Tags:, , , ,

Curso de Jornalismo da Ufba tem Bibliografia básica 60% brasileira; homens são o dobro de mulheres

Gabriel, Ian, Lucas, Maycon - 29 de maio de 2019

Perfil bibliográfico é debatido entre alunos e professores em meio ao contingenciamento executado pelo governo nas universidades federais. Material acadêmico pode mudar de cara nos próximos anos.

Um homem brasileiro na casa dos seus 50 anos. Esse é o perfil mais comum entre os autores indicados nas bibliografias básicas de disciplinas do curso de Jornalismo da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

O ID 126 analisou 19 disciplinas da graduação do curso. O estudo levantou o perfil de 167 autores de 135 textos, capítulos ou livros indicados nas bibliografias básicas da Faculdade de Comunicação (Facom). Quatro textos são coletâneas com autores de diversos gêneros e não entraram no cálculo.

A análise revela que, de todos os autores e textos apontados, existem dois homens para cada mulher na bibliografia. São 109 pensadores homens (65%) contra 54 autoras (35%) que baseiam as aulas do curso. Apesar da disparidade, duas autoras estão entre os três mais lembrados no curso: Itânia Gomes e Lúcia Santaella.

 

Juliana Gutmann, professora de Assessoria de Comunicação, conta que um impedimento institucional  não permite paridade e diversidade maior no panorama bibliográfico do curso: a biblioteca não tem materiais atualizados. A pesquisadora explica que os textos indicados nas ementas das disciplinas precisam estar disponíveis, obrigatoriamente, no acervo da biblioteca da instituição. “Por determinação da Ufba, temos que colocar nas referências obrigatórias livros que estejam disponíveis. A obrigação ocorre em um cenário em que o acervo da biblioteca é limitado”, declarou.

Para compor a reunião de livros classificados da universidade, o material indicado precisa estar em português e disponível em versão impressa. A regra é citada por professores como elemento limitante da sugestão bibliográfica para os programas das disciplinas. A reportagem tentou entrar em contato com o Sistema Universitário de Bibliotecas para ouvir outra versão do que é dito por docentes, mas não obteve sucesso.

Quando o perfil bibliográfico do curso é analisado por nacionalidade, os números revelam ampla maioria para a existência de autores brasileiros. São 94 acadêmicos tupiniquins em um universo de 100 autores originários da América do Sul (60%). Europeus e norte-americanos somam outras 60 indicações (36%) nas bibliografias. 

Com menos representação, autores asiáticos, africanos e caribenhos são lembrados apenas quatro vezes na bibliografia

A maior parcela de produções científicas brasileiras na base científica do curso de jornalismo é revelada no mesmo período em que o Ministério da Educação (MEC) determinou o congelamento de 30% da verba do ensino superior no país. Especificamente na Ufba, o bloqueio total chega a R$ 55 milhões – O MEC admite pelo menos o congelamento de R$ 50 milhões.  Ao defender a revogação da medida pelo governo, o reitor da federal baiana, João Carlos Salles, ressaltou que se o bloqueio não for suspenso, haverá um impacto “significativo” no funcionamento da universidade até o final deste ano. A paralisação também é esperada em outras unidades do país. O mapa abaixo mostra o peso da produção acadêmica brasileira na bibliografia do curso de jornalismo da Facom.

 

Com menos representação, autores asiáticos, africanos e caribenhos são lembrados apenas quatro vezes na bibliografia: o egípcio Eric Hobsbawm, indicado com “A Era dos Extremos” na matéria Comunicação e Atualidade I; o jamaicano Stuart Hall, com dois textos na disciplina “Comunicação e Cultura Contemporânea”; e o palestino Edward Said, com “Cultura e Imperialismo”. Na breve passagem pela bibliografia, os quatro textos trazem a tona o cenário da cultura e da sociedade sobre a ótica de opressões e estruturas sociais.

 

O perfil bibliográfico do curso pode ganhar olhos mais puxados nos próximos anos. Professores da instituição como Wilson Gomes tem encontrado qualidade acadêmica em trabalhos elaborados por pesquisadores asiáticos. A presença destes estudiosos já é atual em alguns projetos do docente e ele explica o porquê.

“No meu ramo de atividade tem um conjunto de autores asiáticos que é enorme. Está crescendo por quê? Grande investimento de formação de professores. As universidades de lá são de alto nível, produzem muita pesquisa e publicam bastante. Por enquanto, a pesquisa na minha área é centrada nos Estados Unidos e nos países da língua inglesa, continuará sendo inglês, mas estão vindo os asiáticos fortemente.”

Para Gomes, os possíveis contingenciamentos de verbas nas Universidades Federais farão com o que o Brasil fique aquém deste novo grupo de expansão acadêmica: “O que eu ganharia citando asiáticos [hoje]? Mas daqui a pouco estou citando mais porque a Ásia mudou. O Brasil vai perder essa corrida porque o governo resolveu diminuir em 30% o investimento em pós-graduação”, pontua.

Racismo acadêmico

O aluno de jornalismo Kelven Igor, do 8° semestre, lembra que não bastam apenas a introdução de autores africanos ou asiáticos nas aulas, mas que os textos refletem a vivência dos estudantes. “A academia, principalmente aqui no Brasil, ainda é inacessível para boa parte da população negra. Acredito que isso também deve ser colocado na conta. É preciso rever a bibliografia e incorporar o pouco de produção de autores negros que temos para que as pessoas se sintam representadas e discutam problemas que vivem no campo da Comunicação”, frisou.

O coro de crítica pelo perfil padrão da bibliografia faconiana foi aumentado pela aluna Beatriz Rosentina, do 6° semestre de jornalismo. “Os textos que a gente lê são muito mais sobre a comunicação em si, e não focam no exercício da atividade jornalística”, ponderou. Para Beatriz, as indicações pouco diversas são reflexo dos professores da faculdade. “A maioria não trabalha com jornalismo”, argumentou. “A bibliografia faz a gente ficar sempre enxergando com a visão que já é a tradicional. A gente fica insistindo e voltando nossos conhecimentos para isso”, completou.

Um ranking do jornal Folha de S.Paulo mostrou que o curso de Jornalismo da Facom está entre os melhores do Brasil quando o assunto é teoria, mas amarga a 23° colocação quando a conversa é a avaliação do mercado sobre a preparação dos alunos egressos para o trabalho

A maior parte das críticas de alunos ao perfil bibliográfico pouco diverso é acompanhado do conceito de racismo acadêmico, que define como estrutura de exclusão a não inclusão de autores negros no ambiente acadêmico. Para o teórico da Universidade de São Paulo (USP) José Jorge de Carvalho, as cotas estrearam uma nova fase de políticas afirmativas no Brasil que ainda são limitadas pela pouca reflexão e confronto com autores negros que alunos cotistas têm durante a formação. “Afirmo que as teorias e as interpretações das relações raciais no Brasil sempre foram elas mesmas racializadas, como consequência da distância e do isolamento mútuo que tem caracterizado as relações entre os intelectuais e acadêmicos brancos e os intelectuais e acadêmicos negros”, escreveu Carvalho em artigo publicado na Revista USP do biênio 2005-2006. Faça o download gratuito e legal do artigo aqui.

Não é estatística

Ao considerar o questionamento dos alunos que reclamam da baixa representatividade de gênero e cor, a professora Itânia Gomes, de Comunicação e Cultura Contemporânea, ressaltou que a montagem da bibliografia da disciplina na qual leciona não é estatística: “Não é sobre ter tantos negros, tantas mulheres. Os autores são selecionados com base na minha escolha, baseado com o que acho importante para o campo que ensino”. Se a matéria fosse estudos feministas…”, dispersou.

Apesar da disparidade entre homens e mulheres na bibliografia, o levantamento revela que Itânia Gomes é a autora que mais aparece nas bibliografias básicas nas disciplinas obrigatórias da Facom. Com seis entradas, todos os textos de Itânia foram incluídos pela própria pesquisadora na sua ementa. “Minha disciplina é ampla, panorâmica”, finalizou a professora. Ela é seguida por Wilson Gomes e Lúcia Santaella com 5 entradas cada um.

A professora Maria Carmen, de Elaboração de Projeto, minimizou o peso que o perfil do autor terá na formação do estudante. Para a pesquisadora em Televisão, não é porque um pensador é homem ou mulher que ele produzirá necessariamente conhecimento de maior ou menor qualidade sobre determinado tema. “O que conta é o que está escrito ali. Eu vejo a qualidade. Não sou capaz de dizer para você, não tem estudo sobre isso, porque no campo científico tem mais homens que mulheres. Há estudos que têm mostrado que na tradição científica, por exemplo, é muito mais difícil para as mulheres fazerem carreira, por questões das mais diferentes”, argumentou. Escute a entrevista completa:

 

Na média, os textos usados para dar base às matérias da Faculdade de Comunicação foram escritos em 1999. O texto mais antigo aplicado nas disciplinas é o livro “Fundação da Metafísica dos Costumes”, do russo Immanuel Kant, passado aos alunos de Comunicação e Ética. O mais novo, escrito em 2018, é “A Democracia no Mundo Digital: História, Problemas e Temas” de Wilson Gomes, adotado na sua própria matéria na Facom (Comunicação e Política).

Com seis entradas, Itânia Gomes é a autora que mais aparece nas bibliografias básicas nas disciplinas obrigatórias da Facom. Todos os textos dela foram incluídos pela própria pesquisadora. Logo em seguida vem Wilson Gomes e Lúcia Santaella, com 5 entradas cada um.

Na questão da temporalidade, Gutmann faz uma ressalva ao dado de que pelo menos 40% dos textos usados nas disciplinas foram escritos no século passado. “Têm áreas que o campo da Comunicação correu mais, escreveu mais. Teorias da Comunicação, por exemplo, é uma área de referências bem clássica”, disse. A professora avaliou ainda que a aula é a melhor aliada para a formação atualizada do aluno e que ninguém fica preso apenas à bibliografia básica. “A parte prática vamos fazendo no dia a dia. Existem as referências basilares e, todo semestre, eu vou garimpando outras. Às vezes não posso colocar no plano de curso porque não tem na biblioteca. Então indico, nos textos sugeridos, e peço que leiam referências de revistas atualizadas da área”, completou a professora.

 

 

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021