Tags:, , , ,

Bahia fica atrás de CE e SC em ranking de doações de órgãos

- 5 de fevereiro de 2014
Índice de negativa familiar no estado é um dos mais altos do país

Texto: Ítalo Richard e Marília Cairo
Foto: Shirlene Andrade/ Labfoto

Embora seja o quarto estado mais populoso do país, a Bahia ocupa apenas a décima-terceira posição no ranking nacional de doadores de órgãos efetivos, com apenas 8,4 doações por milhão de habitantes – bem atrás de estados menores, como Ceará (21,1 doações por milhão) e Santa Catarina (24). Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) feito no primeiro semestre de 2013.

O relatório aponta ainda que, no mesmo período, a Bahia obteve um dos piores índices do Brasil de negativa familiar (69,32%), o que, segundo a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), é o principal impedimento para que o estado possa atingir posição de destaque em número de transplantes. O mau resultado foi verificado mesmo após tentativas de sensibilização da população por meio de campanhas com o apelo “Doe órgãos, doe vida”, que está presente em diversas campanhas de conscientização nos meios de comunicação em todo o país.

Infográfico: Taylla de Paula

Apesar das campanhas de conscientização que o estado afirma realizar, muitas informações relacionadas à doação de órgãos ainda não são de amplo conhecimento da população. A possibilidade de retirada da córnea num período de até seis horas após a parada do coração, por exemplo, é uma das informações, segundo  a oftalmologista Milla Sampaio,  desconhecidas pela maioria das pessoas, o que impacta no número de doações:  “As pessoas não sabem que é possível fazer a doação de córnea com o coração parado. Após o óbito nós temos seis horas para fazer a retirada da córnea e ninguém sabe, então ninguém manifesta o desejo de doar, ao contrário de outros estados.”

Seguindo a legislação brasileira atual, basta que familiares, respeitando-se os graus de parentesco determinados em lei, assinem, com duas testemunhas, um termo de anuência após a comunicação da morte do paciente em acordo com critérios do Conselho Federal de Medicina, para que os órgãos de uma pessoa possam ser retirados.

A vontade da família do paciente prevalece sobre sua declaração em vida no que se refere a doação, conforme explica Milla, que é coordenadora do Banco de Olhos da Bahia, no Hospital Roberto Santos. “Hoje, carteira de identidade não tem essa coisa oficial. Se estiver escrito doador de órgãos, e se a família não autorizar, não é retirado, mesmo se você tiver se manifestado durante a vida. Quem vai autorizar é quem está vivo. Então por isso é que é importante que a pessoa, enquanto estiver viva, manifeste o seu desejo. Para que o familiar conheça o desejo da pessoa e decida.”

Material armazenado para transplantes

Razões da negativa – Ainda que venha tendo um desempenho aquém do ideal, a Bahia está aprimorando o seu programa de transplantes. Segundo América Carolina, enfermeira e coordenadora da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDOS), o programa na rede de saúde ainda é jovem se comparado a outros. “O estado começou a se organizar de fato a partir do ano de 2006. Foi quando se implementou o programa de transplantes e começaram os investimentos. Nós temos grandes conquistas a partir dessa data.”

Apesar dos avanços, a enfermeira atribui ao reduzido número de doadores o entrave crucial para a ampliação da oferta de transplantes: “Em 2013, nós identificamos aproximadamente 450 potenciais doadores, que é um número ainda baixo para a quantidade de óbitos que o Estado registra. Destas notificações, nós só efetivamos 97 doadores. Grande parte desses potenciais doadores evoluíram para negativa familiar, o que ocasiona o baixo número de doações e consequentemente o baixo número de transplantes”, explica.

Em 2013 ,as equipes começaram a registrar as principais causas de negativa familiar. América revela que as justificativas são baseadas em alguns mitos. “As principais causas identificadas foram a não aceitação da morte. Existem ainda algumas lendas urbanas que se disser que é doador vão tirar os órgãos da pessoa ainda viva, que vai deixar morrer para tirar os órgãos. Isso não existe, o programa do transplante no Brasil inteiro é extremamente seguro. O diagnóstico de morte encefálica é feito com muita segurança”, diz.

Um dos motivos para a negativa estaria também ligado à ideia de mutilação. Para muitas pessoas, a retirada do globo ocular, por exemplo, traria prejuízos à estética do paciente falecido: “Às vezes a família questiona se vai ficar com um aspecto mutilado, por exemplo, se vai ficar alguma deformidade no rosto, e a equipe explica que não, por que quando tiramos o olho preenchemos a cavidade para que não fique fundo. Preenchemos e fazemos uma sutura na pálpebra, então dá a impressão de que o paciente está dormindo.”, explica a oftalmologista.

Filas de espera – Na Bahia, são realizados transplantes de fígado, rim, córnea, osso e medula. Existem atualmente no estado cerca de 2.140 pessoas na fila de espera por algum transplante. A maior fila é a de rim, com 1027 pessoas, cujo tempo médio de espera pode chegar a três anos e meio. Em seguida vem a de córnea, com quase 900 pacientes, terceira maior do país. A situação é diferente em estados vizinhos. Pernambuco, Sergipe, Alagoas e Ceará já conseguiram zerar a fila de transplante para esse órgão. “Não é que não tenha ninguém listado, mas eles conseguem atender no mês aqueles pacientes que entram na lista”, diz América.

Milla aponta a falta de conhecimento da população como o motivo para que a Bahia não consiga obter fila zerada para transplante de córnea. Aliado a isto, outros fatores impactam na posição que o estado atualmente ocupa, tendo em vista que o Programa de Transplantes da Bahia ainda está em um estágio menos avançado de desenvolvimento se comparado à outros estados brasileiros. Transplantes de coração e pulmão, por exemplo, ainda não são realizados.  O estado do Ceará, que já realiza transplantes de coração, tem investido em ações de conscientização. No ano passado, foi lançada, pelo próprio governo do estado do Ceará, na Semana Nacional de Doação de Órgãos, a Campanha “O verdadeiro poder está em você. Seja um doador de órgão. Salve vidas.” , que faz analogia a heróis dos quadrinhos. Na Bahia,  as Campanhas de conscientização praticadas pelo estado tem sido somente as produzidas pelo governo federal para veiculação nacional.

Quanto ao número de postos de Procura de Órgãos, as OPOs,  que reune profissionais treinados para abordagem de familiares de potenciais doadores em hospitais, ainda é muito reduzido, visto que a Bahia dispõe deste serviço em apenas sete unidades em toda a sua rede de atendimento. Ao todo, uma média de 70 profissionais atendem à esta demanda.

Saiba mais sobre o Programa de Transplantes

Arte: Taylla de Paula

Doadores e Não Doadores – Apesar de a literatura médica apontar que a maioria das religiões não condenam a doação de órgãos, algumas justificativas de caráter religioso são usadas pelas famílias para não concretizar a doação. “Na Bahia a gente tem muito forte o sincretismo religioso e isso de alguma forma interfere. Os fiéis conhecem um pouco da filosofia das igrejas. Nós nos deparamos muito com ‘Não vou doar porque eu acredito no milagre, porque Deus vai operar o milagre’; esse também é um motivo colocado pelas famílias”, destaca a enfermeira.

Para o funcionário público Patrick Brasileiro, 34, que se declara não doador, a justificativa se baseia no destino de cada pessoa. “Eu já declarei à minha família que não sou doador. Acredito que cada pessoa que se encontra nessa situação está predestinada a passar por esse sofrimento”, diz. Não é o que pensa sua mãe, Romana Brasileiro, 63, que é doadora e já deixou claro para a família a sua escolha. “Acho que nós ainda podemos ajudar a quem precisa, mesmo depois da morte, aliviar o sofrimento das pessoas nessas condições. Eu fico imaginando uma família que possa estar passando por esse sofrimento, então ser doador é um gesto de generosidade com o próximo. Acho bonito você ter a oportunidade de salvar uma vida. Você morre, mas a outra pessoa nasce de novo.”

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021