Tags:, , , , ,

Casas de farinha reúnem famílias para processo histórico de produção

- 6 de julho de 2014

Suely Alves

A farinha de mandioca é uma tradição cultural estritamente ligada à história do Brasil, especialmente na região Nordeste. O seu processo de produção é uma atividade coletiva, pois reúne famílias, vizinhos e amigos. As casas de farinha proporcionam uma relação de sociabilidade. Durante o processo da raspagem das raízes, a atividade é compartilhada de forma mais intensa, pois é a etapa que precisa do maior número de pessoas.

A nutricionista Flávia Ramos passou a infância e boa parte da adolescência convivendo com a experiência da fabricação de farinha. Filha de produtores de mandioca, sempre ajudava os pais no trabalho. “A casa de farinha é um importante espaço de socialização, construção e manutenção de vínculos de amizade. É um ambiente onde as pessoas se identificam e se reconhecem como pertencentes a determinado lugar, cultura e hábitos, incluindo os alimentares”, destaca.

Leia mais
Fotorreportagem: Entre máquinas
Tapioca: uma tradição que enriquece alimentação do Nordeste
Farinha de mandioca: o ideal é não exagerar

O processo da fabricação do produto tornou-se algo tão socializador que os donos das casas de farinha não exigem pagamento em dinheiro pelo uso das máquinas. Boa parte dos proprietários recebem 20% da farinha que é produzida, podendo variar a porcentagem, de acordo com a localidade. Na região do Fojo, município de Mutuípe, as pessoas se reúnem numa espécie de mutirão durante a fabricação, e a cada semana o grupo trabalha para uma pessoa. “É uma das atividades que eu mais gosto de fazer, porque é o momento de reunir os amigos e aproveitar para botar o papo em dia”, afirma Lourival Nascimento.

Marilene Santos, 41 anos, moradora da mesma região, realiza o ofício desde os dez anos. Ela aprendeu a atividade com os pais e faz questão de passar esse aprendizado para os filhos. “Trago meus filhos para aqui e ensino a tirar goma, fazer beiju, porque eu quero que eles aprendam comigo aquilo que eu aprendi com os meus pais”, diz.

[slideshow_deploy id=’18067′]

O destino da farinha – Depois de pronta, a farinha é utilizada para o próprio consumo das famílias, vendida em atacado ou comercializada nas feiras livres, algo muito comum nas cidades do interior. O feirante Firmino Santos conta que seus clientes são exigentes e preferem a farinha mais fina e bem torrada. Em dias de feira, o comerciante vende em média 80 kg de farinha por por R$ 2 o quilo e R$1,50 o litro, equivalente a 650g.

O aposentado Manoel Silva, 90 anos, recorda quando produzia farinha e transportava para a cidade de Nazaré das Farinhas, no Recôncavo Baiano. Na época, a localidade funcionava como entreposto comercial entre Salvador e região circunvizinha. O transporte do produto era realizado por meio das tropas de burros, que levava em média dois dias de viagem, do município de Laje para a cidade de Nazaré. “Era um tempo bom, que não volta mais. Durante a viagem, a gente sentava na beira do riacho, fazia um fogo de lenha, assava carne e comia com farinha”, relembra.

A safra da mandioca acontece entre os meses de janeiro a julho, sendo a Bahia o maior produtor e consumidor de farinha no Nordeste. Segundo a Embrapa, o estado consome mais de 24% da produção. O produto também é exportado para outros países como Venezuela, Argentina e Estados Unidos.

Os precursores da mandioca – A mandioca é genuinamente brasileira. Na carta escrita ao rei de Portugal, Pero Vaz de Caminha definiu a mandioca em poucas palavras. “E não comem senão deste inhame, de que aqui há muito, e dessas sementes e frutos que a terra e as árvores de si deitam”. Os índios foram os pioneiros no cultivo da mandioca. Antes mesmo da chegada dos portugueses eles já tinham experiência no plantio da lavoura. Os nativos tinham o hábito de preparar suas refeições de forma rudimentar, retirando da terra seu próprio alimento. Mas foi na época da colonização do Brasil que o produto serviu de alimentação básica tanto para os escravos como para os desbravadores.

Ciência e Tecnologia

Em defesa da ciência

Sal e álcool ajudam mesmo gelar a cerveja mais rápido? “A ciência explica”, diz o clichê. Neste 8 de julho, no entanto, a ciência dá uma pausa nas explicações para comemorar. Por força das leis 10.221/2001 e 11.807/2008, a data marca o Dia Nacional da Ciência e o Dia Nacional do Pesquisador. Pensados como uma […]

Thiago Freire - 9 de julho de 2018

Comportamento

Brasileiros abusam do humor dos memes em momentos de tensão

Ultimamente esse ditado popular não parece fazer muito sentido para os brasileiros, pois eles fazem questão de provar que uma coisa não elimina a outra através da produção de memes. Se é trágico, pode ser muito cômico, sim! No final de maio deste ano, os caminhoneiros pararam o Brasil com uma greve que durou mais de […]

Rafaela Souza & Victor Fonseca - 3 de julho de 2018

Empreendedorismo na Bahia

Empreendedorismo baiano: Yes, nós temos tecnologia

Em sua segunda edição na Bahia, que aconteceu entre os dias 17 e 20 de maio, a Campus Party (CPBA) reuniu, além de palestrantes, cientistas e apaixonados por jogos e inovações, uma série de pessoas que resolveram empreender e mostrar seus projetos no espaço Startups & Creators. O espaço possibilitou que vários empreendedores apresentassem ao […]

Rafaela Souza, Victor Fonseca - 11 de junho de 2018

Educação

Bahia tem segundo menor investimento em educação por aluno

A Bahia tem o segundo menor investimento por aluno da rede estadual do Brasil. Em 2017, o estado investiu apenas R$ 3.837,51 por aluno da educação básica. Entre os 13 governos estaduais que declararam o investimento em educação básica de 2017 ao Governo Federal, apenas o Pará gastou menos com cada aluno: R$ 3.626,41. O […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 6 de junho de 2018

Palhaçaria

Entrevista com Jonatas Campelo

Ainda não era noite, mas a Casa de Artes Sustentáveis (CAS) já estava em ritmo acelerado. Hoje tem espetáculo? Tem sim, senhor! Até parece um reforço de um bordão que nos remete à magia do circo, mas, sim, em 29 de junho, o artista circense Jonatas Campelo, 30, não se preparava apenas para o espetáculo […]

Cristiana Fernandes - 22 de julho de 2018

Justiça

Metade dos presos na Bahia não foram julgados

Um dos grandes desafios do sistema carcerário brasileiro na atualidade é a quantidade de presos provisórios que o integram. A morosidade do judiciário e a política de segurança pública voltada para encarcerar colaboram com a situação daqueles que sequer tiveram direito a um julgamento e uma condenação, mas foram privados de liberdade. Por meio do […]

Cícero Cotrim e Yasmin Garrido - 9 de julho de 2018

Copa

Copa nas ruas

O mês de junho, tradicionalmente, é um mês de festa na região Nordeste. Os festejos da época para as comemorações dos dias de São João (24) e São Pedro (29) deixam as ruas da capital e do interior mais enfeitadas. As portas das casas, as avenidas, as calçadas, todas são cobertas com as decorações típicas […]

Luís Felipe Brito, José Cairo e Felipe Iruatã - 3 de julho de 2018