Tags:

A potência da literatura negra

- 31 de agosto de 2017

Escrita, leitura publicação e circulação, retratos de uma a resistência cultural

Jonas Lima e Rosana Silva

O que nos dizem nomes como os de Lima Barreto, Maria Firmina dos Reis, Luís Gama, Maria Carolina de Jesus? Em épocas diferentes, esses escritores negros deram voz à questão racial em seus escritos e seus textos foram rejeitados pelos críticos. A situação atual ainda é semelhante. A expressiva presença de escritores negros e negras no campo da literatura ainda é invisível para mercado editorial. Pesquisa mostra que dos 165 escritores que publicaram nas três principais editoras do país, de 1990 a 2004, apenas 2,4% são negros.

Ana Fátima dos Santos, educadora, mestre em crítica cultural, escritora, explica os desafios de ser uma escritora negra no campo da literatura na Bahia e no Brasil. “É desafio, é invisibilidade, é dúvida alheia sobre a sua potencialidade e mais do que nunca, é a minha certeza que sei fazer literatura. Tenho direito a voz e a ser ouvida/lida”. Enquanto escritora, Ana Fátima dos Santos publicou poemas em sites, revistas, projetos literários. Publicou contos e poemas no  Mulher Poesia: Antologia Poética Volume I e II (2016 e 2017), obra composta por mulheres poetas, como também no Cadernos Negros (Quilombhoje, vol. 37, 38 e 39, 2014-2016), desde 1978 a publicação tem dado visibilidade a literatura negra.

Ana Fátima dos Santos no lançamento da Antologia, Mulher Cogito (2017) (Foto: Arquivo pessoal)

Marcelo Ricardo é estudante de jornalismo e escritor (Foto: Editora Malê)

Já para o estudante de jornalismo e bacharel em humanidades, Marcelo Ricardo, o fato de ser negro, a necessidade do domínio da escrita e da oratória eram fatores que o distanciava do lugar do escritor. .  “O fato de ser negro sempre me distanciou de titulações muito poderosas. Lembro ter ouvido do Vagner Amaro, editor da Malê, que eu deveria me considerar escritor. Eu lembro como hoje o que aquilo representava. Não era só ter publicado, mas a empatia e o reconhecimento de um homem negro de minha produção”. Marcelo Ricardo já publicou na coletânea letra e tinta: Dez contos vencedores do prêmio Malê de Literatura, da editora Malê (2016), no projeto Enegrescencia, da editora Ogum’s.

A publicação dos livros pelos escritores negros é mais um desafio encontrado no campo literário, como explica Ana Fátima dos Santos. “Há dois anos luto para fazer minha primeira publicação autoral e as editoras não compram meu projeto ou não me dão orçamento para eu publicar com elas. Se não tenho nome forte no mercado editorial, não tenho “crédito”. Marcelo Ricardo também afirma que as possibilidades para publicação são difíceis. “É algo caro para a gente que é periférico. Ficamos às margens desse mercado”.

Este problema pode ser percebido quantitativamente. Numa pesquisa realizada pela professora da UNB, Regina Dalcastagné, que buscou traçar o perfil dos escritores e os personagens da literatura brasileira na contemporaneidade, em 258 obras publicadas de 1990 a 2004,  nas três principais editoras  brasileiras (Record,  Companhia das Letras e Rocco), foi constatado que 93,9% dos autores e autoras são brancos. Dos 1.495 personagens pesquisados,  97,8% são brancos e 7,9% são negros. A pesquisa aponta para a falta da diversidade da literatura contemporânea, como foco no mercado editorial, marcada pelo predomínio de uma única perspectiva social, que é branca e elitista.

A necessidade da circulação das obras tem feito os autores buscarem alternativas para além do mercado editorial. Fabrício Britto, leitor e escritor, explica que a explosão da internet possibilitou bastante a leitura da literatura negra por meio dos blogs, sites, redes sociais.  “Há também uma tradição do movimento de poetas que é a construção artesanal de livretos com poemas, contos e prosa, que são distribuídos e/ou comercializados nos coletivos, lanchas e quaisquer outros meios de transporte público”.  Ana Fátima diz que existem muitas maneiras de fazer  circular a literatura negra. “pequenos livretos, banner, entrevistas, bate-papos, tantas formas de colocar a escrita negra no mundo. Sem precisar gastar apenas um ou cinco nomes sempre. É necessário popularizar a escrita negra com o selo Livro. Preto também publica livro, e muito”.

Editora negra para autores negros

Para que as produções de escritores negros tenham maior visibilidade no campo literário, editoras foram criadas, em alguns estados brasileiros, dispostas a produzir e fazer circular obras da literatura negra.  Em Salvador, a editora Ogum’s tem desempenhado este trabalho.

Numa entrevista feita por e-mail, os editores Guellwaar Adún e Mel Adún,  da editora Ogum’s,  explicam que a negligência do mercado editorial  – relacionada às produções de autores e autoras negras –  foi um dos motivos para a criação da editora.   “Fomos provocados para essa iniciativa, de forma ainda mais veemente, no ano de 2013, o Brasil foi homenageado pela Feira do Livro de Frankfurt e ao escolher xs (sic) 70 escritorxs (sic)  que representariam a literatura brasileira, elegeram 68 brancos, um escritor negro, um autor indígena”.   Guellwaar Adún relata que  Marta Suplicy, na época respondia pela pasta da ministra da cultura,  justificou a escolha dos escritores não pela cor da pele, mas pela “qualidade literária”, afinal, as cotas raciais eram recentes no país e futuramente existiriam escritores negros qualificados. “A  ministra matou, em vida, autorxs  conhecidxs e estudadxs (sic) pelo público alemão em suas universidades, pois dezesseis escritorxs (sic)  foram traduzidxs (sic) na década de oitenta, a exemplo de Oswaldo Camargo, Miriam Alves, José Carlos Limeira, Cuti, etc. Naquele momento, entendemos que não poderíamos esperar, do epistemicida estado brasileiro, nenhuma iniciativa louvável. Arregaçamos as mangas. Estamos aqui”.

 “Autores negros reafirmam a cultura negra, reafirmam uma história ancestral que na maioria das vezes é apagada e negada”, Monique Reis, estudante de produção cultural.

Livro Xirê, de Eduardo Oliveira, lançado
em 2016 (Foto Arquivo Pessoal)

A editora Ogum’s publicou quinze livros nos gêneros crítica literária, poesia, romance, infanto-juvenil, memória e teorias.  A divulgação das obras acontece por meio das redes sociais, do site (www.editoraogums.com), onde há uma loja virtual, além das ações realizadas pelo coletivo artístico e literário Ogum’s Toques Negros. “O custo da divulgação é extremamente alto. Contudo, outras possibilidades de ampliarmos a visibilidade de nossas obras estão sendo produzidas e em breve entrarão em vigor”.  O selo Traduzindo no Atlântico Negro também possibilitará a exposição das publicações em outras línguas, como o inglês.

A busca do público pela literatura negra é perceptível por meio da movimentação no site da editora Ogum’s.  “Atribuímos ao potencial ético-estético de nossos livros e autorxs, (sic) mas também ao próprio público leitor que, compreendendo a importância da existência dessa iniciativa, tem divulgado entre seus pares através de suas listas de email, redes sociais, blogs, defesas de TCC’s, dissertações, teses”, enfatiza Guellwaar Adún.

Literatura negra para quem consome

Por outro lado, os leitores têm papel importante na valorização da literatura negra, como afirma Monique Reis, estudante de produção cultural. “Autores negros reafirmam a cultura negra, reafirmam uma história ancestral que na maioria das vezes é apagada e negada. Também reforçam a importância da representatividade de uma identidade o que para nós negros é fundamental principalmente se tratando de crianças”. Monique diz que após ingressar na Universidade, sua atitude mudou diante da literatura, após conhecer escritores e escritoras negros. “Daí em diante a leitura passou a ser por afinidade, especialmente nos últimos 2 anos, ela se faz ainda mais presente na minha vida”.

Já o estudante Fabrício Britto destaca a dificuldade de encontrar livros nas lojas e livrarias. Para ele, a literatura negra não está apenas reduzida às páginas de livros. “Eu diria, inclusive, que essa dimensão da oralidade/literalidade, de não se reduzir às páginas de um livro, constitui-se como mais uma característica da literatura negra. A literatura negra, portanto, é performática, vivencial e ancestral.”

Especial

Guerra da Água

No cerrado baiano, o agronegócio impacta a sobrevivência das comunidades tradicionais. A reportagem em áudio conta como a população de Correntina, no oeste da Bahia, tem sofrido ameaças e resistido à disputa por água em seu te Dê play e saiba mais sobre essa história. Material produzido a partir da proposta de pauta vencedora da […]

Leonardo Lima e Luísa Carvalho - 13 de dezembro de 2021

Editorial

Investigação participativa: reportagens que colocam o leitor no centro da história

Profa. Lívia Vieira As 13 reportagens multimídia feitas pela turma de Oficina de Jornalismo Digital em 2021.2 tiveram como base o conceito de investigação participativa. O termo, que em inglês é conhecido como engagement reporting, foi discutido em uma aula especial que tivemos com Giulia Afiune, editora de Audiências da Agência Pública. Na ocasião, Giulia […]

Profa. Lívia Vieira - 2 de dezembro de 2021


Racismo religioso

Salvador ainda é um ambiente inseguro para os praticantes de religiões afro

Dentro de casa ou no trabalho, praticantes de religiões de matrizes africanas relatam dificuldades na tentativa de exercer seu direito ao culto religioso. Expressões depreciativas, ataques a terreiros, xingamentos e até agressões. É assim que o racismo religioso se traveste de “opinião” em diversas partes do Brasil – incluindo Salvador, – uma das cidades mais […]

Josivan Vieira e Gabriele Santana - 1 de dezembro de 2021

Meio Ambiente

Salvador, primeira cidade planejada do Brasil, sofre com falta de infraestrutura

Habitantes de Salvador relatam problemas dos bairros onde vivem e denunciam falta de assistência do poder público. Os moradores de Salvador têm orgulho de dizer que vivem na primeira capital do Brasil. De propagandas até conversas em mesa de bar, soteropolitanos e pessoas que adotaram a cidade do axé e do dendê se gabam de […]

Brenda Roberta, Inara Almeida e Maysa Polcri - 1 de dezembro de 2021

Direito ao transporte

Assaltos a ônibus assustam população de Salvador

Cidadãos que dependem do transporte público relatam a experiência de insegurança cotidiana, embora Secretaria de Segurança Pública afirme que houve redução no número de assaltos a ônibus. Por Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar Oliveira Os assaltos a ônibus são uma constante e assustam a população de Salvador que depende do transporte público para seguir […]

Gilberto Barbosa, Leonardo Oliveira e Cesar O. - 1 de dezembro de 2021

Direito à Cultura

Consumo de livros digitais aumenta e obras físicas têm baixa durante pandemia de Covid-19

Especialistas explicam que pandemia impulsionou mudança em formato de leitura. Por Adele Robichez, Felipe Aguiar, Nathália Amorim, Vinícius Harfush Um levantamento realizado pela reportagem em Salvador indicou que as pessoas passaram a consumir mais livros no formato digital durante a pandemia de covid-19. Segundo a pesquisa, que selecionou 68 moradores da capital para responder perguntas […]

Adele R, Felipe A, Nathália A, Vinícius H - 1 de dezembro de 2021

Economia criativa

Os desafios de viver de arte durante a pandemia

Assim como nós humanos, a economia foi imensamente impactada pelo distanciamento social, mas, felizmente, uma possível vacina para curar o problema já existe, e se chama criatividade. Não é exagero afirmar que nenhum brasileiro e nenhuma brasileira escapou ileso dos diversos e inesperados desafios vividos nos anos de 2020 e 2021. E eles têm um […]

Paulo Marques - 1 de dezembro de 2021

Direito à religião

Comunidades de matriz africana lutam por prática religiosa em espaços públicos de Salvador

Intervenções em locais comunitários preocupam terreiros que dependem da vegetação natural para exercer cultos Por Geovana Oliveira, Luana Lisboa, Victor Hugo Meneses e João Marcelo Bispo Até hoje, a vodunsi Mãe Cacau se emociona ao falar sobre o início das obras para a Estação Elevatória de Esgoto na Lagoa do Abaeté. Quando as máquinas chegaram […]

Geovana, Luana, Victor Hugo e João Marcelo - 1 de dezembro de 2021

Ordem de despejo

O caso da comunidade do Tororó, em Salvador, e a violação do direito à moradia

Moradores recebem ordem de despejo da localidade que está sendo especulada para construção de um estacionamento de um novo Shopping Center “Como os moradores são quase todos do mercado informal, a prefeitura ligava para eles e oferecia dinheiro. Como estavam todos sem dinheiro, começaram a negociar com a prefeitura. Nisso, com quem já tinha negociado, […]

Álene Rios, Júlia Lobo e Thainara Oliveira - 1 de dezembro de 2021

Cinema de rua

Histórias de quem viveu o cinema de rua de Salvador

Entenda o que aconteceu entre a época de ouro do cinema de rua e a expansão das grandes redes Tomar um café enquanto espera o horário do filme, entrar numa sala de cinema pequena, com menos de 100 lugares, para assistir a uma produção nacional. Esse ritual, muito comum até a década de 1990, é […]

Carol Cerqueira, Catarina Carvalho e Maria Andrade - 1 de dezembro de 2021

Direito à mobilidade

Pessoas com deficiência denunciam falta de acesso ao transporte de Salvador

Falta de fiscalização afeta funcionamento de elevadores em coletivos. Gabrielle Medrado, Gustavo Arcoverde, Marcela Villar e Rafaela Dultra Cadeirante desde 2014 após uma tentativa de assalto, o baiano Luan Veloso, 32, é paracanoísta profissional e terceiro colocado no ranking dos melhores do Brasil na maratona de sua categoria, a KL1, na qual atletas utilizam como […]

Gabrielle Medrado,Gustavo Arcoverde,Marcela Villar - 1 de dezembro de 2021

RAP em Salvador

O ritmo não para: batalhas de rima movimentam a cultura nas comunidades

Batalhas de rap voltam a acontecer em Salvador após suspensão causada pela pandemia de Covid-19 Após quase um ano e meio da pandemia de Covid-19, o setor artístico e cultural soteropolitano começou a tomar fôlego com a última fase de retomada das atividades econômicas, decretada pela prefeitura da capital baiana no dia 9 de julho […]

Danielle Campos, Kamille Martinho, Renata Falcone - 1 de dezembro de 2021

Direito à Segurânça

Não vá que é barril: A violência contra motoristas de aplicativo em Salvador

“Foi quando ele pegou a arma e apontou na minha cara, aí foi complicado”. Estamos na rua Candinho Fernandes, Fazenda Grande do Retiro, Salvador. São 8h30 da noite do dia 23 de dezembro de 2019, perto da véspera de Natal. Anselmo Cerqueira, que é motorista por aplicativo, está com o carro estacionado. Dois homens se […]

Adriano Motta, Lula Bonfim e Victor Lucca Ferreira - 1 de dezembro de 2021

Gerar problemas não é saudável

Consumidores relatam transtornos e dificuldades com planos de saúde

Mensalidades  subiram  quase 50% este ano, conforme aponta um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Por Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama No dia 25 de Março, Maria*, grávida de cinco meses, precisou ser encaminhada às pressas para o Hospital Santo Amaro. Ao chegar lá, precisou realizar uma cesária de […]

Andressa Franco, Everton Ruan e Laisa Gama - 1 de dezembro de 2021