Tags:, , ,

“As pessoas precisam de muito mais do que uma seringa”, afirma Dr. Tarcísio

- 15 de julho de 2013

As ações de redução de danos ainda enfrentam obstáculos como a falta de comprometimento da gestão pública com o atendimento eficaz ao usuário

Luana Oliveira e Tayse Argôlo

O médico psicanalista Tarcísio Matos de Andrade foi um dos precursores das ações em redução de danos na capital baiana quando estas começaram ainda no início da década de 1990. Hoje, como coordenador geral do programa de redução de danos da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Tarcísio aponta inúmeros problemas enfrentados pelo programa, como o descaso do governo municipal com a saúde pública dos dependentes químicos e pacientes com problemas psiquiátricos.

Impressão Digital 126 – O senhor é um dos precursores nas ações de redução de danos em Salvador. Como essas ações começaram?

Tarcísio Matos de Andrade – Quando se iniciou no início da década de 1990, a redução de danos era vista como uma ação específica, como a distribuição de seringas para usuários de drogas injetáveis ou dar cachimbo para pessoas que usavam crack. Era uma medida concreta de saúde. Como os usuários são estigmatizados, eles não procuram esses serviços dentro das unidades de saúde, então é preciso ir às ruas para chegar até elas. E neste contato se descobriu pessoas com demandas enormes e com histórias de vida bastante sofridas. Descobriu-se que as pessoas precisam muito mais do que de uma seringa. Redução de danos, então, não podia se limitar a fornecer utensílios, teria que ser mais que isso.

ID 126 – Como se dá, então, essa aproximação com os usuários nas ruas?

T.M.A – Para que estabelecêssemos uma relação de confiança com os usuários, ela tinha que ser horizontal, olho no olho, com a mesma linguagem. Não poderia ser no modelo do tratamento médico, em que eu é que sei o que ele precisa. A pessoa que usa droga parte da ideia de que é ela quem usa e, portanto, de que é ela quem sabe se a droga é boa ou ruim. Em geral, o sujeito age na defensiva. Vive em situação de rua ou sofre muita violência, então ele não tem porque confiar nas pessoas. Você precisa se apresentar da forma mais horizontal possível. Isso se aproxima do método educacional de Paulo Freire, o que não tem em nada a ver com as práticas de saúde. Você tem que ser capaz de olhar o indivíduo como um igual, que precisa ser visto em todos os seus aspectos e construir junto uma solução.

ID 126 – Existe uma capacitação do profissional de saúde para estabelecer esse contato com o usuário?

T.M.A – Nós tínhamos um projeto com a prefeitura, mas que não funciona desde dezembro de 2012, e que se destinava a capacitar a atenção básica. A meta deste projeto era atender 250 agentes comunitários por ano, 40 enfermeiras e também outros profissionais. Recebe-se um treinamento, informações de porque as pessoas usam drogas, aspectos legais relacionados ao uso, aspectos socioantropológicos. Enquanto universidade, nós fizemos a nossa parte. Mas nós tivemos uma gestão municipal desastrosa. O plano de governo foi de uma fragilidade imensa no sistema de saúde. Mais importante do que prover um curso de capacitação, é fazer um acompanhamento nas unidades capacitadas e buscar um retorno junto aos agentes. Mas quando voltávamos lá, as unidades estavam fechadas, funcionários tinham terminado contrato, estavam em greve ou tinham sido transferidos para outra unidade distante. Um descontrole absoluto da gestão municipal! Por conta disso, nós não conseguimos avançar como gostaríamos. A essa altura, Salvador já deveria ter toda sua rede básica capacitada pela faculdade de medicina. Nós lutamos por isso ao longo de seis anos e não conseguimos. Quando entrou essa gestão municipal, que é uma gestão que temos expectativa de algo mais organizado, estávamos com expectativa de que o projeto fosse continuar. Não sei qual será a política de atenção ao uso de drogas do município, mas até agora não teve continuidade.

ID 126 – O senhor acredita em uma solução para o problema do uso das drogas?

T.M.A – Não existe o fenômeno das drogas como as pessoas engrandecem. A droga é um problema de saúde pública que interfere na saúde das pessoas como qualquer outro problema. Mas a gente vai resolver a atenção ao uso de drogas quando ela fizer parte da atenção básica e for considerada uma prática de saúde igual às outras, do mesmo jeito que você cuida de pessoas com diabetes ou hipertensão. Então você passará a ter toda uma rede cuidando dessas pessoas.

O serviço especializado para atender dependentes químicos deveria ser apenas para os que estão em situações mais complexas e graves. Dentro de uma visão que está no papel em lei, o usuário de drogas comum deve ser atendido na saúde básica. Uma pessoa que faz uso exacerbado vai para os CAPS, e um com maior gravidade vai para situações de internação num hospital psiquiátrico – isso no papel, porque na prática é diferente. O que complica a situação dos usuários são as comorbidades psiquiátricas, ou seja, quando a pessoa desenvolve um quadro grave de psicose, ou de depressão, por exemplo, associado ao uso da droga.

ID 126 – Qual a importância da existência dos CAPS no tratamento de dependentes químicos?

T.M.A – O CAPS é um serviço muito importante porque é um dispositivo da rede básica, dentro da saúde mental, trabalhando em um determinado território. No [CAPS] Gregório de Matos, temos seis redutores de danos que atuam cotidianamente nas ruas, prestando apoio às pessoas que já foram atendidas por nós anteriormente para fazer um acompanhamento, mas também encontrando novas pessoas, falando do CAPS para elas e avaliando se elas precisam vir aqui ou não.

ID 126 – A rede CAPS de Salvador age de forma suficiente?

T.M.A – Além de dar assistência ao usuário, o CAPS também tem como função orientar outras instituições de saúde, fazer visitas domiciliares à pessoas que estão acamadas e não podem vir pra cá. No campo são atendidas tantas pessoas quanto na sede. Só que na cidade deveria haver um CAPS AD [Centro de Atenção Psicossocial para usuário de Álcool e Drogas] para cada 200 mil habitantes. Como Salvador tem cerca de 2 milhões de habitantes, nós deveríamos ter pelo menos 10 CAPS, e só temos três! E destes, dois funcionam mal porque estavam ligados a antiga gestão municipal.

ID 126 – A redução de danos facilita a reinserção do usuário na sociedade?

T.M.A – Com a redução de danos, os usuários vão diminuindo o consumo e podem até parar de usar. Mas o grande entrave é a falta de renda. As pessoas deixam as drogas mas não tem como se sustentar, e o Estado não tem estrutura para dar suporte a elas. Não existe uma politica para o usuário de droga, mas sim uma politica de estado dentro dessa ótica verticalizada do que é bom para as pessoas que vivem na rua. Então elas não têm para onde ir e voltam às origens, porque não existe uma perspectiva de futuro para elas garantida pelo Estado.

Soma-se a isso que o Estado se apodera do uso de drogas para explicar a violência, para explicar a incompetência do estado em proteger o cidadão. O uso de drogas cai como uma luva na miséria social, por isso o consumo é maior nas regiões periféricas. População jovem, sem qualificação para o trabalho, pobre e negra. A origem não é a droga, mas a pobreza, a desvalia social. O governo mascara isso quando ele coloca a droga como causa.

ID 126: – Qual a maior dificuldade enfrentada hoje pelas ações de redução de danos?

T.M.A – A redução de danos não pode estar apenas no registro da saúde pública, tem que influenciar em politicas públicas para o trabalho, para a cidadania e a segurança. Entretanto não existe uma politica do Estado nem do município para haja um cuidado com os usuários de drogas. Para isso acontecer, é preciso levar em consideração quem são essas pessoas e qual o tipo de vida que elas têm.

Outro problema é a descontinuidade administrativa. Em 2002, tínhamos 265 programas de redução de danos no país. Quando entrou o governo do PT, houve um desmonte nos programas. Pouco tempo depois nós tínhamos 40 programas funcionando, e hoje temos ainda menos. Fica difícil darmos uma continuidade às ações dessa forma.

Leia mais

Rede de assistência a usuários de álcool e drogas em Salvador

Redução de danos em Salvador: menos preconceito, porém muitas dificuldades

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021