Tags:, , , , , ,

“O problema é que não existe leitor”, diz José Inácio Vieira de Melo

- 21 de novembro de 2011

Em entrevista, o poeta faz um panorama da poesia baiana

Por Carol Gomes e Vitor Villar

José Inácio Viera de Melo se intitula como alagoano da Bahia. É jornalista formado na Faculdade de Comunicação da UFBA, produtor cultural, editor da Iararana, revista de arte, crítica e literatura. Também coordena e é curador de vários projetos literários, especificamente de poesia, como o projeto Uma Prosa Sobre Versos, no município de Maracás, e Poesia na Boca da Noite (de 2004 a 2008), no restaurante Grande Sertão, em Salvador. Algumas das suas obras são Roseiral (Escrituras Editora, 2010) e A terceira Romaria (Aboio Livre Edições, 2005). Neste bate-papo, conversamos sobre poesia e sobre a Flica, claro.

Impressão Digital 126 – Quais são as maiores dificuldades para produzir um evento literário?

José Inácio Viera de Melo Todas as dificuldades que você imaginar. Em primeiro lugar, a cultura nunca é prioridade nem nos municípios, nem no estado.  Sempre quando você fala em cultura, tem mil e uma coisas na frente. Você tem que correr muito atrás, tem que ter muito jogo de cintura e fazer parcerias. Eu só faço evento quando eu posso pagar o escritor com dignidade: passagem, hospedagem, alimentação e um cachê. No meu caso, eu não busco apenas parcerias com o estado, eu também busco parceria com os comerciantes pra poder realizar.

Impressão Digital 126  – Vocês contam com alguma parceria para realizar o projeto Uma Prosa sobre Versos em Maracás?

JIVM Claro, contamos com a parceria da prefeitura de Maracás. O projeto é realizado todo mês em Maracás e em outra cidade do Vale do Jiquiriçá. E aí acontece em Maracás e Planaltino, ou Maracás e Jequié, sempre Maracás e outra cidade. Nós vamos às cidades, mostramos ao prefeito, alguns nem nos recebem, não dão a mínima, mas alguns se sensibilizam e querem saber do que se trata e assim fazemos essa parceria. Somente com esses apoios, conseguimos um valor que dê pra cobrir as despesas do nosso convidado.

Impressão Digital 126 Você acha que é caro sustentar a cultura?

JIVM Não, não acho. Eu acho que a vontade de investir é que é escassa. Em um projeto desse (Uma Prosa sobre Versos), que acontece mensalmente, eu não acho que seja caro gastar R$ 3mil. Ainda mais com o retorno que tem. Nós reunimos uma plateia de 400 a 600 pessoas em cada município. Você sabe a repercussão que um projeto desses tem dentro da comunidade? A cidade de Maracás tem um grupo de recital, chamado Grupo Concriz, que é referência dentro do estado como um todo. E é fantástico. Todos os autores que passam por lá ficam emocionados. Tem que ter vontade, ir atrás, buscar e acreditar que vai acontecer. Eu nunca me coloco no lugar de coitadinho, com o discurso de que é difícil publicar um livro. Não é nada difícil, a coisa mais fácil que tem é publicar um livro, com R$ 4 mil a R$ 5 mil você publica um livro. É fácil demais. E o problema não é distribuição, o problema é que não existe leitor.

Impressão Digital 126 – E essa singularidade do leitor e público de Maracás, como foi descoberta?

JIVM Não teve nenhuma descoberta. Um grupo de pessoas trabalhou na formação de público. São 30 jovens recitando, entre crianças e adolescentes. Esses jovens têm pai e mãe, tem irmão, só a família desse pessoal já reúne quase cem pessoas, um vai falando para o outro. Chegou um momento que o Grupo Concriz teve que fechar porque já tinha 60 pessoas querendo participar e eu não tinha demanda para treinar esse pessoal. E ver uma criança de 6 anos recitando um poema difícil, cada sílaba na sua devida extensão, pra chegar ao seu ouvido e entrar no seu sentimento, isso é um trabalho de formação. O problema da poesia no Brasil – não pense que é diferente no Rio de Janeiro, São Paulo ou em qualquer outra cidade – está na educação. Tem que pegar a criança e ler com ela, tem que dar condição ao professor para que ele tenha tempo de ler poesia e passar aquele gosto ao aluno. A questão é melhorar essa situação dos professores e fazer um trabalho de base em crianças. Não adianta eu te dizer que, a partir de hoje, você vai ler poesia. Você não vai ler. Mas se os seus pais e a escola tivessem lhe educado para isso, poderia ser que nós tivéssemos um leitor de literatura e, sobretudo de poesia, que é a arte mais sofisticada e colocada de lado completamente.

Impressão Digital 126 Você já é um poeta consagrado, mas certamente houve um momento em que teve que buscar seu espaço. Como as festas literárias podem ajudar para o surgimento de novos poetas e no amadurecimento de outros?

JIVM Dificilmente uma festa como a Flica, uma festa literária, dá espaço para um jovem como Darlon Silva na sua programação oficial. Para poder estar lá na programação oficial, tem que ter estrada. Eu já participei de várias festas e de vários outros eventos literários e nunca vi isso. Um sujeito normalmente quando é convidado para um evento como esse é porque já tem certo reconhecimento. Mas as festas querem mostrar para a plateia autores que o público quer ver, que eles já conheçam.

Impressão Digital 126 – Como é o processo de um poeta na divulgação do seu  trabalho?

JIVM Tenho um trânsito muito grande entre os poetas do Brasil, de todas as gerações e que estão vivos. São poetas de 90, de 50 e de 30 anos. Quando algum poeta quer fazer um lançamento aqui na Bahia, eles procuram a mim. Eu sou jornalista, sou um cara que trabalha bem essa coisa de divulgação, muitos até me chamam de marqueteiro, dizem “ah, ele faz carreira!”. Faço mesmo. Eu divulgando assiduamente meu trabalho já é uma luta de louco, imagine se eu ficar me achando gênio e esperando que venham dizer que sou iluminado? Não existe isso. Tem que acreditar e ir atrás. Exibo mesmo o meu trabalho e se possível me exibo junto com ele. Quem vai dizer se presta ou não é a plateia, sem a qual minha poesia não tem sentido enquanto livro, porque eu não faço poesia pensando em ninguém, faço poesia por uma necessidade minha. Mas a partir do momento que eu publico um livro, eu já estou querendo outra coisa, eu estou querendo que alguém leia.

Impressão Digital 126- E no sentido da exibição, você acha que uma festa como a Flica pode criar novos leitores? Qual é a força da festa para criar novos leitores?

JIVM Claro, a força da festa é aproximar o autor do público.

Impressão Digital 126 – E no caso de quem nunca entrou em contato com a obra do autor?

JIVM A partir do momento que você lê um poema e uma pessoa na plateia pega o microfone e diz o que aquela mulher disse [durante a mesa em quem José Inácio Viera de Melo participou, uma moça na plateia pegou o microfone e fez muitos elogios ao poeta], você conquistou um leitor. Foi a força da minha poesia e da minha apresentação. Essa minha presença enquanto autor, e o meu livro que está ali ao lado, vão fazer com que a pessoa na plateia, ao me ouvir ou ler algo do meu trabalho, compre o livro. Quem veio tem consciência de que veio para um evento literário, onde o que há são escritores e livros. De alguma maneira, são pessoas que têm interesse.

Impressão Digital 126 – Algumas pessoas podem ir para uma festa literária porque gostam de prosa e não se interessam tanto pela poesia. No caso, uma festa como a Flica pode influenciar leitores a gostarem de poesia?

JIVM Influencia. Essa foi a única mesa de poesia de toda a Flica, a única. Eu já tinha conversado com Aurélio (Schommer, curador da Flica), e ele percebeu. Eu disse a ele que acho que há um desequilíbrio muito grande aí. A poesia baiana tem muitos nomes que estão bem mais adiante do que eu, enquanto trajetória. Eu não estou me valorando aqui, mas existem poetas da geração 60 que estão aí e são nomes consagrados nacionalmente. Mas de qualquer maneira esta Festa é tudo de bom. Qual foi a outra festa literária que teve na Bahia até hoje? É a primeira. Tem a bienal que é um formato completamente desgastado, é um evento para promover grandes editoras, os autores fazem palestra no Café Literário, de espaço nobre e, na maioria das vezes, não tem os livros desses autores. Aqui não, passamos 40 minutos autografando livros.

Leia:

Primeira edição da Flica apresenta prós e contras, mas saldo é positivo

Primeira festa literária da Bahia recebe mais de 4 mil participantes

Alguns problemas marcam a primeira edição da Flica

Crônica: Estrada da Perdição – Diário Incompleto da Flica

Galeria de fotos

FUTEBOL

Afinal, o VAR traz justiça pro brasileirão?

Implementado este ano na competição, recurso ainda causa controvérsias no meio esportivo Por Caio Marco e Victor Fonseca Desde que se tornou popular mundialmente, o futebol sempre foi marcado por polêmicas, especialmente com relação à arbitragem. Pênaltis decisivos não marcados (ou pênaltis mal marcados), gols de mão, impedimentos, dentre outras controvérsias se mantêm na pauta […]

Caio Marco, Victor Fonseca - 13 de novembro de 2019

Desconectados

Status: Desconectado

Em tempos de relações on-line, jovens baianos andam na contramão e defendem que a boa conexão está fora da tela Por Carlos Magno e Thídila Salim Com um misto de funcionalidades, os smartphones se tornaram peças indispensáveis na vida de muita gente por todo o mundo, seja para auxiliar no trabalho ou para puro lazer. […]

Carlos Magno, Thídila Salim - 13 de novembro de 2019

Futebol feminino

A bola está com elas

Beatriz Rosentina, Elias Santana Malê, Ingrid Medina e Larissa Travassos 13 de novembro de 2019 A bola está no campo e quem veio jogar foram elas, as mulheres, que cada vez mais ganham visibilidade a partir das iniciativas para esta modalidade. Com uma história marcada por mais de 40 anos de proibição da prática no Brasil, a […]

Beatriz, Elias, Ingrid, Larissa - 13 de novembro de 2019

Saúde mental

Saúde mental e vida universitária: Seria a universidade um ambiente tóxico?

Foto: Marcelo Camargo Danilo Gois e Iuri Petitinga O sonho de ingressar em uma universidade pública é algo que acompanha quase todos os estudantes de ensino médio no Brasil. Muitos destes alunos não imaginam que a pressão do período pré-vestibular não para após o ingresso em um curso superior e uma parte destes alunos não consegue […]

Danilo Rodrigues e Fernando Iuri Petitinga - 18 de novembro de 2019

Algodão

Crescimento de 17% na safra de Algodão da Bahia assegura o estado como 2º exportador mundial

Região é explorada desde os anos 1980, marcada pela presença de “baiúchos” Ellen Chaves, Fernando Franco, Welldon Peixoto e Pedro Oliveira Foto: Welldon Peixoto O ano de 2019 já aponta 17% de aumento na safra de algodão no cenário baiano, segunda maior cultura da região. O oeste é responsável pela maior parte da produção do […]

Ellen Chaves, Fernando Franco, Welldon Peixoto - 18 de novembro de 2019

Consumo cultural

Popular para quem? Por trás da dinâmica do consumo cultural em Salvador

Apesar de uma vasta programação cultural e artística,  parte da população de Salvador não frequenta esses eventos  Lizandra Santana, Luciano Marins e Luana Gama Salvador é uma cidade que respira cultura. Por quase todos os cantos encontramos espaços culturais com uma programação diversificada, além de festivais realizados ao longo do ano. Ao mesmo tempo, parte […]

Lizandra Santana, Luciano Marins e Luana Gama - 13 de novembro de 2019