Tags:, , ,

Câmara sagrada: a influência da religião na política

- 13 de abril de 2016

Mesmo em um Estado laico, a política em Salvador ainda sofre influência religiosa

Laís Matos | Foto destaque: Dudu Assunção

Na Idade Média, a política era regida por um rei inexpressivo sob as leis da Igreja Católica, instituição mais poderosa da época. Com o fim do feudalismo, a reforma religiosa e o iluminismo, o mundo Ocidental adotou como padrão o modelo do Estado Laico. Entretanto, mais de duzentos anos se passaram, e alguns vereadores da Câmara Municipal de Salvador ainda misturam versículos da Bíblia com artigos da constituição. O projeto de lei da vereadora Cátia Rodrigues, do Partido Humanista da Solidariedade (PSH), de erguer um monumento da Bíblia no Dique do Tororó, por exemplo, reascendeu o debate sobre o tema na imprensa e na câmara de Salvador.

Em setembro de 2015, o prefeito ACM Neto (DEM) aprovou outro projeto de Cátia, que faz da segunda sexta-feira de maio o Dia Municipal de Conscientização Antiaborto. Sancionado por meio da lei  nº 8.880 /2015, a proposta foi duramente criticada por grupos feministas e progressistas de Salvador. “Eu tive muita dificuldade com a aceitação. As feministas não ajudaram muito e a bancada de mulheres do Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) não apoiou o projeto”.

Sobre a construção da Bíblia no Dique, Cátia afirma que teve muito trabalho e, apesar de aprovado, o prefeito ainda não executou o projeto. “Não ligo o projeto ao sentido de religião, e sim como uma homenagem ao livro mais lido de todos os tempos. O monumento é para valorizar a sua importância”. De acordo com Cátia, seu trabalho defende a vida. Também em 2015, ela conseguiu aprovar um projeto de criação de um banco de empregos para mulheres que sofrem violência doméstica. “Eu vim de uma base evangélica, não posso negar minhas origens. As pessoas rotulam isso. Mas meu trabalho é por Salvador e vai além de religião”.

Política e religião ainda se misturam na Câmara de Vereadores de Salvador | Foto: Lúcio Távora | Ag. A Tarde

O vereador Isnard Araújo, do Partido Republicano Brasileiro (PRB), é pastor da Igreja Universal e faz um trabalho relacionado às igrejas e famílias carentes. Entre seus projetos, a regulamentação do uso de celular na igrejas, teatro e cinema foi, de acordo com o vereador, um dos que mais gerou controvérsias. Apesar de ter sido criticada, o prefeito aprovou e sancionou a lei. Ainda nessa mesma linha, o vereador ficou conhecido por propor a construção de um centro de reabilitação para viciados no aplicativo WhatsApp.

Há dois anos e meio, o vereador aprovou a isenção de IPTU em templos e igrejas, além da mudança da altura máxima das construções, que podiam chegar até 25 m². “O projeto foi aprovado também no Senado, é lei federal agora”.

Entre argumentos e certezas

Para o cientista político Antônio Oliveira, não há problema em relacionar política e religião. “O nosso Estado é laico, ou seja, não há nenhuma religião oficial professada por ele. Deve ser defendida a liberdade religiosa, mas a sociedade não é laica”, pontua. Oliveira explica que os cidadãos são religiosos e, sendo dever do poder público atender aos interesses da população, não há ofensa em criar, por exemplo, um Dia de leitura da Bíblia. “Esses tipos de demandas não ofendem o caráter laico do Estado e nem ofende a nenhuma das garantias civis que temos como cidadãos brasileiros. O que o Estado não pode fazer é atentar contra a liberdade religiosa, nem permitir que uma religião possa determinar o que acontece em sociedade”, completa.

Já Gilberto Wildberg, também cientista político, considera “muito perigosa” a possibilidade de o Estado intervir sob as religiões. “A estátua dos Orixás estão lá, mas representa uma religião que é minoritária e foi excluída por muito tempo. O Candomblé veio se afirmar bem devagarinho, por isso precisa ser apoiado. Diferente da Bíblia, que contempla uma religião opressora e dominante há séculos”, explica.

Para Wildberg, projetos como esses são aprovados devido à baixa participação da sociedade nos negócios públicos. “A política é um espaço de manipulação permanente e não há objetividade, principalmente com a insistência das igrejas evangélicas no congresso”, comenta. Ele compara o momento político atual, “caótico e de constantes ataques à presidente e ao Partido dos Trabalhadores”, com a confusão que a religião provoca. “Isso tem tudo a ver com religião, porque não é um discurso de argumentos, apenas de certezas. E a política é espaço de debate. Já a fé exclui o argumento e deseduca a população”, avalia.

Fala povo: O Estado Laico é respeitado na Câmara dos Vereadores?

Sobre o tema, Impressão Digital 126 realizou uma pesquisa com 21 entrevistados. Os resultados apontam que 90,5% considera que os vereadores não têm respeitado a laicidade em suas gestões. Entre os entrevistados, apenas 14,3% acha que projetos como o de Cátia Rodrigues não devem ser impedidos. A pesquisa ainda mostrou que 90,5% acredita que a defesa de certos posicionamentos religiosos em projetos de lei tem crescido e 81% acha que envolver religião e política pode ser prejudicial à democracia. Veja abaixo gráficos com as respostas.

De acordo com a enquete, a maioria considera que não se deve envolver religião e política

A maioria dos entrevistados acredita que os vereadores não tem respeitado o Estado Laico

66,7% dos entrevistados acredita que o Dia Anti Aborto restringe os direitos individuais

Meditação

Meditação ao alcance de todos

A meditação traz benefícios à saúde e é fácil de praticar; veja como e onde começar Por Ariadiny Araujo, Daniel Cheles e Raquel Saraiva Sentar em posição confortável, manter-se em silêncio, com a coluna ereta e prestar atenção na respiração. Para quem nunca tentou, meditar pode parecer fácil. Para quem pratica, às vezes é até […]

Ariadiny Araújo, Daniel Cheles, Raquel Saraiva - 6 de novembro de 2018

Universidade para todos

A universidade é para todos

Projetos sociais preparam alunos de baixa renda para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) Ingressar no ensino superior, especialmente em uma universidade pública e, é o sonho de grande parte dos jovens que concluem o ensino médio. Entretanto, o acesso a esse nível de ensino, sobretudo para pessoas menos favorecidas socioeconomicamente, nem […]

Alana Bittencourt, Daniel Brito e Filipe Oliveira - 27 de novembro de 2018

Atividades Físicas

Atividades físicas e millennials

Por Marianna Jorge, Melissa Pereira e Rebeca Bhonn.  Quem nasceu entre o início da década de 1980 até meados da década de 1990 é conhecido por setores de marketing como os millennials. Também chamados de geração do milênio, geração da internet ou geração Y, eles se tornaram fruto de pesquisas para gestão de negócios em […]

Rebeca Bohn, Mariana Jorge, Melissa Altahona - 27 de novembro de 2018

Refugiados

Venezuelanos tentam uma nova vida no Brasil

Fugindo de uma grave crise político-econômica, aproximadamente 200 venezuelanos tentam uma nova vida na Bahia Deixar para trás sua residência e seu país de origem não é uma decisão fácil. O drama é ainda maior quando o êxodo é, na verdade, uma fuga. Por conta de uma grave crise sócio-econômica, milhares de venezuelanos têm fugido […]

Cristiane Schwinden e Levy Teles - 27 de novembro de 2018

crise

Kate White: a escola para princesas à beira do fim

Numa das vias mais movimentadas de Salvador, a Rua Carlos Gomes, o letreiro colorido de branco e vermelho acima de um muro bege anuncia a lembrança de um passado. Entre as décadas de 40 e 70, era sob aquela placa que passavam as jovens abastadas da cidade. Uma vez atravessada a pequena porta azul, seguia-se […]

Fernanda Lima e João Gabriel Veiga - 27 de novembro de 2018