Tags:, , , ,

Cangaço: o faroeste do cinema brasileiro

- 6 de julho de 2014

Gênero Nordestern atingiu o sucesso na década de 1960, com a produção de vários filmes que retratavam a vida no cangaço

 Thaíse Reis

O cenário é o sertão nordestino do final do século 19 e início do século 20, marcado pela seca, pobreza e desigualdades sociais. A região, que parecia isolada do resto do Brasil, era o espaço de atuação de personagens hoje conhecidos por todos: os cangaceiros. Nos roteiros, havia espaço para cenas do cotidiano dos bandos, de busca por comida e acolhida e até mesmo de romance. Mas a ênfase era nos constantes enfrentamentos entre esses os cangaceiros e a polícia da época.

A combinação de todos esses elementos resulta numa obra do gênero cinematográfico Nordestern. A expressão surgiu no início da década de 1960 inspirada no Western americano, os famosos filmes de faroeste. Mais que o retrato da vida sofrida na caatinga das cidades do interior da região Nordeste, através do gênero, houve uma valorização da nacionalidade e da identidade brasileira. A maior prova disto é o personagem nordestino como protagonista no cinema. Com o filme de cangaço, o cinema brasileiro conseguiu criar um gênero exclusivo de filme de aventura, tipicamente regional. Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, considerado o maior cangaceiro de todos os tempos, foi a inspiração para a maioria das obras do Nordestern.

Leia mais
Lampião, a estrela maior do Nordestern

“O cangaço foi e continua sendo um dos temas mais abordados no cinema, lembrando que o filme O Cangaceiro foi um grande sucesso. A obra ficou por um longo período em cartaz em Cannes, sendo uma das maiores bilheterias da época”, conta João de Sousa Lima, historiador e diretor de cultura na cidade baiana de Paulo Afonso. Há 15 anos Lima pesquisa o cangaço e o sertão nordestino, tendo publicado seis livros sobre a temática. Apesar de não se inserir totalmente no mundo do cinema, revela que já realizou cerca de 10 documentários sobre o movimento, além de um curta-metragem intitulado Cangaceiro gato: um rastro de ódio e sangue.

Obra de Lima Barreto, O Cangaceiro, de 1953, como lembra o historiador, foi o filme que inaugurou o gênero, também conhecido como Western caboclo. Foi um fenômeno de bilheteria, premiado, inclusive, no Festival de Cannes. O professor da Universidade Federal da Bahia e crítico de cinema André Setaro lembra que essa foi uma conquista única. “O Cangaceiro de Lima Barreto é o único filme de cangaço que teve reconhecimento internacional, os outros tiveram uma repercussão intramuros, ou seja, no Brasil”, diz.

A ousadia dos cineastas nordestinos e a vontade de realizar longa-metragens, mesmo com as limitações, resultou numa vasta lista de produções, algumas campeãs de bilheteria. Para Setaro, a fórmula do sucesso dessas produções era a presença de elementos característicos das novelas, que sempre atraíram o grande público. “Os filmes do Nordestern eram muito ‘romanceados’, como se fossem ‘novelizados’. A ação possuía pitadas de melodrama, não tinha a crueza e a visão crítica que o tema requer”, explica.

Entre as produções mais recentes, destaca-se Baile Perfumado, de 1996. O filme de Paulo Caldas e Lírio Ferreira é considerado o que mais se aproxima da realidade. Além de trazer a visão crítica dos autores, foi produzido a partir de fragmentos originais do documentário Lampião – Rei do cangaço, produzido pelo libanês Benjamin Abrahão em 1936. O cineasta conviveu com o bando de Lampião e registrou esse período.

De lá para cá – De acordo com o crítico, na última década, apesar da existência de muitos festivais de cinema pelo Nordeste, o Nordestern perdeu espaço e as obras lançadas já não abordam a temática do cangaço. “São apresentados filmes mais autorais, obras que são uma espécie de reflexão sobre a sociedade brasileira. Seguem o ponto de vista de seus realizadores, mas o cangaço não aparece nessa reflexão. É um tema interessante, mas que ficou abandonado e faz parte da história”, lamenta Setaro.

Já João Lima acredita que algumas produções atuais ainda trazem elementos do Nordestern. “O cinema do nordeste e os diretores nordestinos sempre focam o cangaço em algum momento. Porém, há uma produção sobre temas diversificados e muitos ganharam e ganham prêmios nos festivais de cinema espalhados pelo Brasil. Um dos grandes expoentes do cinema nordestino é o Festival do Ceará, do qual sempre participo”, afirma.

Meditação

Meditação ao alcance de todos

A meditação traz benefícios à saúde e é fácil de praticar; veja como e onde começar Por Ariadiny Araujo, Daniel Cheles e Raquel Saraiva Sentar em posição confortável, manter-se em silêncio, com a coluna ereta e prestar atenção na respiração. Para quem nunca tentou, meditar pode parecer fácil. Para quem pratica, às vezes é até […]

Ariadiny Araújo, Daniel Cheles, Raquel Saraiva - 6 de novembro de 2018

Universidade para todos

A universidade é para todos

Projetos sociais preparam alunos de baixa renda para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) Ingressar no ensino superior, especialmente em uma universidade pública e, é o sonho de grande parte dos jovens que concluem o ensino médio. Entretanto, o acesso a esse nível de ensino, sobretudo para pessoas menos favorecidas socioeconomicamente, nem […]

Alana Bittencourt, Daniel Brito e Filipe Oliveira - 27 de novembro de 2018

Atividades Físicas

Atividades físicas e millennials

Por Marianna Jorge, Melissa Pereira e Rebeca Bhonn.  Quem nasceu entre o início da década de 1980 até meados da década de 1990 é conhecido por setores de marketing como os millennials. Também chamados de geração do milênio, geração da internet ou geração Y, eles se tornaram fruto de pesquisas para gestão de negócios em […]

Rebeca Bohn, Mariana Jorge, Melissa Altahona - 27 de novembro de 2018

Refugiados

Venezuelanos tentam uma nova vida no Brasil

Fugindo de uma grave crise político-econômica, aproximadamente 200 venezuelanos tentam uma nova vida na Bahia Deixar para trás sua residência e seu país de origem não é uma decisão fácil. O drama é ainda maior quando o êxodo é, na verdade, uma fuga. Por conta de uma grave crise sócio-econômica, milhares de venezuelanos têm fugido […]

Cristiane Schwinden e Levy Teles - 27 de novembro de 2018

crise

Kate White: a escola para princesas à beira do fim

Numa das vias mais movimentadas de Salvador, a Rua Carlos Gomes, o letreiro colorido de branco e vermelho acima de um muro bege anuncia a lembrança de um passado. Entre as décadas de 40 e 70, era sob aquela placa que passavam as jovens abastadas da cidade. Uma vez atravessada a pequena porta azul, seguia-se […]

Fernanda Lima e João Gabriel Veiga - 27 de novembro de 2018