Tags:, , , ,

Cangaço: o faroeste do cinema brasileiro

- 6 de julho de 2014

Gênero Nordestern atingiu o sucesso na década de 1960, com a produção de vários filmes que retratavam a vida no cangaço

 Thaíse Reis

O cenário é o sertão nordestino do final do século 19 e início do século 20, marcado pela seca, pobreza e desigualdades sociais. A região, que parecia isolada do resto do Brasil, era o espaço de atuação de personagens hoje conhecidos por todos: os cangaceiros. Nos roteiros, havia espaço para cenas do cotidiano dos bandos, de busca por comida e acolhida e até mesmo de romance. Mas a ênfase era nos constantes enfrentamentos entre esses os cangaceiros e a polícia da época.

A combinação de todos esses elementos resulta numa obra do gênero cinematográfico Nordestern. A expressão surgiu no início da década de 1960 inspirada no Western americano, os famosos filmes de faroeste. Mais que o retrato da vida sofrida na caatinga das cidades do interior da região Nordeste, através do gênero, houve uma valorização da nacionalidade e da identidade brasileira. A maior prova disto é o personagem nordestino como protagonista no cinema. Com o filme de cangaço, o cinema brasileiro conseguiu criar um gênero exclusivo de filme de aventura, tipicamente regional. Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, considerado o maior cangaceiro de todos os tempos, foi a inspiração para a maioria das obras do Nordestern.

Leia mais
Lampião, a estrela maior do Nordestern

“O cangaço foi e continua sendo um dos temas mais abordados no cinema, lembrando que o filme O Cangaceiro foi um grande sucesso. A obra ficou por um longo período em cartaz em Cannes, sendo uma das maiores bilheterias da época”, conta João de Sousa Lima, historiador e diretor de cultura na cidade baiana de Paulo Afonso. Há 15 anos Lima pesquisa o cangaço e o sertão nordestino, tendo publicado seis livros sobre a temática. Apesar de não se inserir totalmente no mundo do cinema, revela que já realizou cerca de 10 documentários sobre o movimento, além de um curta-metragem intitulado Cangaceiro gato: um rastro de ódio e sangue.

Obra de Lima Barreto, O Cangaceiro, de 1953, como lembra o historiador, foi o filme que inaugurou o gênero, também conhecido como Western caboclo. Foi um fenômeno de bilheteria, premiado, inclusive, no Festival de Cannes. O professor da Universidade Federal da Bahia e crítico de cinema André Setaro lembra que essa foi uma conquista única. “O Cangaceiro de Lima Barreto é o único filme de cangaço que teve reconhecimento internacional, os outros tiveram uma repercussão intramuros, ou seja, no Brasil”, diz.

A ousadia dos cineastas nordestinos e a vontade de realizar longa-metragens, mesmo com as limitações, resultou numa vasta lista de produções, algumas campeãs de bilheteria. Para Setaro, a fórmula do sucesso dessas produções era a presença de elementos característicos das novelas, que sempre atraíram o grande público. “Os filmes do Nordestern eram muito ‘romanceados’, como se fossem ‘novelizados’. A ação possuía pitadas de melodrama, não tinha a crueza e a visão crítica que o tema requer”, explica.

Entre as produções mais recentes, destaca-se Baile Perfumado, de 1996. O filme de Paulo Caldas e Lírio Ferreira é considerado o que mais se aproxima da realidade. Além de trazer a visão crítica dos autores, foi produzido a partir de fragmentos originais do documentário Lampião – Rei do cangaço, produzido pelo libanês Benjamin Abrahão em 1936. O cineasta conviveu com o bando de Lampião e registrou esse período.

De lá para cá – De acordo com o crítico, na última década, apesar da existência de muitos festivais de cinema pelo Nordeste, o Nordestern perdeu espaço e as obras lançadas já não abordam a temática do cangaço. “São apresentados filmes mais autorais, obras que são uma espécie de reflexão sobre a sociedade brasileira. Seguem o ponto de vista de seus realizadores, mas o cangaço não aparece nessa reflexão. É um tema interessante, mas que ficou abandonado e faz parte da história”, lamenta Setaro.

Já João Lima acredita que algumas produções atuais ainda trazem elementos do Nordestern. “O cinema do nordeste e os diretores nordestinos sempre focam o cangaço em algum momento. Porém, há uma produção sobre temas diversificados e muitos ganharam e ganham prêmios nos festivais de cinema espalhados pelo Brasil. Um dos grandes expoentes do cinema nordestino é o Festival do Ceará, do qual sempre participo”, afirma.

Agroecologia

A agricultura não precisa ser tóxica

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo: entenda como eles afetam a saúde e quais as alternativas de consumo Glenda Dantas, Laila Nery e Mariana Gomes Desde janeiro de 2019, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou no Diário Oficial da União o deferimento do registro de 121 produtos agrotóxicos, segundo […]

Glenda Dantas, Laila Nery, Mariana Gomes - 14 de maio de 2019

Turismo

Turismo acessível em Salvador

Por: Amanda Dultra, Caroline Magalhães, Felipe Iruatã e Larissa Calixto Salvador é um destino reconhecido por seu complexo conjunto arquitetônico, sua música, sua culinária e, especialmente, suas praias. A primeira capital do Brasil foi inclusive citada pelo jornal americano New York Times como um dos melhores destinos para se visitar em 2019, que ressaltou o […]

Amanda, Caroline, Felipe e Larissa - 6 de maio de 2019

Escorpião

Cresce o número de acidentes com escorpião na Bahia

Por: Gabriela Blenda, Juliana Marinho, Salete Maso e Sina Winkler.  Entenda as causas, saiba como se prevenir e o que fazer em caso de acidente 🎧 Ouça a matéria aqui 👉 Acesse o Guia de Sobrevivência. Crédito da imagem: Pixabay e FreePik O desmatamento e o acúmulo de lixo são as principais causas do aumento do número […]

Gabriela B., Juliana M., Salete M., Sina W. - 14 de maio de 2019

Uber

Lei do Uber em Salvador ainda é incógnita na Câmara Municipal

Chegou aqui agora? Clique e veja thread no Twitter do ID126 que mostra trajetória da Lei do Uber no Legislativo Após oito meses desde que foi enviado pela Prefeitura de Salvador à Câmara Municipal (CMS), o Projeto de Lei que pretende regulamentar o transporte particular por aplicativos na capital baiana começou a andar. Apesar de […]

Gabriel C., Ian F., Lucas A., Maycon M. - 24 de abril de 2019