Antibaixaria, Luiza Maia diz que hoje em dia o projeto tem presença considerável no interior do estado, e cerca de 50 cidades já a aprovaram, dentre elas Camaçari, Lauro de Freitas, Feira de Santana, Conceição do Coité, Dias D’Ávila e Mata de São João. Em outros municípios, o projeto se encontra em fase de tramitação. A lei também foi apresentada no Ceará, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco. No cenário nacional, a deputada federal Moema Gramacho apresentou o projeto na Câmara Federal, que também está em tramitação.

Uma enquete realizada com 70 pessoas na internet mostra que na esfera pública, a discussão sobre a lei também segue dividindo opiniões. Ao mesmo tempo em que 92,9% dos entrevistados dizem ser a favor do projeto, quando a pergunta é “Você acredita que a criação de uma lei antibaixaria seja uma forma de censurar a música e a expressão artística?”, esse número cai para 76,4%.

“Sinto-me violentada e ofendida com todas as músicas. Censura e respeito são coisas diferentes. Assim como o movimento negro conseguiu conquistas relevantes de modo que não vamos ter músicas que ofendem os negros tocando nas rádios, existe uma militância forte sobre isso, o movimento feminista tem que lutar pelas mesmas coisas. Por que naturalizam ainda as músicas que ofendem as mulheres? Por que proibir isso é censura? Censura do machismo, patriarcado, da misoginia? Sou a favor”, respondeu uma das pessoas entrevistadas, que não se identificou.

Das 70 pessoas que responderam a enquete, 92,9% disseram ser a favor da lei antibaixaria

Sobre a lei ser uma censura a musica e a expressão artística, 76,4% disseram não consideram, e 19,4% disseram que sim

Quando questionados sobre o costume de ouvir musicas consideradas de cunho sexual e/ou que objetificam a mulher, as reposta continuam apontando que 73% não ouvem, e 24% sim. Porém, logo na questão a abaixo, sobre quais musicas se costuma ouvir, "Paredão Metralhadora" ficou com 42%, seguida por "Baile de Favela"com 25%

Apesar disso, alguns defendem que é importante também olhar o lado social da lei e perceber a crescente apropriação pela classe média desses produtos, “Pra mim é bem contraditório. Identifico o cunho social dessas músicas e a expressão de uma cultura. Gosto dos ritmos, da dança. Mas as letras me ferem como mulher. Por outro lado, fico pensando como essa música vem sendo apropriada pela classe média urbana e pelas elites, a exemplo do grupo FitDance, que usa essas músicas sem criticidade. Do mais, o carnaval é apenas mais um momento de expressão da sociedade. Desde muito tempo as músicas de carnaval primam pelo preconceito generalizado. Mas isso acontece em vários gêneros musicais”, defendeu outra entrevistada.

No total, 50% dos que responderam à pesquisa admitiram ouvir músicas de cunho sexual, violento ou que ferem a imagem da mulher de alguma forma. Dentre as mais citadas, o hit do carnaval 2016 “Paredão Metralhadora”, da Banda Vingadora, saiu na frente com 42,6%. Outras músicas lembradas foram “Baile de Favela”, do Mc João, “Lepo Lepo”, do Psirico e “As Novinha Tão Sensacional, do Mc Romântico.

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021